Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

... acerca dos desvios e erros de vício que se vão instalando e onde nos levarão. Este artigo é um bom exemplo de questionamento sobre o modo como os poderes, que se dizem herdeiros dos ideais de Abril e os usam ao peito na lapela, talvez mais por vaidade ou auto-indulgência que por convicção, os atraiçoam nos seus fundamentos ao exercerem o poder.

 

O medo da greve livre

Paulo Mota Pinto

 

Alguns dos protestos que Portugal tem vivido nos últimos meses deram origem a curiosas críticas feitas por parte de analistas e de políticos, maioritariamente situados à Esquerda. Diz-se que se trata de movimentos e de protestos ditos "inorgânicos". Quer com isso dizer-se que não são controlados politicamente, ou por nenhuma central sindical - isto é, são independentes e não sob obediência de nenhuma motivação política ou ideológica. Limitam-se a pretender defender os interesses dos trabalhadores em causa.

 

Trata-se de críticas curiosas, só verdadeiramente veiculáveis no contexto português. O panorama sindical em Portugal é há muito dominado pela ligação das centrais sindicais a partidos políticos. E com muitos casos de comunhão de dirigentes e total alinhamento de posições. Nalguns casos, perante a perda de adesão ao partido, há mesmo quem se interrogue se não é já a central sindical que é "correia de transmissão" do partido, mas antes o inverso que se verifica.

 

 

A situação de controlo dos trabalhadores por apenas alguns sindicatos, e destes por partidos políticos - mesmo não tendo chegado a vingar a tentativa de imposição de "unicidade" sindical" - tem certamente várias explicações, históricas, políticas e sociais. E, provavelmente, não tem só efeitos negativos.

 

Mas os instrumentos de luta dos trabalhadores, e as suas formas de organização coletiva existem para a defesa de interesses laborais, e não para ser instrumentalizados para posições de partidos políticos. Por isso, não é aceitável o medo de que os trabalhadores possam expressar e defender livremente os seus interesses - como passaram a poder fazer em consequência do 25 de Abril 1974. O medo de que atuem sem controlo por partidos que pretendem ser seus donos. Em vez do medo da greve livre, o que deve repudiar-se é antes o controlo do protesto laboral por partidos políticos que querem ser donos (e monopolistas) dos trabalhadores e seus interesses.

 

O medo da greve e do movimento sindical livre não é, na realidade, mais do que o medo de perda do controlo e do poder sobre os interesses dos trabalhadores, e da possibilidade de os instrumentalizar para os seus próprios fins políticos e partidários. Mas quando a atuação desses partidos políticos se traduz no aval ao prolongamento e aprofundamento da austeridade (encapotada), e à constante degradação dos serviços e bens públicos ao dispor dos mais desfavorecidos, esse é o resultado inevitável.

 

publicado às 08:52


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Manuela a 25.04.2019 às 13:19

No dia em que se comemora o 25 de Abril é preciso denunciar um convite feito a uma ex-colaboradora da secretária de Américo Tomás para ir, a uma escola, falar de como era a vida antes do Dia
da Liberdade....e porque não convidar a viúva de um PIDE ou de um legionário?
Imagem de perfil

De beatriz j a a 25.04.2019 às 13:30

isso foi onde? e qual foi a explicação para esse convite? sabes?
Sem imagem de perfil

De Manuela a 25.04.2019 às 13:50

Não vou revelar o nome da escola.
A pessoa convidada ainda não se manifestou em relação ao convite e espero que tenha o bom senso de o declinar.
O argumento que me foi apresentado foi o de que gostavam de ter alguém a falar de como era a vida antes do 25 de Abril....nem se aperceberam bem, acho eu(ou quero acreditar nisso), que estavam a fazer algo badtante absurdo....até acho que a Direção da escola nem sabe desta iniciativa.....
Espero que o bom senso impere!
Sem imagem de perfil

De Manuela a 25.04.2019 às 13:51

bastante
Imagem de perfil

De beatriz j a a 25.04.2019 às 16:02

Pois, tudo depende do contexto e do objectivo desse testemunho. Pode não ser uma tentativa de passar uma esponja sobre os abusos da ditadura. Pode ser um testemunho de quem estava por dentro das decisões do regime e sabia como as coisas era feitas. Isso seria interessante saber.

Comentar post



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics