Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

Tim Oates acerca do 'conto de fadas finlandês'

 

Tim Oates diz várias vezes que é preciso cuidado com aquilo a que damos crédito sem reflexão. Isso aplica-se a ele próprio. Ele é professor em Cambridge, "num departamento onde não se ensina: o Cambridge Assessment é a maior agência dedicada à pesquisa sobre avaliação na Europa."

 

Durante os anos Thatcher houve grandes cortes nas Universidades e os administradores resolveram cortar nos cursos e matérias e surgiu a ideia de fazerem 'centros de excelência'. Estes centros, que estavam na moda, eram grandes escolas que cobriam tão excelentemente o estudo de certas matérias que dispensavam que outras universidades tivessem esses departamentos. A Física toda era estudada em Manchester, a economia na LSE, etc. Ora, as escolas/universidades têm culturas próprias e ao concentrar-se assim todo o estudo numa só escola perdeu-se a diversidade de culturas que enriquece as discussões e fomenta a qualidade. Por conseguinte, é preciso ter alguma prudência com as palavras deste especialista.

 

Dito isto, estou de acordo com muito do que ele diz, a começar pelo cuidado com a autonomia nos currículos para não acontecer o que está a acontecer aqui que é o Director sózinho decidir e dizer mesmo, 'este ano tirei 50% do tempo curricular da História, para o ano vou tirar na disciplina x e dá-lo à y', ou seja os alunos e os professores estão à mercê das experimentações dos directores e seus galambas.

 

Também concordo com a questão da avaliação ser muito importante para os alunos saberem se estão a progredir e como; ainda concordo com a coerência que tem de haver entre os conteúdos, os métodos e as pedagogias: temos sempre de ser claros acerca do objectivo que queremos que seja atingido e não o perder de vista; ajudar imediatamente os alunos que ficam para trás; ter currículos adequados aos tempos senão os professores escolhem o que dar e cada um escolhe o que quer, sendo que os alunos depois vão fazer os mesmos exames, ter boas condições e bons materiais. E, claro, ter bons professores, ficando por esclarecer, ao certo, que qualidades tem um bom professor que o torna tal.

 

Não estou de acordo com o projecto de passar toda a gente de qualquer maneira, mesmo que tenham 500 faltas e processos diciplinares. Penso que isso é uma ofensa aos alunos, é uma visão miserabilista das possibilidades das pessoas. Nem todos os alunos serão bons em algumas matérias e a maioria nem gosta de estudar mas todos têm margem de progresso e não precisam de ser tratados como estúpidos. Estou de acordo em que se trabalhe para se evitar os chumbos.

 

Agora, isto é tudo muito bonito em condições ideais e não nas condições que temos aqui no país: excesso de alunos por turma, excesso de turmas, excesso de burocracia, gestão anti-democrática e outros problemas que impedem um trabalho sério. Professores desmotivados, desvalorizados e caluniados... enquanto não levarem a educação a sério todas as palavras acerca de melhorá-la são 'contos de fadas'.

 

Esta equipa cometeu erros grosseiros nos currículos que são agora pedaços de matérias, por vezes contraditórios com os programas em vigor e demasiado extensos; desprezo pelos conhecimentos e excessiva valorização dos aspectos formais (como se uns viessem sem outros, descontextualizados),  com possibilidade de o director retirar grande parte do tempo de aula semanal de uma disciplina, passagens em qualquer condição; desvalorização da avaliação; desconfiança visceral dos professores; complicação das regras de apoio a alunos; tempos infindáveis desperdiçados a fazer coisas que não têm rendimento...erros mesmo grosseiros mas, são tão arrogantes que não arredam pé. As coisas estão contraditórias, desgarradas e incoerentes.

 

publicado às 11:40


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Manuela a 06.03.2019 às 19:37

Eu acho que o pior de tudo é o excesso de justificações para tudo o que se quer fazer. Não quero com isto dizer que cada um toque o que sabe mas, há um excesso de burocracia e eduquês. Basta ver as atas dos Conselhos de Turma. É de fugir!
E, last but not least, a desmotivação dos professores....não se admite que um professor no topo da carreira ganhe 2000€.....não pode ser! Um professor que trabalhou 40 anos ou mais não pode ganhar SÓ isto! É uma afronta!
Tal como é uma afronta que professores dos primeiros escalões ganheu 1000 e poucos euros. Num país onde uma renda de casa, nos grandes centros urbanos, é de mais de 600 €!
Imagem de perfil

De beatriz j a a 06.03.2019 às 19:48

20 e tal mil milhões para a banca e seus gestores não deixam nada para mais ninguém.
Sem imagem de perfil

De Manuela a 06.03.2019 às 19:38

ganhem

Comentar post



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics