Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Filmes do Costa-Gavras - Betrayed

por beatriz j a, em 30.08.15

 

 

Outro grande filme. Sobre as raízes do racismo e daquela mentalidade provinciana americana em geral. Pouco valorizado, talvez por ter uma abordagem não demagógica nem populista. Tem uma única cena violenta com um indivíduo negro. Acho que é o único filme que conheço que aborda o tema no sentido de compreender o racismo e o fanatismo intolerante na sua génese e não apenas de o explorar nas suas manifestações de violência com 'os bons e os maus' como fazem os outros. Aliás, o filme é tão bom a compreender a origem do ódio extremista que podia ser sobre a homofobia ou o sexismo ou a intolerância religiosa, por exemplo.

 

Passa-se no Iowa. O FBI pensa que um grupo de extremistas de lá anda a matar judeus, negros e gays e manda uma agente infiltrar-se para descobrir. A agente estabelece ligação com o principal suspeito e a história desenvolve-se a partir daí. O principal suspeito é o personagem principal do filme, o individuo que é traído por todos: pelo amigo, pelo governo, pelo banco e, no fim, por ela. Faz parte dum grupo de gente (tipicos americanos de classe baixa) que perdeu os pais/filhos no Vietnam, as quintas para os bancos e multinacionais, descrê do governo e das leis que os tramam sempre e a quem vêem como inimigos a abater numa guerra patriota. Esses grupos atraem os frustrados da vida que querem vingança e psicopatas à procura de license to kill.

 

Confiam numa interpretação provinciana da Bíblia e nas armas e treinam os filhos, desde que nascem, nas duas coisas. Educam os filhos entre os discursos dos padres sobre as tradições, a ordem patrialcal, o diabo, os judeus, a SIDA, os polícias negros, o juízo final, por um lado e, por outro, a ideia de uma Terra Prometida aos justos, que são eles, claro.

Desde que nascem que são inculcados com estas ideias e práticas de modo que é o que acham normal. Crescem a odiar os gays, negros e os judeus e a acreditar que não são seres humanos mas alvos inimigos a abater.

 

São pessoas contraditórias. O filme é bom nisso de mostrar-nos as contradições das pessoas: como pessoas inteligentes são capazes de actos estúpidos, como pessoas afectuosas são capazes de actos de enorme violência e ódio. E como inventam sempre desculpas, pseudo-justificações, racionalizações, para o mal que fazem.

 

Ela, a agente infiltrada, está dividida entre ele, por quem se apaixona, de início, e os filhos dele, de quem gosta e o FBI, que não hesita em matar todos os que quer tirar do caminho e que usa as pessoas como coisas. Ninguém é inocente, a não ser as crianças e as vítimas que morrem às mãos destes grupos de fanáticos. 

 

Um filme que nos põe a pensar e que ensina alguma coisa sobre as consequências das sociedades corruptas, cheias de desigualdades, guetos e injustiças sociais e a importância da educação humanista na formação de sociedades tolerantes e inclusivas. 

 

Os actores excelentes, desde os dois principais protagonistas até às crianças. Um filme excelente. Acaba mal, claro. Deixa-nos um amargo de boca pela tristeza que é ver seres humanos com enorme potencial decente tornarem-se indecentes sem remissão. É sempre mais fácil pensar que os maus são completamente maus e os bons são completamente bons. Mas a realidade raramente é assim. 

 

 

 

 

publicado às 01:15


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics