Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

Q. How is the academy implicated in or imperiled by this moment of epistemological crisis?

A. The academy is largely itself responsible for its own peril. The retreat of humanists from public life has had enormous consequences for the prestige of humanistic ways of knowing and understanding the world.

Universities have also been complicit in letting sources of federal government funding set the intellectual agenda. The size and growth of majors follows the size of budgets, and unsurprisingly so. After World War II, the demands of the national security state greatly influenced the exciting fields of study. Federal-government funding is still crucial, but now there’s a lot of corporate money. Whole realms of knowing are being brought to the university through commerce.

I don’t expect the university to be a pure place, but there are questions that need to be asked. If we have a public culture that suffers for lack of ability to comprehend other human beings, we shouldn’t be surprised. The resources of institutions of higher learning have gone to teaching students how to engineer problems rather than speak to people.

(entrevista a Jill Lepore  in ‘The Academy Is Largely Itself Responsible for Its Own Peril’)

 

publicado às 06:22


A chatice dos factos

por beatriz j a, em 14.03.17

 

Sete países da UE têm salários mais baixos que em 2009. Portugal está na lista

 

 

Tags:

publicado às 06:32


Coisas boas da UE

por beatriz j a, em 23.02.17

 

 

 
by World Economic Forum

 

publicado às 20:34


Factos - O degelo no Ártico entre 1991 e 2016

por beatriz j a, em 24.11.16

 

 

 

 

 

Tags:

publicado às 18:28

 

 

Factos sobre a 2ª Grande Guerra :

 

  • O Japão bombardeou a china com moscas infectadas com a peste bubónica.
  • O Japão e a Rússia ainda não assinaram um tratado de paz por causa da disputa sobre as ilhas Kuril.
  • Dois milhões de mulheres alemãs entre os 13 e os 70 anos foram violadas pelo Exército Vermelho.
  • Um soldado japonês só se rendeu 29 anos após o fim da guerra, em 1974.
  • O número de chineses mortos por japoneses duarnte a guerra é superior ao número de judeus que morreram no Holocausto.
  • A mesquita de Paris Ajudou judeus a escapar aos nazis dando-lhes cartões de indentidade muçulmanos.
  • A guerra matou 80% dos homens soviéticos nascidos em 1923.
  • Hitler nunca visitou um campo de concentração.
  • Houve um japonês que sobreviveu a Hiroshima e Nagasaki.
  • O sargento Nicholas Alkemade sobreviveu a uma queda de 5.500 metros sem páraquedas, só com uma perna partida.
  • Quando Hitler visitou Paris os franceses cortaram os cabos dos elevadores da Torre Eiffel para ele ter que subir a pé.
  • O refrigerante Fanta surgiu na Alemanha por causa da dificuldade em importar Coca-Cola.
  • Pelo menos 1 milhão de crianças judias foram mortas no holocausto.
  • Em Outubro de 1941 mais de 50 mil judeus foram mortos por tropas Romenas no que ficou conhecido como 'O massacre de Odessa.'
  • Hitler planava recolher milhares de objectos judeus para abrir um 'Museu de Uma Raça Extinta' depois da guerra.
  • O plano de Hitler para Moscovo era matar todas as pessoas e cobrir o local com um lago artificial.
  • Os serviços secretos americanos tentaram pôr hormonas femininas na comida de Hitler para efeminá-lo.
  • Todos os anos são desactivadas 5.500 bombas da 2ª Grande Guerra na Alemanha. Uma média de 15 por dia.
  • Numa das útimas batalhas da guerra, alemães e americanos lutaram juntos contra uma divisão SS na Áustria.
  • Dois médicos polacos salvaram 8.000 judeus fingindo uma epidemia de tifo para impedir os Nazis de entrar na vila.
  • Dachau foi aberto 6 anos do início da guerra.
  • 20% dos polacos morreram durante a guerra.
  • Os japoneses invadiram o Alasca e morreram mais americanos a defendê-lo do que em Pearl Harbor.
  • Na assinatura do tratado de Versalhes o marechal Ferdinand Foch disse, 'isto não é um tratado de paz, é um armistício por 20 anos'. Exactamente 20 anos e 65 dias depois começou a 2ª guerra.
  • Todos os espiões que Hitler pensava ter em Inglaterra eram espiões duplos a trabalhar para Inglaterra.
  • Durante o Blitz a Inglaterra matou todos os animais venenosos do Zoo não fosse ser bombardeado e os animais fugirem.
  • O oficial SS que capturou Anne Frank e a família tornou-se membro dos serviços secretos alemães ocidentais depois do fim da guerra e comprou o livro de Anne Frank para ver se era mencionado.
  • As mortes em Auschwitz foram superiores às baixas americanas e inglesas somadas.

(fonte)

publicado às 20:05


A chatice dos factos

por beatriz j a, em 20.10.15

 

 

 

Escolas caíram para menos de metade desde 2000

Relatório do Governo mostra também queda de docentes muito mais acentuada do que a dos alunos

 

 

publicado às 06:32


Cosa sapete della Grecia?

por beatriz j a, em 01.07.15

 

 

 Cosa sapete della Grecia (fact checking)
 
 

publicado às 23:15


Acerca da relação patrão-trabalhador

por beatriz j a, em 23.05.15

 

 

 

 

 John Holcroft

 

 

Tags:

publicado às 21:11


Os factos

por beatriz j a, em 13.05.15

 

 

Um em cada três professores está à beira do esgotamento

 

Um em cada três professores portugueses sofre de elevados níveis de stress e 37% têm problemas de voz, alertou a Federação Nacional de Educação, que vai lançar uma campanha e exigir que o stress seja considerado doença profissional.

Duas investigadoras da Unidade de Investigação em Psicologia e Saúde, do Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA), inquiriram 800 docentes portugueses e descobriram que 30% tinham níveis elevados de burnout (estado de esgotamento físico e mental provocado pela vida profissional).

"Os professores do ensino secundário apresentam valores mais elevados de stress, exaustão emocional e maior falta de reconhecimento profissional", recorda a FNE, sublinhando que as mulheres também são mais afetadas

Turmas muitos grandes e com muitos alunos e estudantes mal comportados são duas das causas que provocam stress nos docentes, que se queixam dos baixos salários, das condições de trabalho precárias, da grande exigência de tarefas burocráticas, pressão de tempo para o desempenho das tarefas e as exigências na relação com alunos e pais.

Um outro estudo realizado pelo Sindicato de Professores da Zona Norte (SPZN) revelou uma elevada prevalência de problemas de voz.

 

Este ano uma percentagem muito significativa de professores do quadro na casa dos cinquenta anos concorreu para mudar de escola, o que deve ser inédito em toda a história da educação em Portugal... não é preciso ser muito inteligente para perceber o que isso significa...

 

 

publicado às 14:28


Os factos

por beatriz j a, em 26.11.14

 

 

 

OCDE: Portugal diverge sete anos seguidos dos países mais ricos

 

País é classificado como "pobre"" e "desigual"

 

A economia portuguesa vai divergir durante, pelo menos, sete anos consecutivos do grupo das economias mais desenvolvidas do mundo. Em 2016, acontecerá o mesmo em relação à zona euro.

 

O trabalho dos políticos está aí...

 

 

 

Tags:

publicado às 04:14


Se o mundo fosse uma aldeia de 100 pessoas

por beatriz j a, em 18.10.14

 

 

 

via paul-emic

 

 

 

publicado às 20:09


Os factos

por beatriz j a, em 26.07.14

 

 

 

.
Como ninguém gosta do desprezo, a não ser que seja masoquista, percebe-se muito bem por que razão o PSD, o CDS e o Presidente não querem ouvir falar de eleições antecipadas.
publico.pt

 

 

publicado às 13:18


Factos irritantes

por beatriz j a, em 10.07.14

 

 

 

 

 

Tags:

publicado às 08:28


Factos

por beatriz j a, em 15.06.14

 

 

 

 

 

Tags:

publicado às 08:48


Factos

por beatriz j a, em 15.05.14

 

 

 

 

By http://bit.ly/1lh6Qdl

 

· ·

Tags:

publicado às 13:20


Educação: factos e números

por beatriz j a, em 06.05.14

 

 

 

Austeridade nas escolas teve o triplo da dose prevista

 

Cortes na Educação atingiram os 1100 milhões nos últimos três anos. Número de professores e funcionários também desceu e há hoje mais alunos por turma e uma burocracia “brutal” para os directores.

 

A única operação de adição que se faz na Secundária Alberto Sampaio é a do número total de alunos. Nos últimos três anos, todas as restantes contas são de subtrair. Hoje há menos funcionários, menos professores e menos dinheiro disponível. (...)

 

Esta escola de Braga é hoje a sede um dos vários mega-agrupamentos constituídos nos últimos anos no país. À volta da Alberto Sampaio reúnem-se outras nove escolas de todos os ciclos de ensino, numa área geográfica de influência que vai desde o centro de Braga aos limites do concelho vizinho de Guimarães. No ano lectivo 2011/2012, estavam ali inscritos 3309 alunos. Hoje são 3510. O aumento de 200 alunos no agrupamento não foi compensado com a entrada de novos professores. Pelo contrário, em três anos, saíram nove docentes – hoje são 96. Foi assim um pouco por todo o país.

 

No mesmo período, o orçamento para funcionamento do Agrupamento Alberto Sampaio, excluindo os vencimentos, sofreu uma redução de cerca de 480 mil euros. “Isto sente-se claramente no dia-a-dia”, conta Pinto de Matos. A escola foi obrigada a lançar uma campanha de redução de água e energia – da qual os alunos são “fiscais” e tem levado o consumo para recordes históricos – ou a reduzir ao mínimo possível as actividades extracurriculares, como as viagens de estudo, que impliquem um esforço financeiro das famílias, para não as onerar. De resto, “só não ficam por fazer muitas coisas dada a capacidade inventiva que vamos conseguindo ter”.

 

A redução no orçamento da Secundária Alberto Sampaio não permite perceber a escala dos cortes feitos a nível nacional. O memorando de entendimento com a troika previa uma redução de gastos na Educação de 370 milhões de euros para o conjunto dos dois primeiros anos de execução, através “da racionalização da rede escolar, criando agrupamentos”, da “diminuição da necessidade de contratação de recursos humanos” e da “redução e racionalização das transferências para escolas privadas com contratos de associação” (ver caixa), por exemplo. Mas logo no primeiro Orçamento do Estado deste Governo esse impacto foi ultrapassado – menos 404 milhões de euros no total.

 

Em 2014, a tutela inscreveu uma verba de 7956 milhões de euros no orçamento para o sector, menos 1100 milhões do que em 2011, ou seja, praticamente o triplo do corte que estava previsto. “A educação é a área social mais afectada pela austeridade”, avalia Isabel Gregório, presidente da Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (Cnipe), acusando o Governo de ter ido “mais longe do que aquilo que a troika pediu”.

 

Os efeitos destas opções são sentidos pelos estudantes e pelas famílias no dia-a-dia das escolas. “Há agrupamentos onde já não se tira fotocópias por falta de dinheiro. Os professores mandam os trabalhos por email, para os alunos imprimirem em casa, imputando mais um custo às famílias”, denuncia.

 

Para Jorge Ascensão, da Confederação Nacional das Associações de Pais (Confap), a redução do financiamento público é mesmo a principal consequência da austeridade no sector: “O corte dificulta a ideia de uma educação global e inclusiva. Hoje, não existem recursos que permitam trabalhar o estímulo e a aprendizagem, sobretudo dos alunos que não têm grande apoio na retaguarda”.

 

Fecho contínuo de escolas


A diminuição de 1100 milhões fez-se também por via do encerramento de escolas. Nos últimos três anos lectivos, fecharam 612 estabelecimentos de ensino, o que significa, porém, uma desaceleração face à tendência dos anos anterior. Só em 2010/11 tinham deixado de funcionar praticamente 600 escolas e desde 2002 foram mais de 6500 as antigas escolas primárias que desapareceram.

 

Outra redução verificada foi ao nível do pessoal. O número de funcionários não-docentes foi reduzido em mais de 5000 neste período, substituído na sua maioria por beneficiários do subsídio de desemprego, colocados nas escolas ao abrigo dos contratos emprego-inserção. O Governo não divulga números de contratações feitas ao abrigo deste modelo, mas os dirigentes escolares dizem que a prática está “generalizada”.

 

(...)

 

 

Também o número de professores sofreu uma diminuição acentuada ao longo do tempo de aplicação do memorando de entendimento. Em apenas dois anos – os últimos dados oficiais dizem respeito ao ano lectivo 2011/12 – saíram 11 mil professores do sector público (o total fixou-se em 151 mil), consequência do fim de isenções de horário e da diminuição do número de disciplinas, por exemplo, e resultando num aumento do número de alunos por turma.

 

Os professores queixam-se de estar a perder “dignidade profissional”. “Neste momento, os professores só têm tempo para dar aulas, não têm tempo para mais nada”, conta Manuel Pereira, da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE). Aos directores das escolas sobram dois papéis: o primeiro é “trabalhar constantemente” para motivar professores e alunos, o segundo é responder à burocracia.

 

 

O retrato feito pelos dirigentes dos últimos três anos é o de um aumento das obrigações em termos de prestação de contas e pedidos de autorização à tutela. “A pressão burocrática é brutal”, diz Manuel Pereira. “Cada vez mais nos sentimos assoberbados de papelada”, concorda José Pinto de Matos, corrigindo rapidamente: “De papelada não, mas de cliques. Estamos sistematicamente a preencher, muitas vezes repetindo dados, formulários para as entidades diferentes da administração central”.

 

 

Hoje é preciso pedir autorização à Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares para coisas que antes eram competências dos directores, como autorizar uma transferência de alunos ou uma visita de estudo que ultrapasse os três dias. A mensagem de Filinto Lima, dirigente da  Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), também aponta para uma maior centralização. Os últimos anos foram marcados pelas agregações de escolas – em 2010 existiam 1300 unidades organizacionais, hoje são 811. Este processo criou “uma nova estrutura muito complexa, recheada de ineficiências, mas que são difíceis de corrigir”, avalia.

 

 

Esta realidade contrasta com aquele que é apresentado pelo Governo como um dos grandes triunfos do mantado, o aumento dos contratos de autonomia, um objectivo que era referido no memorando. Dos 22 existentes até Maio de 2011, o ensino público passou para um total de 212.

 

 

As escolas têm também aprendido a lidar com as consequências generalizadas da crise. As dificuldades das famílias reflectem-se numa “instabilidade emocional” e no aproveitamento, entende Jorge Ascensão, da Confap. “Há um aumento exponencial de alunos a solicitarem escalão da Acção Social Escolar”, avança Filinto Lima, aumentando os casos de alunos com carências alimentares. Esta realidade poderá redundar num aumento do insucesso escolar, antevê Manuel Pereira. Este retrato não apanha de surpresa o director da Secundária Alberto Sampaio: “O que acontece na sociedade não fica à porta da escola”.

 

 

publicado às 13:46


A Chatice dos factos

por beatriz j a, em 21.04.14

 

 

 

O erro do FMI e o erro de Passos Coelho

.

Às vezes, é preciso olhar para os números para percebermos a gravidade do que se passou em Portugal.

Eis os números da austeridade, quatro anos depois.

 

Em 2010, o PIB português era de 172,8 mil milhões de euros.

Em 2013, deverá rondar os 164 mil milhões de euros.

Ou seja, a austeridade anulou-nos mais de 8 mil milhões de euros de riqueza produzida em Portugal! 

 

Em 2010, a taxa de desemprego portuguesa foi de 10,8.

Em 2013, a taxa de desemprego portugesa deverá ficar pelos 15,8, um aumento de quase 50%.

Quatro anos de austeridade criaram mais 300 mil desempregados do que havia antes.

 

Em 2010, a dívida pública portuguesa rondava os 160 mil milhões de euros, já incluindo aqui muita coisa que na altura não estava contabilizado.

Em 2013, quatro anos depois, a dívida pública portuguesa está em cerca de 230 mil milhões de euros, um aumento de 70 mil milhões de euros!

É este o resultado de quatro anos de austeridade, Portugal tem mais 70 mil milhões de dívida do que tinha!

 

Em 2010, a taxa de juro da dívida portuguesa no mercado secundário era no início do ano de 5,5%.

Em 2013, a taxa de juro da dívida pública portuguesa é no final do ano de 5,8%.

Ou seja, para curar o trágico perigo das dívidas soberanas, estivemos quatro anos em austeridade, e a taxa de juro é agora mais alta do que quando começámos!

 

Domingos Amaral

 

 

Tags:

publicado às 20:12


Factos

por beatriz j a, em 12.12.13

 

 

Nível de vida baixa para 76% da média europeia

... claro que isto deve-se a vivermos acima das possibilidades, termos salários muito elevados e muita gente a precisar de ir para o desemprego...



Tags:

publicado às 10:58


A chatice dos factos

por beatriz j a, em 12.09.13

 

 

 

Não temos funcionários públicos a mais

 

por Daniel Oliveira


publicado às 18:27


A chatice dos factos

por beatriz j a, em 12.09.13

 

 

 

Portugal tem beneficiado “elites económicas” e arrisca-se a ser um dos países mais desiguais

Relatório da organização não governamental Oxfam alerta Europa para os perigos do caminho da austeridade e cita Portugal como exemplo de um país onde os cortes estão a travar o crescimento e a trazer mais pobreza.

 

“Grécia, Portugal e Espanha aplicaram políticas dirigidas a desmantelar os sistemas de negociação colectiva, o que provavelmente se traduzirá no aumento da desigualdade e na queda contínua do valor real dos salários”, lê-se no documento – que refere ainda o aumento o IVA como mais um factor que dificultou o poder de compra no país.


Sobre Portugal é ainda dito que entre 2010 e 2011 a desigualdade nos rendimentos tem beneficiado as “elites económicas”, dando-se como exemplo o crescimento do mercado de bens de luxo, e é dito que após as crises financeiras em geral os mais ricos vêem os seus rendimentos crescer 10% enquanto os mais pobres os perdem na mesma proporção.

 

Para esta organização a União Europeia deve tirar lições de outros períodos de austeridade que foram, por exemplo, vividos em países da América Latina, do Sudeste Asiático ou de África durante as décadas de 1980 e 1990, para evitar cair nos mesmos erros.

 

 

publicado às 17:20


no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics