Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A tragédia de Portugal é isto

por beatriz j a, em 09.05.18

 

 

Termos sido sempre governados por pessoas que têm desprezo pelos portugueses, que não têm sentido de Estado, nem de bem comum, nem de justiça e, por vezes, por autênticos bandidos mafiosos. E muitos dos que nos roubaram esta oportunidade de bem-estar continuam por aí alegremente a roubar-nos, de cargo em cargo.

 

... imagine-se a posição cimeira em que Portugal poderia estar hoje se os milhares de milhões sugados tivessem sido aplicados no desenvolvimento dos portugueses, a todos os níveis. Se tivesse havido respeito pelas pessoas, sentido de Estado, governação firme, pragmática e eficaz, sentido de bem comum, justiça verdadeira, implacável e célere.

 

publicado às 05:12


conselheiros? Para quê?

por beatriz j a, em 16.05.10

 

 

Discurso Directo com Vítor Bento

"O modelo social em que vivemos não é sustentável" DN

por JOÃO MARCELINO (DN) e PAULO BALDAIA (TSF)

Defensor de uma maior concertação de políticas a nível da União Europeia, Vítor Bento centra o seu discurso no crescimento e alerta para a eficácia do investimento. Fala em reduções nos salários e diz que é necessário renegociar o contrato social.

 

Leio estas entrevistas e fico mesmo desanimada. Este indivíduo é Conselheiro de Estado, tem ocupado cargos de importância no Tesouro, na SEDES e a sua conversa resume-se a dizer que 'estamos mal' (obrigada mas já sabemos); 'os políticos e o povo não sabiam porque com a entrada no euro desligámos o alarme da taxa cambial, mas nós, especialistas, sabíamos que isto estava a descambar' (!!!!??? então porque não disseram? Para quê então ocuparem lugares chave da economia do país ou serem conselheiros de ministros e presidentes?); 'temos que cortar os salários e subrir os impostos' (porque não defender que os trabalhadores trabalhem recebendo apenas o suficiente para comprar pão e água?); 'temos que cortar despesas' e os exemplos dados são a educação e a justiça (a justiça? Porque não defender logo o fim da democracia? A educação? Porque não defender logo a escravização do povo?)

É desanimador constatar que as figuras que tomam decisões neste país não têm uma única solução para os problemas a não ser defender mais do mesmo: empobrecer as pessoas.

O título da entrevista sugere que o entrevistado tem algum modelo alternativo, mas não. Na prática, o que ele chama 'este modelo' é o modelo em que as pessoas têm ordenado, direitos associados ao trabalho, acesso à educação e à justiça. É isso que ele diz que tem que mudar.

É desanimador.

 


publicado às 14:18


no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics