Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Piropos

por beatriz j a, em 31.12.15

 

 

 

A quantidade de homens que andam por aí a insurgir-se, em twits, blogs, no FB e em comentários dos artigos de jornais, contra a lei que criminaliza os piropos... uns dizem que há coisas mais importantes em que pensar e nisso imitam os iranianos e árabes que dizem que a questão das mulheres terem que andar todas tapadas não é uma prioridade (os direitos humanos dos outros nunca são uma prioridade...); outros argumentam que onde é que já se viu uma rapariga ou uma mulher incomodar-se por ser abordada constantemente por homens desconhecidos, mais ou menos repulsivos, que lhe fazem o favor de dizer-lhe, várias vezes ao dia, os seus anseios, hábitos e preferências sexuais pormenorizadamente.

No seu imenso narcisismo, acreditam que tratar as mulheres como coisas sexuais é um grande prazer para elas e não estão dispostos a abdicar dum hábito que alegra as suas tristes vidinhas. Portanto não entendem essa proibição dos machos perseguirem raparigas/mulheres dos 12 aos 72 anos com as suas bocas ordinárias e vão continuar a abordar as mulheres, sempre que lhes apetecer, com esses piropos pois só as feias, as gordas e as feministas é que não gostam de piropos...

Outro dia a passar à porta duma escola aqui do burgo, assisti à seguinte cena: uma professora vinha a sair e um tipo que ia a passar diz-lhe em voz bem alta, 'se fosse teu aluno andava sempre teso e lambia-te toda'. Os alunos que iam a sair atrás dela começaram a rir-se... a professora deve ter-se sentido muito lisonjeada...

 

 

publicado às 16:23


12 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 31.12.2015 às 18:46

Ok os piropos são chatos para as mulheres eu compreendo isso, mas agora explique-me uma coisa, basta fazer queixa as autoridades e o caso vai logo para o ministério público ou têm a lesada que avançar ela com a queixa em tribunal? Pois porque se for a última opção mais valia estarem quietos porque os custos da justiça são brutais. E os piropos só irão terminar no dia em que respeite as mulheres como iguais e isso na nossa cultura ainda está um pouco longe de acontecer
Imagem de perfil

De beatriz j a a 31.12.2015 às 20:03

Chato? Chato é perder o autocarro. Os piropos são ofensivos e tendo em conta que começamos a ouvi-los aos 11 anos (ou menos) e de tipos com a idade dos nossos avós, ainda são repugnantes.
Imagino que a esmagadora maioria desses casos nunca chegue a tribunal mas haver uma lei que o proíbe manda uma mensagem muito clara aos homens que este não é um comportamento normal, não é uma tradição ou um costume, não é um direito de machos, é assédio. Num país com uma tradição de banalizar a violência doméstica, a violência no namoro e até de culpar as próprias vítimas, parece-me muito bem pensado e feito que o legislador envie esta mensagem clara à sociedade.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.01.2016 às 05:21

Peço imensa desculpa ter usado o termo chato, não é de facto o termo mais correcto para descrever a questão dos piropos, ou melhor do assédio. A mensagem do legislador até pode ser uma mensagem clara dirigida a esse tipos de homens que utilizam essa linguagem obscena, mas se a justiça não actuar de nada serve essa mensagem, haverá sempre aquela sensação de impunidade e eles lá continuarão achar-se os reis da cocada.
Em relação a violência doméstica não há nada a dizer a acto tão verosímil do que espero que passem o máximo possível na prisão e de que o estado actue na protecção à vítima antes de ser tarde demais.
Imagem de perfil

De beatriz j a a 01.01.2016 às 10:51

Acho muito importante que se passe esta mensagem porque muitos dos indivíduos que importunam as mulheres com piropos não têm noção de que isso é assédio, acham tudo muito normal e esta lei é como um sinal de trânsito, um proibido, impossível de ignorar, na estradas das relações entre as pessoas.

Não são só as mulheres que sofrem com isso, embora sejam a esmagadora maioria.
Um amigo contou-me um dia que a vida dele na escola foi um inferno porque o rapaz é muito bonito e as professoras (e alguns professores) constantemente lhe mandavam piropos em frente dos colegas, nas aulas. Disse-me que teve uma professora que o mandava ao quadro sempre com bocas do género, 'hoje quem vai ao quadro é o ..... que ele hoje vem espectacular', 'você hoje vem muito giro' e tocava-lhe na cabeça, quando passava por entre as filas... e tudo assim e nunca levava a sério nada que ele dizia ou fazia. Ele disse aos pais mas os pais disseram-lhe para não ser maricas e que tinha era muita sorte. Disse-me que teve que aprender a defender-se e a ficar menos interessante para ser levado a sério. Ora, isto de ser tratado como coisa sexual e não ser levado a sério, é o pão nosso de cada dia de tantas e tantas mulheres...

O assédio não acontece só na rua, acontece no local de estudo e de trabalho e com esta lei, nesses casos, os que fazem assédio arriscam-se a perder o trabalho se a pessoa fizer uma queixa de modo que parece-me uma boa lei.

É verdade que temos que começar por educar os miúdos, em casa e na escola, para se respeitarem enquanto pessoas mas, se a própria Justiça não se pronunciasse sobre este assédio, o trabalho seria muito mais difícil de fazer.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.01.2016 às 14:29

Espero mesmo que esta lei faça um pouco de luz nas cabeças ocas deste tipo de personagens e que percebam que estão perante um sinal de stop. Um amigo contou-lhe o assédio que sofreu?! Eu por acaso tive a oportunidade de assistir nos longínquos anos 90 à minha professora de português em acção com todos os rapazes que se tivessem dentro do seu conceito de beleza, por isso tenho um pouco a noção do que ele sofreu.
Em relação às mulheres serem levadas a sério e não serem vistas como objectos sexuais, na minha modesta opinião ainda vai levar décadas a inverter esta situação.
Não quero dizer com isto que, esta lei, e as pessoas que se batem pela igualdade como a senhora não o façam porque tem sempre que haver um ponto de partida, mas como está na moda dizer no mundo dos economistas o problema não é conjuntural mas sim estrutural da sociedade. E como bem referiu é necessário começar em casa e na escola educar os jovens para esta questão em particular.
Para não a maçar mais, quero agradecer ter debatido este assunto comigo, e desejar a si e a sua família um feliz 2016.
Imagem de perfil

De beatriz j a a 01.01.2016 às 15:30

Obrigada eu, pelo comentário. Bom ano para si também!
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.01.2016 às 16:16

http://expresso.sapo.pt/blogues/2016-01-01-Enchia-te-toda-de-leite, aqui está um artigo bem feito sobre o tema
Imagem de perfil

De beatriz j a a 01.01.2016 às 16:34

Obrigada pelo link. Não sabia desse tipo ter dito isso de já agora violar mulheres para ir de barriga cheia. Falta de parvos é o que não há...
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.01.2016 às 16:42

Pois o Rui até têm algumas coisas com piada, mas noutras abusa e de que maneira, o que foi o caso aqui!
Imagem de perfil

De beatriz j a a 01.01.2016 às 16:49

Pois, eu se tivesse no FB um 'amigo' que fizesse esse tipo de piada desamigava-o logo.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 01.01.2016 às 17:25

Diz que desamigava logo do facebook , isso é fácil!!!! Agora diga-me o que fazer quando convive diariamente no trabalho com gajos que não podem ver mulher bela e as vezes raparigas que começam logo as piadas?!
Se vai dizer chamar atenção já o fiz, ficam logo é a olhar para mim como se eu fosse gay ou viesse doutro planeta! !!!!!!!!!!
Imagem de perfil

De beatriz j a a 01.01.2016 às 18:07

Pois, calculo que sim, mas uma pessoa pode sempre não fazer esse tipo de coisas, mesmo que não ande a chamar a atenção de outros. Se cada um que não acha bem não o fizer cada vez são menos os que o fazem porque acho que muitos têm esse tipo de comportamentos para não ficarem mal vistos e para se enturmarem com os outros.

Comentar post



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics