Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Totally missing de point

por beatriz j a, em 02.03.19

 

Só estou bem com a cidade que não tenho

Vejo cada vez mais pessoas preocupadas com algumas consequências do turismo. Consequências que antes de existirem eram referidas nas mesmas conversas de café como situações desejáveis: centro das principais cidades cheio, uma remodelação do parque imobiliário e novas formas de circular – transportes individuais baratos e amigos do ambiente.

 

Ninguém está contra o turismo. As pessoas estão contra a edilidade e o governo que na pressa de contar as notas esquecem-se que há portugueses que precisam de viver agora já, e depois, quando os turistas se cansarem do país.

 

É que de cada vez que entra dinheiro no país, em vez de se aproveitar para melhorar as condições de vida das pessoas, estou a falar de habitação, saúde, educação e emprego, gasta-se todo o dinheiro a embelezar(em-se) e a especular e quando o dinheiro se acaba voltamos à estaca zero como se não tivesse havido esse período de relativa abundância.

 

Fazemos sempre isto: aconteceu com a riqueza que veio das Índias, a seguir com o ouro do Brasil, depois com a entrada na UE e agora Lisboa está a fazer o mesmo com os milhões que entram do turismo. Eles servem a quem? Sim, é verdade que a cidade está mais bonita, mais vivaz e interessante. Come-se muito melhor, por exemplo. No entanto, as pessoas foram expulsas da cidade e agora viajam de carro duas horas para chegar ao emprego e outro tanto para chegar a casa. Está tudo mais caro e os ordenados não chegam. Não há, nem parece haver, vontade de regular e de pensar nos portugueses não políticos. É o descontrolo total e a cidade está nas mãos de especuladores e amigos do poder. 

 

publicado às 19:45


4 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.03.2019 às 00:22

“... Está tudo mais caro e os ordenados não chegam...” 😳??. Está tudo mais caro PORQUE os ordenados não chegam. Não existem coisas caras... existe antes o desejo de coisas que não conseguimos ter. E porque o desejaríamos ter? Não gosto da cidade... o meu espírito crítico não é inesgotável... tb sou humano, bolas.
Imagem de perfil

De beatriz j a a 03.03.2019 às 07:40

o preço das casas, os transportes, a energia, a alimentação, são exemplos de coisas que desejamos ter?
E eu não disse que as coisas são caras mas que estão MAIS caras. Vão subindo os preços das coisas e os salários ficam na mesma ou sobem muito abaixo da subida de preço ou até descem devido aos impostos que são cobrados.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 03.03.2019 às 12:17

Eu não tenho assim tanto a certeza de que a cidade esteja mais bonita....está mais compostinha mas é como aquelas mulheres que usam muita maquilhagem!
E estou farta de turistas!
Também acho que tudo está mais caro.
Outra coisa que me faz confusão é a falta de atividades culturais de jeito. E, quando aparece alguma coisa, esgota rapidamente!
E faltam sítios para comer como o saudoso Apolo 70....a falta que ele me faz.....
Manuela
Descobri o teu blog Beatriz e gostei muito!
Imagem de perfil

De beatriz j a a 03.03.2019 às 12:31

Obrigada!

Acho que Lx está mais bonita. Renovaram-se os edifícios, arranjaram-se as praças, está cheia de animação. Não há muito tempo estava tudo velho, entaipado, sujo e a cair de podre.
É verdade que certo tipo de actividades culturais aparecem tão pouco que esgota tudo em três tempos.
Também tenho saudades do antigo snack do Apolo 70 mas daí a dizer que faltam sítios para comer em Lx... isso é o que mais há e para todos os gostos e parece-me que foi das coisas que mais melhoraram na cidade.

Comentar post



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics