Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

 

Confesso que não sabia quem era a Jessica Athayde quando vi a notícia que inundou os jornais sobre críticas que lhe tinham feito por desfilar num evento de moda sem corresponder ao protótipo de modelo de moda, isto é, excessiva magreza.

Incomodou-me que a notícia das críticas que lhe fizeram tivesse ocupado as primeiras páginas dos jornais pelas razões erradas. A única pessoa que vi abordar o assunto com inteligência foi a própria que no seu blog, sem se ofender com as críticas chamou a atenção das raparigas/mulheres que ao criticá-la estão a alimentar a ditadura implacável de imagem que os media e a sociedade em geral impõem às mulheres. Todas as outras abordagens do assunto foram no sentido de fazer exactamente o mesmo que criticaram, ou seja, chamaram estúpidas, invejosas e outras coisas às mulheres que fizeram as críticas e li até blogs onde se aproveitou para dizer que todas as mulheres são horríveis umas para as outras, invejosas e incapazes de competição leal...

 

(sobre competição leal basta olhar para o mundo da política e dos negócios, dominados esmagadoramente por homens que fazem toda a espécie de sacanices uns aos outros... sobre maledicência e inveja, qualquer notícia ao acaso de qualquer jornal em qualquer dia tem, nos seus comentários, também dominados maioritariamente por homens, um nível de maledicência, inveja e ódio que fazem corar... no entanto, não me parece que possamos inferir destas realidades que está na natureza dos homens serem todos uns trolls uns para os outros.)

 

Eu trabalho com adolescentes. Todos os meios de comunicação, os filmes, os jogos, a publicidade, os manuais escolares, os placards na rua, as telenovelas, os programas de Tv e toda a sociedade em geral está estruturada para gritar constantemente às raparigas que têm que ter uma determinada imagem; a maior parte delas, está tão consciente de não corresponder a essa imagem que constantemente olham à volta para se certificarem que não são as únicas e assim como são implacáveis a julgar-se a si próprias, são-no também com os outras. São prisioneiras duma ditadura de imagem que lhes impõem. Não se trata o problema chamando-lhes invejosas ou estúpidas: não é isso que está em causa.

 

Hoje, todos os jornais, o Facebook, o youtube, o twitter, os programas de Tv e as revistas trazem em grande letras de primeira página o caso da actriz americana, Renée Zellweger, por ter feito uma plástica que lhe descaracterizou a imagem. Estamos a falar de uma actriz com um óscar que supomos deve ter auto-confiança e boa auto-imagem... pois, ficámos a saber que também é insegura tal como as raparigas/mulheres que criticaram a Jessica Athayde. Estou com compaixão pela mulher porque calculo que uma pessoa cuja insegurança a leva a fazer uma cirurgia para se melhorar (ela que não precisava de melhorar nada...) ver-se atacada, criticada e ridicularizada em tudo quanto é meio de comunicação e rede social do mundo ocidental, seja uma tragédia de proporções catastróficas. Estou a exagerar? Pois, devo estar... no meio de tantas guerras e problemas de que é que todos os media falam com grande destaque? Da cara da Renée Zellweger...

 

E isto quer dizer que os jornais e as pessoas que a citicam -mulheres e homens- são maus e invejosos? Acho que não. É como diz a Jessica Athayde, as mulheres, porque estão presas nesta ditadura de terem que ser perfeitas, muitas vezes não se apercebem que colaboram, indirectamente, para a perpétuação deste problema. Não me parece é que ofendê-las e chamar-lhes estúpidas e invejosas esclareça o problema ou contribua para a mudança de mentalidades.

 

A maior parte das raparigas/mulheres, apesar de não ser uma estrela constantemente perscrutada pelos media, tem a sensação de estar sob os holofotes, de tal maneira se critica, vigia e pune por não ter uma figura à altura das expectativas da sociedade. E a medida que usam para si usam para os outros. Daí que critiquem outras com o mesmo rigor.

O que tem que mudar é esta ditadura, esta pressão que se faz sobre as raparigas e as mulheres em geral para corresponderem todas a um tipo de figura corporal.

A propósito deste assunto, o machista comentador habitual do Expresso, a querer criticar as críticas que fizeram à portuguesa, escrevia uma crónica dizendo que as mulheres, em seu entender, deviam corresponder a outro prótótipo e punha uma imagem duma actriz de um filme do Fellini... isto é, as mulheres são objectos que têm que corresponder sempre a um ideal masculino, seja ele de magreza ou de rabo e mamas grandes... não podem é ser como são, cada uma à sua maneira...

Aliás, esta ditadura, que há alguns anos começou a estender-se aos rapazes, está agora a dar os primeiros frutos negativos: os rapazes já andam obcecados com dietas malucas e criticam-se constamentemente a si mesmos e uns aos outros por não terem a figura ideal -  ou não têm os músculos ou não têm os troncos largos ou é a pele que não é boa ou é o excesso de pêlos ou o rabo que é liso ou outra coisa qualquer... fonte de constante ansiedade.  Isto é que é preciso mudar!

 

publicado às 20:16


no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics