Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Está um belíssimo dia triste de Inverno

por beatriz j a, em 27.02.18

 

 

Já choveu bem. Agora cai uma chuva miudinha. Como são necessários, sem serem bons, estes dias mordacentos... músicas tristes que arrastam para as zonas mais sombrias, âncoras que desdobram rapidamente as correntes até pousar no solo fundo... ¿como perceber a luz se nunca se viveu a sombra... ou não fossem, a luz e as trevas, um dos dez pares da tábua dos opostos, princípios de toda a realidade, segundo Pitágoras, que segundo se conta, terá sido o primeiro a usar o termo, Filosofia.

 

DSC00205.JPG

 

publicado às 17:17


Horizonte cinzento

por beatriz j a, em 26.03.17

 

 

 

Vou de par com este tempo

solzinho murcho

horizonte cinzento

imitando o poeta

também hoje chovo por dentro

 

bja

 

Tags:

publicado às 19:08


Isto já cansa

por beatriz j a, em 14.05.16

 

 

 

 

 

publicado às 16:07


Setúbal em Maio...

por beatriz j a, em 07.05.16

 

 

 

 do Ricardo Oliveira

 

 

publicado às 22:41


Chuva

por beatriz j a, em 09.10.15

 

 

 

 

 

 

 

 

Tags:

publicado às 23:06


Mau tempo

por beatriz j a, em 16.08.15

 

 

 

Há muitos anos que não me lembro duma semana tão mázinha de tempo no Algarve - ou está encoberto e caem pingos de chuva ou descobre um bocadinho e o vento é de 500 quilómetros à hora ou a água está tão fria que parece picaretas... 

Hoje, à volta da praia, vinha um casal francês à minha frente a falar que tinham ido à agência porque tinham uma promoção que garantia férias com sol ou o dinheiro de volta mas quando foram pedir o dinheiro não tiveram sorte nenhuma. Claro... seria o mesmo que o Socas devolver o recheio da casa que o paquistanês pagou...

A única coisa boa disto é que farto-me de ler uma vez que a internet também está enevoada.

 

 

publicado às 19:37


Um dia de chuva

por beatriz j a, em 13.10.14

 

 

 

 

 

 

Um Dia de Chuva

 

Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol.
Ambos existem; cada um como é.

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"

 

 

publicado às 21:45


aqui chove imenso

por beatriz j a, em 20.05.14

 

 

 

Tenho que ir fazer um teste... apetece imenso...

 

 

publicado às 20:06


Dove gli occhi si chiudono

por beatriz j a, em 09.03.14

 

 

 

 

 

 

Dove gli occhi si chiudono; dove il tempo
fa echeggiare il nicchio del silenzio;
dove il chiaro deliquio si dissolve
nell’aroma dei nardi e del sesso;
dove gli arti son lacci,e le bocche
non respirano,ansano frementi;
dove le dita tracciano altre orbite
per lo spazio dei corpi e delle stelle;
dove la breve agonia; dove la pelle
si fonde nel sudore; dove l’amore.

- José Saramago

 

 

publicado às 22:16


mais logo escrevo um mar para este poema

por beatriz j a, em 24.05.13

 

 

 

 

 

from cleancanvass

transf0rmer:aqua-rius:fearlings:i can always sit and watch the way the rain hits the waters surfacei could watch this foreveri can hear it in my head. lovely.

publicado às 05:34


Abril, águas mil

por beatriz j a, em 05.04.13

 

 

 

 

 

rosedelsol:nevertakesamsfashionadvice:therothwoman:that is fuckin animated rain what the hellthis is miyazaki rain, which means that every frame was hand-drawnThis is art,

 

 

 

Balada da Chuva


(JG de Araujo Jorge)

A tarde se embaça: - um pingo, outro pingo
respinga um respingo de encontro à vidraça;
um pingo, outro pingo, e a chuva aumentando
e eu nada distingo,- respinga um respingo
tinindo, cantando de encontro à vidraça

A noite esta baça e a chuva enervante
batendo, batendo, constante, cantante
de encontro à vidraça

A terra se alaga o céu se nevoa,
e a chuva é uma vaga fininha, descendo,
parece garoa!
parece fumaça!
- e as águas subindo e as poças subindo
e a chuva descendo e a chuva não passa!

O dia surgindo, manhã turva e baça.
A chuva fininha miudinha, miudinha,
parece farinha lá fora caindo,
através da vidraça.

 

(...)

 

Tags:

publicado às 05:07


Mais um dia

por beatriz j a, em 09.10.12

 

 

 

 

Albert Hui

Tags:

publicado às 08:18


Limpar a poeira

por beatriz j a, em 23.09.12

 

 

 

 

Já fazia falta, a chuva, para limpar a poeira. Quando éramos miúdos e a escola começava no dia a seguir à República, os primeiros dias molhados de Setembro eram uma espécie de lembrete antecipado do fim das férias e do início do ano escolar. Lembro-me exactamente dessa sensação pesada de despedida porque então um ano demorava muito tempo a passar e a ideia do próximo Verão era uma miragem muito longínqua. Agora, gosto desses dias de anunciação de estação.

Hoje é um dia de trabalho. E de cozinhar também, que está a apetecer-me :)

 

 

Tags:

publicado às 09:32


Neste dia

por beatriz j a, em 30.03.12

 

 

 

 

 

Tags:

publicado às 09:35


Vem aí chuva

por beatriz j a, em 12.03.12

 

 

 

 

Estou a ouvir o amola-tesouras...

 

 

 

Tags:

publicado às 17:06


Finalmente chove

por beatriz j a, em 26.01.12

 

 

 

 

 

 

 

 

Finalmente chove

alguém deixou o coração

no pavimento abandonado

pétalas rubras no chão

rosa de um fulgôr sepultado.

 

bja

 

publicado às 17:10


A rainy day

por beatriz j a, em 13.11.11

 

 

 

 

Leonid Afremov

 

publicado às 08:03


vai para aqui um temporal...

por beatriz j a, em 06.05.11

 

 

Chuva, vento e desconforto.

 

publicado às 22:05


trovoada e chuva parte II

por beatriz j a, em 18.04.11

 

 

 

 

setúbal

 

publicado às 19:36


dia enguiçado

por beatriz j a, em 15.02.11

 

 

 

A escola inundou. Fui para a escola com o lado esquerdo da cara cheio de dores por causa duma otite. Cheguei lá encharcada porque os passeios de Setúbal formam covas com lagos onde inevitavelmente acabamos por pôr os pés...cheguei à escola e dei de caras com rios de lama. Chovia copiosamente no polivalente e no refeitório. Um caos de carros à porta da escola, de alunos a voltar para trás porque nem dava para passar para as salas de aulas. tive de vir a casa mudar de roupa...

Aquela escola, se não houvesse obras qualquer dia caía de podre.

 

publicado às 16:16


no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics