Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Li este artigo acerca da indústria do carvão na Alemanha que chegou a empregar 607.000 trabalhadores e fechou as portas no ano passado sem despedir ninguém. Porquê e como? Isso é que é interessante. Nos anos 50 a Alemanha estava tão determinada a tornar-se uma força para o bem que desenvolveu uma forma distinta de capitalismo, chamado o capitalismo renano, marcado pela aversão ao conflito. Isto significa que os sindicatos trabalham com as direcções das empresas e participam, são consultados, nas grandes decisões de negócios. [chamam a isso, a este tipo de gestão, "Mitbestimmung" - sistema consensual que permite aos trabalhadores terem um papel activo nas decisões de gestão das empresas e que lhes permite ter lugares no conselho fiscal]. Quer dizer, os alemães preferem o consenso e não deixam as situações chegar a conflitos. 

 

É claro que isto implica levar em conta os interesses dos trabalhadores e não vê-los apenas como números que potenciam lucros, mas como pessoas, com direitos.

 

Isto é um exemplo muito interessante que podia ser seguido por governos: em vez de construirem estradas de abuso de poder, sonegação de direitos, ódio, de mau-trato, de depreciação e, consequentemente, conflito, construírem estradas de consenso. 

 

Em Portugal, os últimos governos construiram o seu poder sobre conflitos que os próprios governos iniciaram contra classes inteiras de trabalhadores. Como é sabido até houve ministros que se gabaram de terem destruído irreversivelmente as relações com os trabalhadores, 'perdi os professores mas ganhei os pais'. Mas quem é que pode pensar que a educação ou a saúde ou outra actividade ganha quando se perdem por hostilidade, os seus profissionais?

 

Calculo que as estratégias de hostilizar trabalhadores sejam a pensar na boa produtividade: é evidente que trabalhadores vitímas de abusos, calúnias, injustiças e atiçados uns contra os outros permanentemente em conflito têm maior produtividade e são um sintoma de uma democracia robusta que se quer melhorar a si mesma...

 

How Germany closed its coal industry without sacking a single miner

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:59

 

Governo ‘esquece-se’ de aprovar contas da CP desde 2015

Desde 2014 que o Governo de António Costa optou por não aprovar as contas da transportadora ferroviária nacional

A falta de aprovação das contas por parte do atual governo socialista é dupla, ou seja, contou com a omissão a esse respeito por parte da tutela setorial, representada pelo Ministério do Planeamento e das Infraestruturas – liderado até há cerca de dois meses por Pedro Marques, entretanto substituído por Pedro Nuno Santos -, assim como com a ausência de opinião e de decisão em consonância da responsabilidade da tutela do Ministério das Finanças, liderado por Mário Centeno.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:23


Mas neste governo ninguém pensa?

por beatriz j a, em 30.03.19

 

O governo quer ir buscar mulheres, crianças e adolescentes que estão presos no Médio Oriente por serem jihadistas e trazê-los para Portugal. E dizem com a maior ignorância que vão desradicalizá-los, como se eles tivessem apanhado papeira e agora fossem ser tratatos e ficar bons... 

 

Não passa pela cabeça destes conúbios unidos que as raparigas que foram para a Síria para juntar-se a jihadistas, perfeitamente ao corrente das suas práticas de decapitações e demais violência contra as mulheres, homossexuais, etc. o fizeram por sentirem-se atraídas por essa mesma violência? Não lhes passa pela cabeça que pessoas normais, por muito desiludidas que estejam, ou frustradas com o Ocidente, não vão juntar todas as energias para fugir de casa e ir juntar-se a psicopatas, assassinos profissionais? E não lhes passa pela cabeça que isso de desradicalizar é só uma palavra que usam essas pessoas para poderem voltar agora que os maridos/carrascos perderam a guerra?

 

E querem trazer para cá essas mulheres e adolescentes para quê? Então andamos a expulsar daqui portugueses com valor aos milhares para gastar dinheiro a ir buscar pessoas doentes mentais, no mínimo, violentas e de mau carácter no que é o mais provável? Uma coisa é ir buscar as crianças, outra muito diferente é ir buscar as mulheres que participaram em crimes hodiendos e tratá-las como se fossem vítimas.

 

thumbs.web.sapo.io.jpeg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:16

 

Lá está... já lemos muitos livros de filosofia e a nossa mãe esqueceu-se de nos fazer parvas...

 

"Os cuidados de saúde não estão em causa. Estarão integralmente assegurados..."? A sério...? É que é justamente o que está em causa e não estão nada assegurados. E sabendo nós da vossa total incompetência em negociar e ser capazes de chegar a compromissos, o caso ainda é mais inquietante.

 

Diz a Portela, "que as notícias sobre grupos privados que podem suspender convenções com o subsistema dos funcionários públicos geram ansiedade nos beneficiários. Geram ansiedade, sobretudo em quem tem tratamentos em curso"... não é só em quem tem tratamentos em curso. O que acontece às pessoas que descontam há 5, 10, 20 ou mais anos, quando tiverem uma doença ou, onde é que levam os filhos, se cortarem relações com os hospitais? Vão a Freixo de Espada à Cinta ao hospital com quem agora têm uma convenção ou à Ilha Terceira nos Açores?

 

Este governo só conhece braços de ferro e não sabe negociar com ninguém e depois vem o Costa e diz, como se fossemos todos os parvinhos dos partidos que ele distribui pelos cargos, que está tudo bem. Vá-se embora do governo, sff.

 

Braço de ferro com CUF, Luz e Lusíadas.

António Costa, deu uma "palavra de confiança aos beneficiários da ADSE". "Os cuidados de saúde não estão em causa. Estarão integralmente assegurados, assim como está assegurada a continuidade da ADSE", garantiu.

 

O que diz a presidente da ADSE?

Sofia Portela, presidente da ADSE, afirmou, em entrevista à Lusa, que está "em diálogo permanente" com os prestadores de cuidados, esperando ter "sucesso nesse diálogo". Referiu, no entanto, que as notícias sobre grupos privados que podem suspender convenções com o subsistema dos funcionários públicos geram ansiedade nos beneficiários.

"Geram ansiedade, sobretudo em quem tem tratamentos em curso. Gostava de dar uma palavra de tranquilidade. Os serviços de saúde e o seu acesso está completamente assegurado e podem aceder como sempre fizeram aos prestadores. A ADSE está a desenvolver todos os esforços para que não haja quebras de acesso", afirmou.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:51

 

Governo pressiona OCDE a mudar capítulo sobre corrupção

Tema surge pela primeira vez num relatório pela mão de Álvaro Santos Pereira e deixa Portugal mal na fotografia. Governo exige mudanças por considerar a referência forçada e assente em preconceitos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:30


Corrijam-me se estou enganada

por beatriz j a, em 17.12.18

 

O governo, ao mesmo tempo que entende que não tem que cumprir os seus deveres mais básicos de legalidade, transparência, justiça, ética, atenção aos parceiros sociais, etc., exige e reclama, ao ponto da ofensa e calúnia de chamar criminosos e irresponsáveis, que todos os outros têm esses deveres de serem entidades irrepreensível e altamente morais. Mas o governo, não. O governo pode escusar-se e ter comportamentos de falsidade e engano, os outros é que têm que ser altruístas ao ponto estar de acordo com eles e até desistirem dos seus direitos legais. Fazer greves é criminosos e irresponsável. Querem obediência cega para poderem eles mesmos escapar pelos pingos da chuva de não terem sabido resolver os problemas das pessoas.

Mas isto faz sentido para alguém...? Isto é razoável?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:17

 

Forte com os fracos…

(Ricardo Cabral)

Em resumo, a operação financeira anunciada pelo Governo não é assim tão positiva como parece.

 

Uma poupança de menos de 90 M€ por ano até 2021 e que desaparece completamente após 2024, em contraponto com o compromisso do Governo de manter uma almofada financeira que poderá custar 200 M€ por ano, durante um prazo indefinido, mas que poderá ser longo, não se afigura de facto uma medida de política económica avisada e prudente.

 

Estes pormenores deveriam ser conhecidos, para que, perante a decisão de avançar com a referida amortização antecipada de dívida ao FMI, a opinião pública portuguesa soubesse que “não há bela sem senão” e que os nossos parceiros europeus estão com frequência a “prejudicar-nos” por portas travessas…

 

Quem defende, então, o interesse do devedor Portugal?

O Governo de Portugal e o IGCP, em particular, não o parecem fazer neste caso. Parecem, pelo contrário, num caso típico de síndrome de Estocolmo, terem os interesses alinhados com os interesses dos credores de Portugal.

 

7900 milhões de euros é muito dinheiro parado a ganhar mofo…

No artigo do PÚBLICO antes referido, até parece que o IGCP se queixa que 7900 M€ é muito pouco dinheiro e é um montante insuficiente (“relativamente reduzido”). Mas 7900 M€ corresponde a quase 4% da riqueza produzida anualmente em Portugal!

 

Acresce que, na realidade, as Administrações Públicas têm muito mais dinheiro parado: 25 mil M€ (12,5% do PIB) em Setembro de 2018, incluindo os referidos quase 8 mil M€ do IGCP.

 

Em 2011, o défice orçamental foi de 13 mil M€ (7,4% do PIB). Em 2018, o défice orçamental será próximo de 0% do PIB. Mas o volume de depósitos das Administrações Públicas parece imune e indiferente a essa realidade e à subida do rating da República entretanto ocorrida, independentemente do seu custo para o erário público.

 

Esta “almofada financeira” pública que, faz anos, não há maneira de descer e os resgates obscenos à banca constituem os principais desperdícios de dinheiros públicos do passado recente.

Custa reconhecer mas, nestas duas dimensões, o actual Governo tem desapontado!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:47

 

Fenprof acusa governo de “cobardia” ao declarar “guerra fria” sob anonimato

 

 

Isto é verdade, quer a Fenprof queira, quer não queira. Aliás, no dia da votação, o PCP dizia para os partidos da 'direita', em voz alta, que podiam votar à vontade que isso em nada os comprometia já que estavam a votar apenas para que voltassem à negociação, ficando subentendido que estavam cientes (e não em desacordo) de que o governo podia fazer o que já fez: nada.

 

Quem não percebe que os partidos da AR, juntamente com o governo, são uma coleção de vigaristas ardilosos ou é cego ou pior. (vigarista: Diz-se de ou indivíduo que visa enganar outros por meios ardilosos ou de má-fé. = INTRUJÃO, TRAPACEIRO,  https://dicionario.priberam.org/vigarista)

 

Quem acha que esta gente não merece um voto ponha o braço no ar

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:50


OE 2019 - a chatice dos factos

por beatriz j a, em 31.10.18

 

 

As chamadas despesas excepcionais representam mais de 10 mil milhões de euros, de que não resultam quaisquer benefícios para o cidadão comum. Outrossim, vão directos para os grandes grupos financeiros e económicos. Aí estão inscritos 1750 milhões para os bancos, 4000 milhões para as participações de capital, 1200 milhões para a Parpública e 1518 milhões relativos a rendas de parcerias público-privadas rodoviárias, quando a UE (Eurostat) estimou que o seu valor actualizado não devia ser superior a 337 milhões.

Com a realidade a definir mais tarde, as aparências do OE 2019 são suficientes para perceber o papel da Educação nas prioridades de Costa e Centeno, que o Governo conta pouco e o ministro da Educação vale zero. Como referi antes, um orçamento é sempre um exercício previsional, cujo rigor só é sindicável quando, mais tarde, for cruzado com a respectiva execução. Assim, se a verba prevista para o ensino não superior cresce 248 milhões de euros quando comparada com a inicialmente prevista no orçamento anterior, já quando a comparamos com o que efectivamente se prevê gastar em 2018, o crescimento reduz-se a 82 milhões, isto é, três vezes menos. Se passarmos de valores absolutos para indicadores relativos, salta à vista que o OE 2019 coloca o peso da Educação a evoluir abaixo do que o crescimento económico permitiria. Com efeito, em percentagem do PIB, esse peso vai valer 3,10% em 2019, quando valia 3,14% em 2015, 3,72% em 2011 ou 5,1% em 2002.

 

(Santana Castilho)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:27


Duas unidades já são várias

por beatriz j a, em 29.09.18

 

Ministério garante que tempo de serviço vai ter efeitos nos vencimentos de vários professores já em 2019

 

É assim. Há mil professores entre 120 mil que arbitrariamente vão beneficiar de um esmola de tempo de serviço prestado e deitado para o lixo (porque não é o deles), sendo que vão passar à frente de colegas com mais tempo de trabalho e a mesma classificação. Este ME é igual ao da Lurdes Rodrigues: criar a injustiça entre professores pondo uns a atropelar os outros para que se revoltem entre eles e não contra o governo. Aldrabões profissionais... são todos da escola do Sócrates...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:33

 

 

A questão é que a articulista é a Mariana Mortágua do BE, que ladra, ladra, mas não morde, porque os casos em que a falta de ética, a aldrabice e o comportamento anti-democrático do governo se manifestam são uns atrás dos outros e, ela e os colegas de partido protestam mas... continuam a suportar e vão suportar o governo, isto é, vão continuar a olear a máquina deste governo com estas características. Que raio de confiança se pode ter num partido que diz mal mas compactua sempre e contribui para a manutenção de tudo o que é mal? E que diferença há entre o governo que prevarica e os que sabendo o suportam...? Pois... nenhuma... 

O lóbi em grande profundidade

Mariana Mortágua

Em janeiro de 2017, em Washington, a ministra do Mar dava as boas-vindas ao investimento americano em exploração de petróleo no nosso país. Em Portugal, garantiu a ministra, não há movimentos "contra este tipo de exploração porque estamos a fazer a coisa silenciosamente".

 

Enquanto Ana Paula Vitorino vendia as costas portuguesas à perfuração em grande profundidade, decorria em Portugal uma consulta pública para a atribuição de um título de utilização privativa do espaço marítimo (TUPEM) para a realização de um furo e prospeção petrolífera em Aljezur para a ENI e a Galp. O furo teve 4 votos a favor e 42 295 contra mas, em janeiro de 2017, o Governo decidiu a favor da atribuição do TUPEM. Os tais inexistentes movimentos de que falava a ministra interpuseram uma providência cautelar. O Governo contestou e perdeu. No dia seguinte, o Ministério do Mar interpôs recurso no tribunal do Loulé, ao lado da Galp e da ENI.

 

Durante estes anos, em que o Governo se colocou ao lado das petrolíferas contra os movimentos sociais, as populações, e todas as autarquias implicadas nestes projetos, a ministra do Mar foi assessorada por Ruben Eiras, gestor da Galp Energia.

 

Eiras era assessor de imprensa de Manuel Pinho no Ministério da Economia quando, em 2006, transitou para gestor da Galp Energia. Nestes anos fez várias comunicações públicas, em que defendeu a estratégia da Galp de promoção da prospeção e exploração de gás natural e petróleo em Portugal. Em maio de 2016 o Ministério do Mar nomeou este "trabalhador da Galp Energia" para assessor. Os sites públicos com o seu currículo dão a entender que acumulou este cargo com o seu trabalho na Galp, mas o ministério avançou a um jornal que Eiras interrompeu funções na Galp em dezembro de 2015. Em qualquer dos casos, em fevereiro de 2018, Ruben Eiras foi nomeado diretor-geral das Políticas do Mar em regime de substituição, tendo-se mantido no cargo desde então, apesar da substituição ter cessado em maio.

 

Há neste caso questões jurídicas a esclarecer, nomeadamente quanto a potenciais incompatibilidades e à permanência irregular no cargo em regime de substituição. Mas uma coisa é certa, a política do Ministério do Mar quanto à prospeção e exploração de petróleo em Portugal não se distingue, neste momento, da da Galp, e isso é perigoso, incoerente e irresponsável.

 

É perigoso porque, mais uma vez, assistimos à dominação das políticas públicas pelos interesses privados. É incoerente porque contradiz a intenção de combater as alterações climáticas. É irresponsável porque os contratos são financeiramente ruinosos para o Estado.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:12


Isto ainda não começou e já cheira mal...

por beatriz j a, em 08.09.18

 

 

Prospecção aponta para depósito de 30 milhões de toneladas de lítio em Montalegre

"No ranking mundial de explorações de lítio extraído de pedra, esta é a quinta maior mina do mundo", afirmou Ricardo Pinheiro, o director executivo da Lusorecursos.

 

Corrida ao lítio em Portugal já se transformou num caso de polícia

LusoRecursos

O contrato de prospecção e pesquisa de Sepeda foi assinado entre o Estado e Ricardo Pinheiro, sócio-gerente na empresa LusoRecursos. Trata-se de uma sociedade por quotas, com sede em Braga, e sem trabalhadores declarados. O outro sócio-gerente é António Marques, presidente da Associação industrial do Minho (AIM) até Março deste ano. Com dívidas de oito milhões de euros, a AIM está inserida num processo de recuperação e envolvida num processo-crime que está a correr no Ministério Público por causa de suspeitas na aplicação de fundos comunitários. O capital social da LusoRecursos é de 5 mil euros.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:01

 

 

O governo alegou o interesse nacional para conceder direitos aos privados para pesquisa petrolífera e o tribunal considerou que não há interesse nacional nesta actividade.

Tribunal trava prospecção de petróleo no Algarve

Ambientalistas prometem continuar a luta, avançando agora com o “processo principal” para barrar a intenção do Governo de apoiar a pesquisa petrolífera ao largo de Aljezur.

 

A prospecção de petróleo ao largo de Aljezur, cujo início do processo estava marcado para Setembro, foi suspensa. O Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé (TAF) pronunciou-se esta segunda-feira a favor dos argumentos da Plataforma do Algarve Livre de Petróleo (PAP), que alegou o incumprimento de directas comunitárias, no que diz respeito à segurança e qualidade ambiental do espaço marítimo.

 

A dirigente da PALP, Rosa Guedes, declarou ao PÚBLICO que se trata de “uma vitória esperada”, na medida em que o mesmo tribunal já tinha declarado que “não havia interesse nacional” nesta actividade

 

 imagem da net

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:52


Como desacreditar as greves

por beatriz j a, em 31.07.18

 

Li num artigo de jornal que os patrões dizem que é muito fácil despedir trabalhadores e em outro que, em parte por causa disso, cada vez mais fazer greve é um acto de coragem. E é mesmo. Acrescento que vivemos um tempo em que os governos se comportam acima da lei e como patrões, não representantes do povo, e que se usam desse poder para chantagear, perseguir, prejudicar e, se possível, destruir, os que têm a coragem de lutar pelos seus direitos, como se viu e vê por este governo do Costa demagogo/socratizado mais a sua equipa de educação que só vê pregos, formatados que estão para serem martelos e bater na cabeça dos outros.

 

 

1. Silenciar os trabalhadores.

2. Deturpar as suas reivindicações.

3. Mostrar os clientes/utentes afectados.

4. Exagerar os prejuízos da greve.

5. Omitir a exploração dos trabalhadores.

6. Criminalizar as acções e os grevistas.

7. Reduzir as acções grevistas a violência gratuita.

 

via +/- i.aiestaran

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:24

 

 

Como sabemos que estamos tramados? Quando lemos um artigo ridículo, completamente alheado da realidade a atirar para o poético religioso, de alguém que tem peso no partido que nos governa. Uma pessoa lê isto e fica em pânico porque ela parece estar convicta do que diz, quer dizer, não parece estar a escrever um texto propositadamente mentiroso, o que quer dizer que é completamente cega e se o é, como serão os outros que nos governam? 'Clima de tranquilidade', 'ausência de tensão', 'inestimáveis ganhos' (na sua conta bancária, calculo...), 'Portugal e os portugueses estão hoje melhor do que estavam há três anos'... 

Estamos tramados! Alguém leve este governo a fazer uma visita de estudo à realidade sff.

 

Um caminho que se faz caminhando

Ana Catarina Mendes

* SECRETÁRIA-GERAL-ADJUNTA DO PS

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:02

 

 A minha questão é a seguinte: quem deu a ordem para se usarem as notas do 2º período tendo havido aulas no terceiro com avaliações feitas? O/A director/a? Dúvido muito que tenham tomado esta decisão sozinhos... ou houve indicação do ME para atropelarem a lei e porem uns professores a inventarem a nota de outros? 

 

 

 

do blog http://www.arlindovsky.net 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:58

 

 

... e depois vêm em Setembro cantar pseudo-vitórias à custa de 10 anos de tempo de serviço que já prestámos?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:45

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:10


Será que percebi bem?

por beatriz j a, em 04.04.18

 

 

O governo e o Ministro do Ambiente expropriaram um terreno em área protegida, contra a vontade e consentimento da proprietária, para atirarem para lá as lamas poluentes da Celtejo que entretanto foi perdoada e nem multa tem que pagar para poder voltar, assim que possível, à poluição do Tejo? E entretanto, nós o povo, é que vamos pagar o tratamento das lamas com que a Celtejo poluiu o rio Tejo? Isto é o princípio do poluidor gozador?

 

Governo toma posse de terreno em área protegida para depositar lamas do Tejo

Esta engenheira florestal enviou então cartas para as várias autoridades do Ambiente e associações ambientalistas denunciando aquilo que classifica como o “culminar de uma postura de privilégio das indústrias de celulose”. “Existe aqui uma oportunidade única para fazer valer os valores ambientais das áreas protegidas. Em vez disso, no culminar do descontrole da fiscalização das descargas para o Tejo, o ministério escolhe a opção mais barata.” Raquel Lopes advoga que as lamas deviam ser colocadas num terreno fora da área protegida, nomeadamente em propriedades das empresas de celulose, com a Celtejo responsável pela emissão de 90% dos efluentes descarregados no rio na região – à cabeça.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:16


As patifarias do senhor Costa

por beatriz j a, em 29.12.17

 

Vim ao hospital levar uma vacina de alergologia e acabo de saber que a consulta das alergias vai deixar de ser comparticipada e que a pópria vacina vai passar de 50 cêntimos para 8 euros e meio! Quer dizer, pago quase 100 euros por mês para a ADSE e cada vez me cobre menos serviços. Qualquer dia não serve para nada... O senhor Costa acha que eu devo pagar às actividades dos partidos políticos e os calotes da banca e as incompetências dos políticos mas que não devo beneficiar de um serviço que pago cada vez mais caro com o meu salário congelado. Que grande patifaria.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:08


no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



edicoespqp.blogs.sapo.pt-Google pagerank,alexa rank,Competitor