Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

IMG_2852.jpeg

 

Uma colega emprestou-me ontem este livro e como ia dar um teste à turma a seguir aproveitei e li metade do livro enquanto eles faziam o teste. Lê-se muito bem, quer dizer, com proveito, sobretudo se temos referências literárias -os clássicos- e políticas -os dissidentes- russas, porque compreendemos o alcance das suas preocupações e contradições.

 

O livro recolhe depoimentos e impressões de russos de várias idades e épocas, pré e pós Estaline e pré e pós Gorbachev. Mostra o povo russo profundamente dividido quanto ao que o presente fez do seu passado.

O que os une é a desilusão do presente e a busca de um sentido. Uns lamentam a desilusão da Liberdade. Pensavam que depois de Gorbachev nada seria como dantes e em pouco tempo viram uma nova espécie de ditadura regressar e tirar o sentido a essa esperança.

Os mais velhos lamentam que os sacrifícios que fizeram, muitos tendo sido presos e torturados, tenham sido para nada, quer dizer, para a Rússia se tranformar num grande mercado de consumo. Dantes buscavam a justiça, agora buscam o último telemóvel... esses preferiam o tempo de Estaline porque pelo menos aí os russos tinham uma alma, uma identidade e uma força no mundo. Têm vergonha de terem sobrevivido às torturas bárbaras de que foram alvo como se fosse uma espécie de egoísmo supremo o corpo ter-se recusado a morrer.

 

Na verdade, nem uns nem outros sabem bem o que fazer da História do seu país: se ter orgulho, se ter vergonha, se lembrar, se esquecer... os mais velhos não querem não ser comunistas porque isso parece-lhes uma confissão de inutilidade de vida, quer dizer, qual o sentido da luta de uma vida inteira contra o capitalismo se agora se submetem aos seus ideais que vêem como fúteis?

 

É triste, tantas gerações desperdiçadas em guerras, em perseguições, em torturas, em Gulags... tantas vidas interrompidas, tanto talento desperdiçado, tudo por causa de meia dúzia de predadores que chegaram ao poder... e no fim deixar as pessoas meio perdidas na sua História. É triste. Triste, mesmo.

Muito interessante, o livro.

 

IMG_2850.jpeg

 

publicado às 20:21


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics