Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Pensamentos de dois melréis - pensar

por beatriz j a, em 31.01.18

 

 

Morre-se intrinsecamente ou morre-se instrumentalmente?

Se a natureza do ser humano é pensar (entendendo-se por pensar o discorrer, o sentir, o imaginar, o calcular, etc.) então, a vida humana cessa quando cessa o pensamento, mesmo que certos mecanismos autónomos funcionem; mas se a natureza do ser humano, como a de qualquer organismo vivo, é interagir com o meio, então o pensamento tem apenas valor instrumental e não intrínseco e a vida cessa quando o pensamento, embora possa continuar a existir minimamente, já não consegue interagir com o meio.

[problema: é por isso que as pessoas muito introvertidas, as que passam muito mais tempo a interagir com o meio interno que com o externo, são vistas como estranhas, pouco humanas, insensíveis?]

Li algures que nos EUA, há Estados onde se morre instrinsecamente e há Estados onde se morre instrumentalmente. Podemos levar um doente de um hospital onde estava morto, para outro hospital onde ainda está vivo. A morte não é um conceito médico, científico mas, uma escolha axiológica de fundamento filosófico.

 

publicado às 04:45


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics