Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Será que estou a ler mal?

por beatriz j a, em 15.09.18

 

 

Esta professora escreveu um livro sobre um projecto na sua escola e o ministério encomendou-lhe a escrita da reforma da flexibilidade curricular? Esta reforma é isso? O projecto de uma professora num agrupamento? Com  que pressuposto? Se resulta para a escola x resulta para todos? Ou estou a ler mal?

 

E lê-se o artigo, escrito em modo, 'a pequena sereia' (o agrupamento é excepcional e os professores e alunos estão sempre entusiasmados e vão para a escola quais passarinhos esvoaçantes com sede de conhecimento... mas alguém engole que a realidade é um filme da Disney? Enfim...) e parece que há ali uma invenção mas não há. 

 

Na realidade já se fazem e sempre se fizeram, nas escolas, projectos de interdisciplinaridade [ali dão-lhe outro nome]. Hoje em dia menos pela simples razão de que os programas são muito extensos, se um professor não o der será o professor do ano seguinte a ter que dar o seu programa e o resto do anterior com aulas suplementares, os alunos vão a exame e, levar a cabo projectos interdisciplinares custas muitas aulas.

 

Ora, entre fazer interdisciplinaridade e cumprir o programa e preparar os alunos para o exame, uma pessoa escolhe cumprir os seus deveres. Porque tudo isto é muito lindo mas no fim do ano fazem uma listagem nacional vertical dos alunos e das escolas em rankings com as notas dos exames e categorizam as escolas e os professores como bons e maus a partir disso, sendo que os alunos que falharem os exames, têm a vida adiada, o que talvez não custe à equipa da tutela mas custa-lhes a eles, aos pais e a nós.

 

A solução encontrada de retirar um quarto das aulas para projectos é uma não-solução porque depois é o professor que tem que se arranjar para dar o programa. E não, as apendizagens essenciais não resolveram nada: há casos em que tornam os programas mais extensos e outros em que os tornam incoerentes porque apenas se limitaram a tirar-lhe pedaços. Mais valia que tivesse pensado programas novos com pés e cabeça.

 

Até mesmo variar avaliação custa muitas aulas. Uma turma tem 30 alunos. Pomos os alunos a trabalhar em grupo sobre sub-temas de uma unidade. Temos que tirar, pelo menos uma aula para ver o andamento do trabalho dos grupos e se precisam de ajuda para além do apoio que em todas aulas vai acompanhando o que fazem, à custa do tempo de aula.

 

Depois, um bloco de aulas de 90 minutos não chega para todos os grupos apresentarem/discutirem, etc., os trabalhos, de modo que têm que ser duas. Portanto, para avaliar desta maneira são precisas três aulas.

A avaliação de trabalhos com apresentação oral, com comentário crítico à parte escrita e à prestação oral de cada elemento e do grupo implica o dobro do trabalho que é requerido para classificar testes. Uma turma de 30 alunos leva-me 4 a 5 horas a classificar. Uma turma de trabalhos leva-me dois a três dias de trabalho de 5 horas cada (tempo não lectivo), porque é preciso escrever considerações para os alunos saberem o que correu bem e o que correu mal e possam aprender com a experiência.

 

Uma pessoa varia a avaliação mas sempre dentro dos limites de poder cumprir o programa e garantir que os alunos compreendem o que estão a dar. A informação hoje em dia é mais complexa e requer compreensão dos processos. Há muita coisa que requer trabalho de concentração em continuidade. Não se pode passar o tempo a variar só para ser giro.

Não admira que a maioria dos professores que têm programas extensos e alunos a ir a exame acabem por fazer, sobretudo, testes com a estrutura de exame.

 

E isto dá menos trabalho que pôr os alunos a fazer uma exposição de trabalhos desenvolvidos num projecto prático ou a fazer um projecto interdisciplinar que implica reuniões entre todos. 

 

E um professor tem outros trabalhos na escola, não se limita a dar aulas. Por exemplo, dá aulas de apoio/explicações a alunos com dificuldades de várias ordens. O ministério recusa considerar esses aulas, aulas, e chama-lhe actividades não lectivas, mas são-no e requerem materiais e trabalho diferente daquele que é desenvolvido com a turma inteira. Dá um trabalhão preparar aulas para certo tipo de dificuldades.

 

No entanto, tudo isto sempre se fez e faz, só que hoje em dia, desde que estamos atolados em turmas e em burocracias, faz-se muito menos do que se fazia. Aqui há um par de anos, inspirada pela, Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem' de 1948, propus os alunos escrever uma carta dos Deveres Humanos a partir do tema da Ética. Depois fizeram cartazes, uns sozinhos outros com a professora de artes e fizémos uma exposição. Foi giro, eles gostaram de fazer aquilo e tiveram uma aprendizagem diferente mas deu um trabalhão e roubou imensas aulas. Imensas. E isto nem sequer é uma coisa complicada como fazer projectos de robótica ou coisas que impliquem visitas de estudo, por exemplo.

 

Ora, em vez de nos darem mais tempo, menos turmas, menos alunos e menos burocracia, é tudo ao contrário: mais turmas, mais burocracia, mais alunos. Como não dão condições para o trabalho, antes pelo contrário, quer dizer, as metodologias em vez de tornarem eficaz e aliviarem ainda emperram mais o trabalho, e como vem aí mais papelada e relatórios e cada colaboração mete intervenção de não sei quantas equipas e cada uma com seu relatório e reuniões... que roubam horas e horas, nada disto vai vingar a não ser aquilo que de qualquer modo já se fazia sem comprometer o trabalho.

 

Só era preciso melhorar o que havia. Mas não. Quiseram parecer que inventavam algo com linguagem nova e tudo. E depois fazem estes artigos a descobrir a pólvora já descoberta. 

 

"Os alunos não gostam que as aulas sejam sempre iguais." É desta forma que a directora de agrupamento de Escolas de Alcanena e autora do livro Guia da Autonomia e Flexibilidade Curricular defende as vantagens deste programa.

 

 

No livro, com vários exemplos práticos, como unir físico-química e matemática para trabalhar de forma integrada o que é o consumo eléctrico, "estatísticas discretas e contínuas". De que forma? Estudar qual é o consumo eléctrico da sua família durante uma semana? Até pode ser integrada a componente tecnologia, como o uso de telemóveis nas aulas.

 

O sucesso deste projecto piloto foi tal que o Ministério da Educação alargou-o a todas as escolas, através dos Decretos Leis da Educação Inclusiva e da Flexibilidade Curricular, que o queiram aplicar. Ainda não se sabe quantas escolas vão aderir, mas Ana Cláudia Cohen defende que este programa permite reinventar a sala de aula e que no seu agrupamento o número de turmas neste projecto vai este ano duplicar

 

Como surgiu a oportunidade de escrever o Guia da Autonomia e Flexibilidade Curricular?
Eu já tinha escrito dois livros sobre a Avaliação de Desempenho Docente. Os laços com algumas pessoas com quem tinha trabalhado ficaram. Surgiu o convite e aceitei-o, no pressuposto de que este guia pretende desconstruir e articular os documentos e legislação que enformam o projecto, dando respostas concretas a públicos diferentes (director; professor; director de turma; professor bibliotecário; equipa de autoavaliação; conselho pedagógico e conselho geral), não apenas através da descrição de etapas e dos papéis de cada um, mas muito concretamente através de sugestões de tomada de decisão para os diferentes atores.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:43



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog