Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

 

Às vezes andamos tão absorvidos com os problemas e o mundo da outra realidade, a aparente -as políticas do dia a dia, os agravos e isso- que esquecemos que temos acesso à poesia e que demorar-se na poesia é um acesso directo à paz que vem com a tranquilidade. Agora há pouco fui dar com o blog de RAA que já não visitava há um certo tempo e dei de caras com estes versos transcritos em baixo. Entra-se logo num estado de espírito de acesso a uma dimensão diferente.

De vez em quando esqueço que também sei escrever um verso e que a demora na poesia infunde uma sensação de profunda tranquilidade e paz.

 

Esta camisa

perfeitamente passada

pelas rugas

da minha mãe

 

Daniel Jonas, Bisonte 8(2016

 

 .......

 

O teu Produto Interno

é Bruto.

 

Filipa Leal, Vem à Quinta-Feira (2016)

 

fui ao outro blog, o da poesia, ver o que andava a escrever há 10 anos. Escrevia muito nesses anos. em 2008 escrevi 157 textos poéticos. Muitos podia tê-los escrito hoje. Outros, não, são muito atormentados, alguns revoltados.

 

 

escrito a 25 de Setembro de 2008 às 16:22

 

Sinto o meu país na carne
profundamente dilacerado,
tão depressa não creio que volte
à primavera do recente passado.

Que mágoa esta de viver
em tempos de Judas multiplicados
quem pudera algum dia conceber
tais dias tão depressa ressuscitados...

Tornámo-nos obesos na vontade
e a valentia de outrora
não é agora mais que memória
do que já fizemos
por esse mundo fora.

Deixámos e até ajudámos
que os servis de coração
( os mais vis na ambição )
se içassem ao poder,
oferecemos-lhes o punhal
e abrimos ao golpe o peito
- foi profundo e brutal.
Quem sabe se desta vez
o ataque não foi mortal...

As civilizações e os povos
desaparecem por vezes
num curto espaço de tempo
quebradas que são suas gentes
por homens brutos e tolos
que só na ambição são adultos.

Como o animal enjaulado,
cujo passo é cerceado
por chão electrificado,
também o povo é quebrado
quando o tronco é atacado
pelos golpes de perversidade
das correntes de corrupção
que forçam a decomposição
do impulso de criação
e da paixão de liberdade
( essas forças de renovação! )
de tal modo que a vontade
ou quebra e torna-se apática
ou reage com violência
- no primeiro caso se entrega
às forças da decadência
até à dissolução;
no segundo irrompe em fúria
e tudo se acaba breve
em caos e revolução.
 
bja
 

 

 
 
 escrito a 1 de Setembro de 2008 às 21:29
 
 
Gosto das risadas das crianças
a jogar à apanhada
no verão depois do jantar
- elevam-se
entram em casa
pelas portadas abertas
que refrescam do calor o ar.

Transportam-me logo à infância
e sinto essa espécie de alegria
que acompanhava as nossas correrias
por entre os canteiros de flores
- bocas-de-lobo, amores-perfeitos e miosótis
que à hora do crepúsculo intensificam os odores.
 
bja
 

publicado às 16:35


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics