Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

 

... este e os outros que o antecederam. Querem professores motivados, críticos, autónomos, indutores de criatividade, responsabilidade, reflexão, rigor, espírito democrático cívico, respeitadores da diversidade, defensores da argumentação em vez da imposição, etc.. Querem que estes professores sejam, ao mesmo tempo, cumpridores de todos os dictates do ME, submissos às ordens, apáticos, não reflexivos, resignados ovelhamente convictamente à ausência de organização democrática das escolas, resignados aos abusos governamentais, rresignados a uma situação de burocratas de ocasião, resignados à continua difamação pelos governantes, resignados a uma profissão maltratada sobrecarregada e mal paga... 

 

Não se pode ter as duas coisas ao mesmo tempo. Um professor não pode entrar dentro da sala de aula e ter espírito crítico, democrático, autónomo, etc. e, assim que sai da sala de aula, transformar-se numa amiba maleável submissa para agradar ao governo e sujeitar-se às suas imposições ideológicas.

 

Os primeiros nunca serão ovelhas que balem ao sabor das ideologias governamentais e os segundos, por o serem, nunca serão bons professores a não ser no sentido prejurativo em que obrigam os alunos, como vêem que lhes fazem, a decorar  submissamente informações, técnicas e procedimentos e os transformam em papagueadores das autoridades.

 

Decidam-se.

 

publicado às 05:41


#Mantradodiadehoje

por beatriz j a, em 04.02.17

 

 

 

 

publicado às 06:59


Qual é o fim da educação?

por beatriz j a, em 26.10.16

 

 

In Pursuit of the Beautiful Soul

In the 17th and 18th centuries, Bildung was defined as education, or, more precisely, the rigorous cultivation of one’s intellect and self. Education in this sense has a rich, holistic meaning: a poetic process of intellectual, spiritual, and cultural development that conjoins advancement of one’s own faculties with the objective of contributing to the commonweal. Bildung was ultimately an aesthetic ideal focused on developing human capacities, knowledge and culture. Similarly, the concept of die Schöne Seele, entailed a rigorous pursuit of personal cultivation to create a convergence of the individual aesthetic impulse with a collective, ethical ideal. The Beautiful Soul was a virtuous soul, one that possessed a sense of justice, pursued wisdom, and practiced benevolence through an aestheticized proclivity for the Good. Together they may be defined as the sensory-aesthetic cultivation of one’s intellectual, moral, and imaginative faculties for the purpose of self-realization, cultural refinement and collective human flourishing.

 

At the core of Bildung and die Schöne Seele was the idea that the individual possessed an innate cognitive potential. When stimulated by the right environmental and educational conditions, personal desire, and self-directed action, this latent potentiality could be realized, much like a dormant seed induced to blossom. The realization of individual potential demanded engaged, rigorous, and sustained activity directed at a purposeful end that contributed to society. Such activity was a process, but also a disposition of the spirit that could be cultivated, stimulated by a genuine motivation to pursue knowledge for its own sake and for its contribution to humanity.

 

 

Tags:

publicado às 04:45

 

 

 

 

 

 

publicado às 08:25

 

 

 

Can a $1M global teacher competition (backed by Clinton) boost profession?

 

For those interested, the competition is open to teachers around the globe who work in “compulsory schooling” in “every kind of school.” Anybody can nominate a teacher, and a teacher can nominate himself/herself, with specific application requirements, which can be found at globalteacherprize.org. The winner will be announced in Dubai in March 2015 at an education and skills forum.

 

The criteria, according to the release: continuar a ler

 

 

A Fundação do Bill Clinton quer instituir uma espécie de Nobel da Educação para incentivar a profissão que tão mal tratada anda, pelo mundo fora, como se vê pelo âmbito do prémio.

 

É claro que pode dizer-se que a/o melhor professor/a do mundo não existe mas também não existe o melhor químico ou o melhor escritor ou o melhor físico, etc. e não é por isso que o prémio Nobel deixa de ser-lhes atribuído e de ter prestígio. Na verdade é uma maneira de incentivar e reconhecer o trabalho dessas pessoas. Logo, porque não reconhecer o trabalho absolutamente fundamental, embora não visível, dos professores com um prémio que dê visibilidade positiva à profissão? Bem precisa.

 

 

publicado às 21:53


Não posso esquecer de lembrar...

por beatriz j a, em 21.10.13

 

 

 

 

Não posso esquecer de lembrar que a minha profissão é linda. Apesar de todos os que a tentam denegrir, todos os que a tentam destruir, todos os que a pervertem, todos os que dela se usam como instrumento das suas ambições de pequena vassalagem.

Não posso esquecer de lembrar que os alunos são pessoas vivas, plásticas e em crescimento que precisam de professores vivos, assertivos, positivos e estimulantes. Professores que ensinem, que aprendam, que discutam, que orientem, que eduquem.

Não posso esquecer de lembrar que uma mente escrava só forma escravos.

Não posso esquecer de lembrar que em geral gosto bastante dos meus alunos e que sinto ser-lhes útil a eles e à sociedade que conta connosco para passarmos o testemunho da civilização. Fazer filhos também as bestas os fazem, o difícil é ajudá-los a crescer bem para uma vida digna e útil.

Toda a História é uma odisseia e este planeta é o nosso barco.

Não posso esquecer de lembrar que os que ensinam são os que garantem a continuação da viagem. São eles que ensinam os ofícios: das leis, da medicina, disto e daquilo e de tudo o que nos mantém na viagem. Sem educação estaríamos despidos das roupas da civilização como se vê em certas zonas do mundo onde metade das pessoas vivem a destruir e a matar a outra metade, numa miséria sem nome.

Não posso esquecer de lembrar, nunca confundir a hipocrisia com cortesia.

Não posso esquecer de lembrar que a mentira e a falsidade dos outros diminuem-nos a eles, não a mim.

Não posso esquecer de lembrar que o prazer da minha profissão não vem do dinheiro ou de elogios e que não devo esperar nada a não ser a alegria interior do dever cumprido, da satisfação de ver os adolescentes crescer como pessoas humanas e dos muitos amigos que me ficam para a vida.

Não me posso esquecer de lembrar que tenho a profissão escolhida pela maioria daqueles que mais admiro -os filósofos- que viam nela a esperança da pessoa humana.

Não posso esquecer de lembrar que não devo perder tempo nem azedar por causa do que é pequeno e mesquinho, que um professor é uma pessoa, entre alunos que também são pessoas e que, no plano global de Cronos, o destino de uns é o destino de outros, não há tempo a perder e, é com esse horizonte em mente que devo traballhar.

 

publicado às 17:05


Educação não é uniformização

por beatriz j a, em 05.06.13

 

 

 
Improve your English on FB: www.fb.com/EnglishIF

publicado às 16:10


Educar

por beatriz j a, em 31.05.13

 

 

 

 

A educação é, também, onde decidimos se amamos nossas crianças o bastante para não expulsá-las de nosso mundo e abandoná-las aos seus próprios recursos e tampouco arrancar de suas mãos a oportunidade de empreender alguma coisa nova e imprevista para nós, preparando-as em vez disso com antecedência para a tarefa de renovar o mundo comum.

 

Hannah Arendt

 

Tags:

publicado às 04:42


o propósito da educação

por beatriz j a, em 14.03.13

 

 

 

 

Tags:

publicado às 16:11


conferência sobre 'o valor de educar'

por beatriz j a, em 11.10.10

 

 

 

 

 

Amanhã vou ouvir o Fernando Savater nesta conferência sobre a educação. Estou expectante porque ele é uma das poucas pessoas deste tempo a falar lucidamente sobre o tema. Ou não fosse ele filósofo.

O Savater tem imensos textos e livros de Filosofia orientados para os adolescentes e jovens muito bons.

Veremos o que ele diz.

 

publicado às 18:43


no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics