Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

Com Mário Nogueira, líder da Fenprof, a assistir à audição do ministro, Tiago Brandão Rodrigues recusou-se por diversas fazer a “classificar” as ações dos sindicatos que representam os professores. Em sentido contrário, o governante fez várias referências a “outras formas de vida, nem todas elas alienígenas”, e a “movimentos muito menos orgânico e entendíveis”, que podem ameaçar a democracia. Com o recém-formado Stop (Sindicato de Todos os Professores) a ser o único a manter a greve às reuniões de avaliação não é difícil adivinhar a quem se referia Brandão Rodrigues.

 

publicado às 20:08


Se é o mesmo Tiago bate certo

por beatriz j a, em 12.07.18

 

 

Ministro [Tiago Rodrigues] diz que é preciso esclarecer custos para ver quanto tempo congelado pode ser recuperado

 

Tiago Rodrigues distinguido com Prémio Europa de Teatro

 

 

 

publicado às 08:22

 

 

Volte para a Rússia, vá ver a bola. 

Greve pode atrasar novo ano letivo: "Duvido que as escolas deixem os professores ir de férias"

Presidente da Associação de Dirigentes Escolares alerta: "Se o processo de avaliações não estiver concluído, duvido que as escolas deixem os professores ir de férias." Ministério descarta responsabilidades

 

publicado às 19:49

 

 

Governo dá com uma mão e tira com a outra

Em causa estão nove anos, quatro meses e dois dias durante os quais a carreira dos docentes do básico e secundário esteve congelada ­– entre 31 de agosto de 2005 a 31 de dezembro de 2007 e desde 1 de janeiro de 2011 até 31 de dezembro de 2017. Na nota lê-se que «no dia 1 de janeiro de 2018 é retomada a contagem do tempo de serviço para progressão na carreira» e que «continuam a ser descontados os períodos compreendidos entre 30.08.2005 e 31.12.2007 e de 01.01.2011 e 31.12.2017».   

Esta orientação do Ministério da Educação – que chegou às escolas  através de uma nota informativa da Direção Geral da Administração Escolar (DGAE), com data de 9 de janeiro – está a gerar mal-estar entre os professores que pelos corredores comentam que a decisão está tomada e que as negociações com os sindicatos foram apenas uma estratégia usada pelo Governo para conseguir aprovar o Orçamento do Estado no Parlamento, relatam ao SOL vários docentes. 

«Todo o tempo de serviço que esteve congelado tem que ser contabilizado», avisou Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE). Isto porque, sustenta, «esse tempo existiu e os professores trabalharam durante esse tempo» sendo por isso, «uma questão de bom senso». 

 

publicado às 12:25

 

 

Ministro diz que quem critica o Governo tem visão conservadora

 

É excluir os que as fazem através do ataque à pessoa. Segundo o ministro é tão óbvio que o governo e a sua política são a salvação do mundo que fica igualmente óbvio que quem o critica é atrasado. Sim senhor, grande exemplo de eloquência democrática... não admira que nas escolas haja tanta gente assim... estão só a imitar estes ministros.

 

 

publicado às 08:52

 

 

 http://www.tvi.iol.pt/videos/ministerio-da-educacao-transformouse-num-cancro/14186622

 

 

(não consigo inserir o vídeo mas vale a pena ver porque é isto exactamente que ela diz)

 

 

publicado às 13:47

 

 

 

 

 

Governo garante número de funcionários nas escolas

O ministro da Educação garantiu esta terça-feira a uma delegação sindical que está a "trabalhar" para garantir o número de funcionários não docentes nas escolas suficiente para assegurar a abertura do ano lectivo com normalidade.


E depois, o que é que o ministro considerará 'funcionários suficientes'...? Um por cada 500 alunos? E como é que é possível falar-se de normalidade no meio do maior despedimento anormal de que há memória neste país e arredores?



publicado às 21:51


Completamente de acordo!

por beatriz j a, em 18.07.12

 

 

 

 

(do Umbigo)

 

Carta Aberta


ao Primeiro Ministro do Governo de Portugal

 

ao Ministro da Educação e Ciência

 

As escolas e os professores dos ensinos básico e secundário têm sido alvo de um “despejar” constante de legislação e de um continuado processo de alteração das regras. Este ano, o Ministério da Educação fez chegar às escolas, muito tardiamente, o que só por si gerou grande perturbação, um conjunto de normativos que estabelecem novas regras para o próximo ano lectivo e que irão prejudicar gravemente a vida das escolas, dos professores e, principalmente, dos alunos. Além da consolidação e do alargamento desmesurado de “mega- agrupamentos”, o governo mandou para as escolas todo um conjunto de novas regras que assentam, como já é costume, em equívocos, em pressupostos errados. Assim:

 

- mandou reduzir a carga horária de disciplinas estruturantes, contrariando o parecer do Conselho Nacional de Educação e ignorando a participação dos professores na revisão curricular, como se estes não constituíssem uma peça fundamental na implementação de qualquer alteração na estrutura dos curricula;

 

- mandou aumentar o número de alunos por turma no pressuposto de que este factor é indiferente para o desempenho dos professores e para a aprendizagem dos alunos. (Haverá alguém que acredite nisto?);

 

- mandou aumentar a carga horária de todos os professores em dois tempos lectivos, no pressuposto de que os professores trabalham pouco, ignorando que a maioria está sujeita a cargas de trabalho que são já causadoras de grande desgaste físico e psicológico;

 

- mandou diminuir o crédito horário para o exercício do cargo de diretor de turma, no pressuposto de que não é importante e complexo, e ignorando-o como um dos cargos fundamentais para o acompanhamento e sucesso dos alunos e da escola e um elemento-chave de ligação com a família;

 

- mandou continuar o processo abusivo de designar como não lectivas actividades efectivamente lectivas;

 

- mandou interromper o percurso dos alunos dos cursos EFA, iniciados no presente ano lectivo, no pressuposto de que quem se inscreve num curso e frequenta parte dele não tem o direito de o concluir.

 

Partindo destes equívocos, o governo consegue esta irracionalidade:

 

- exclui professores em todas as escolas, empurrando milhares para a situação de desemprego imediato ou a curto prazo, incluindo milhares de professores dos quadros de escola (efectivos), muitos com mais de trinta anos de serviço e cinquenta de idade;

 

- sobrecarrega, para além do limite do que é humanamente possível, os professores que ficam na escola, pondo em causa todo o processo de ensino e de aprendizagem.

 

É óbvio que esta situação, que se repete na generalidade das escolas, de Norte a Sul, terá custos elevadíssimos para os professores, para os alunos e, consequentemente, para o país. Com urgência, de modo a assegurar alguma normalidade no início do próximo ano lectivo, o governo tem de revogar a legislação que criou esta situação completamente absurda, injusta e iníqua, nomeadamente: o despacho nº 5106-A/2012 de 12 de Abril, o despacho normativo nº 13-A/2012 de 5 de Junho e o Decreto-lei nº 139/2012 de 5 de Julho.

 

Caso a tutela não devolva a dignidade às escolas, os docentes signatários, reunidos na Escola Secundária/3 Camilo Castelo Branco de Vila Real, em 16 de Julho de 2012, entendem que não estão reunidas as condições para iniciar o próximo ano lectivo, pelo que estão dispostos a recorrer às formas de luta que acharem mais adequadas.


Vila Real, 16 de Julho de 2012

 

publicado às 06:55


O caso Relvas já ultrapassou todos os limites

por beatriz j a, em 12.07.12

 

 

 

 

Lusófona

Professor de Relvas demite-se

Isto, na minha modesta opinião lança um manto de descrédito sobre o primeiro ministro e o ministro da educação.

O primeiro porque mostra que põe as amizades e interesses partidários acima do interesse do país (pois de outro modo como se explica que continue a impôr-nos como governante um indivíduo que vive de esquemas pouco éticos e parece um chaimite a destruir tudo à sua volta) e o segundo porque não mexe uma palha para investigar o que se passa naquela Universidade em termos de diplomas atribuídos (calculo que a Universidade tenha os cursos homologados).



publicado às 13:41

 

 

 

 

"Queremos agrupar escolas para que o processo educativo seja mais racional, para que haja mais contacto entre os diversos níveis de ensino, e para que tudo funcione de forma mais harmónica", disse o governante, tendo observado que tais objetivos "não podem levar à criação de agrupamentos disfuncionais".

 

Porque não juntar também o infantário e a universidade tudo no mesmo sítio, para que 'haja mais contacto entre os níveis de ensino e tudo funcione de forma mais harmónica'... e, já agora, porque não agrupar todas as escolas, infantários e universidades numa grande 'jumbo-agrupação', para que o 'processo educativo seja mais racional'...?

 

publicado às 16:47


Baralhar e voltar a dar

por beatriz j a, em 11.02.12

 

 

 

 

no Blog DeAr Lindo

 

Foi entregue hoje às organizações sindicais a primeira proposta sobre o regime de Autonomia, Administração e Gestão.

 

A principal novidade do documento numa leitura apressada é a seguinte:

 

Pfff...grande alteração, sim senhor... O Coordenador é eleito mas, não escolhido, pelos departamentos. É escolhido pelos Diretores... como é que as pessoas de um Departamento podem sentir-se representadas e, serem-no efetivamente, por Coordenadores que não escolheram?É assim como dizer a alguém, 'Gostavas de chocolate? Pois paciência, só tens acesso a cenoura, batata ou nabo. Tens que escolher um destes' e depois aceitar que a escolha foi tua...

Este ministro é a versão masculina da Rodrigues em tom soft e dissimulado para não acender ódios.

 

publicado às 15:31


Olhóministrodesibernou...e disse...coisas...

por beatriz j a, em 11.02.12

 

 

 

 

Ministério não quer provas e exames com questões demasiado simples

As provas de aferição, provas finais e exames nacionais não devem incluir questões demasiado simples para o nível de escolaridade a que se destinam, adverte o Ministério da Educação numa informação publicada on-line.

 

Este tipo de declarações não tem sentido nenhum. As provas têm que perguntar o que foi ensinado pois é isso que se espera que os alunos tenham estudado e saibam responder.

 


publicado às 15:15


no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics