Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




El lagarto está llorando

por beatriz j a, em 22.03.16

 

 

 

by Joana Vasconcelos

 

 

El lagarto está llorando. 
La lagarta está llorando. 

El lagarto y la lagarta 
con delantalitos blancos. 

Han perdido sin querer 
su anillo de desposados. 

¡Ay, su anillito de plomo, 
ay, su anillito plomado! 

Un cielo grande y sin gente 
monta en su globo a los pájaros. 

El sol, capitán redondo, 
lleva un chaleco de raso. 

¡Miradlos qué viejos son! 
¡Qué viejos son los lagartos! 

¡Ay, cómo lloran y lloran, 
¡ay! ¡ay! cómo están llorando!

 


 Federico García Lorca

 

 

publicado às 05:56


Da Joana Vasconcelos

por beatriz j a, em 27.11.15

 

joana_vasconcelos_casarao-702x336.jpg

 Joana Vasconcelos - SAIDEIRA, Casa Triângulo, http://casatriangulo.com/

 

 

publicado às 19:23


Pela manhã

por beatriz j a, em 20.02.15

 

 

A Adamson Editions produziu uma série de impressões a tinta de pigmento de desenhos de Joana Vasconcelos, retirados dos cadernos pessoais que a artista conserva cuidadosamente desde há duas décadas.

PRINTS JOANA VASCONCELOS

 

 

 

 

publicado às 05:24


Joana Vasconcelos: o lado bom da força

por beatriz j a, em 25.04.14

 

 

 

Joana Vasconcelos

 

 

publicado às 21:48


Joana Vasconcelos

por beatriz j a, em 19.06.12

 

 

 

 

 

Os franceses, em geral, são dum machismo muito hipócrita. O 'Lustre' foi "censurado". Joana Vasconcelos apenas explica que lhe disseram que não se adequava ao local. Não ficou chocada porque não é a primeira vez que o seu lustre é recusado. "A Noiva tem o condão de ficar solteira", brinca mesmo, dizendo apenas que esta recusa prova que "há ainda muita coisa para fazer" enquanto o tampão for "um objeto vetado pela sociedade" e sinta que há "locais" onde "não é correto" ser apresentado, porque significa uma libertação da mulher.

 

O barão Roland de l'Espée, reagiu violentamente. "É a vez de Joana Vasconcelos, a rainha dos Tampax, caçarolas e outros utensílios irrisórios, de ridicularizar a mulher e impor as suas sujeiras ao nosso património mais prestigiado", escreve o barão num blogue. LLLOOOOLLLLL eheheheh

 

 

publicado às 19:44


dentro da exposição da joana vasconcelos

por beatriz j a, em 13.09.10

 

 

 

 

publicado às 16:19


exposição joana vasconcelos

por beatriz j a, em 31.03.10

 

 

Fui ver a exposição da Joana Vasconcelos ao museu Berardo (só um aparte - não me interessa as razões que levaram este homem a coleccionar arte. O que sei é que a partilha com o povo,o que é mais que todos os outros que também a compram, às vezes com o nosso dinheiro, como no caso do BPN, mas que a guardam egoisticamente a sete chaves).

A exposição é extraordinária.

Todas as peças têm uma raíz portuguesa e partem do quotidiano mas universalizam-se, tanto na forma como no conteúdo. As peças são fortemente provocaticas e inequívocas, o que não é muito comum em de peças em instalação que às vezes requerem conhecimentos prévios e um estado de espírito muito próprio para se entrar dentro da mente do artista. Mas não aqui: o efeito e a compreensão são imediatos e fortes. As peças convocam o pensamento, o sentido de humor e os sentimentos. Todas as peças são excepcionais. Cheias de verdade. E ela tem um estilo muito original.

Gostei da peça 'strangers in the night', - o táxi que anda à noite no meio de outros carros, representados pelos faróis iluminados, pequenas luzes solitárias; gostei do sapato gigante que ao longe tem um brilho e um glamour que evoca o mundo da Marilyn Monroe e que alinal é todo feito de tachos e panelas - o outro lado do glamour feminino. Está genial. Gostei da cadeira, toda feita de aspirinas, perto da cama, toda feita de comprimidos para dormir - o dia e a noite do mundo contemporâneo. Gostei daquela espécie de câmara/cubo/montra com todos os objectos duma casa que mostram uma vida tipicamente portuguesa condensada nas coisas. É demonstrativa.

A matrafona gigante que faz lembrar os contos e os brinquedos da infância, toda feita de retalhos de tecidos, crochet, rendas e panos de cores e padrões portugueses que evocam a infância, de cores alegre e felizes, em contraste com a viúva negra logo à entrada.

Duas peças são muito impressionantes. A primeira é 'A Burka' - uma camada de tecidos (tecidos de feminilidade escondida, proibida) tapados com uma burka sobe lentamente numa grua e quando chega lá acima é largada e cai de borco, estatelada no chão, numa espécie de palco redondo. A primeira vez que se vê é chocante, porque é evidente que é atirada, como se fosse uma boneca de trapos sem valor nenhum, para a morte, depois duma vida de  negação. É dramática, como uma pequena peça teatral trágica que se desenrola em um minuto diante de nós. É tão verdadeira que se vê nela, mais do que em mil livros, o que é ser uma dessas mulheres. Muito impressionante.

A outra chama-se 'perfeito coração', uma frase do poema do O'Neil cantado pela Amália. Entramos numa pequena sala redonda, toda negra (como o vestido e o xaile das fadistas e a cor do destino/fado) e lá dentro estão três corações gigantes, que rodam sobre si, daqueles que as minhotas usam em filigrana ao pescoço - um negro, outro vermelho e outro dourado. São feitos, incrivelmente, de garfos retorcidos. Ouvimos a Amália cantar a Gaivota do O'Neil. Fica-se imediatamente esmagado por aquele ambiente de fado assim que se entra. Convoca os sentimentos e é muito profundo e comovente.

Esta artista, que tem uma peça cheia de humor - uma lambreta com atrelado que na parte de trás está carregada de Nossas Senhoras de Fátimas luminosas daquelas mesmo pirosas- a mostrar o lado provinciano e kitsch de certa cultura portuguesa, depois agarra noutros objectos da cultura popular e com eles mostra a profundidade e a seriedade duma certa alma portuguesa na maneira como confere nobreza e sentimento aos corações.

A saída faz-se por uma instalação que é um jardim nocturno, em labirinto. Uma coisa mágica mesmo, com as flores luminosas a bordear o caminho da noite escura. Lindo.

A mulher tem uma imaginação, uma criatividade, uma capacidade de atirar com a verdade para cima de nós, umas vezes com humor, outras com o drama, mas sempre com inteligência, e beleza.

Tenho que ir ver a exposição outra vez.

Tirei umas fotografias com o telemóvel.

 

 

 

 

 

 

 

publicado às 09:42


no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics