Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Acerca dos exames e das provas de aferição

por beatriz j a, em 14.01.16

 

 

 

 

«O ministério de Tiago Brandão Rodrigues não se limitou a regressar atrás no tempo, também decidiu inovar ao anunciar que vai antecipar a realização de provas de aferição para os 2.º, 5.º e 8.º anos. Ou seja, os exames do 4.º e 6.º anos não se realizarão, mas também não serão substituídos por provas de aferição (estas não contam para a nota final), conforme recomendado pelo Conselho Nacional de Educação, nesta quinta-feira.

À semelhança dos exames, a realização das provas de aferição continuará também a ser obrigatória e com carácter universal. São elaboradas por um organismo central externo às escolas e o mesmo enunciado é apresentado a todos os alunos dos anos de escolaridade em causa. A justificação para que estas provas não sejam realizadas em final de ciclo (4.º e 6.º ano), mas a meio é porque assim as escolas podem “agir atempadamente sobre as dificuldades detetadas” nos alunos. (…)

Segundo o ministério, no final deste ano letivo realizar-se-ão duas provas no 2.º ano de escolaridade, uma de Português e outra de Matemática, mas “apresentando as duas uma componente de Estudo do Meio”. No ano seguinte, 2016/2017, a tutela promete que “a aferição já incluirá a área das Expressões”.

Nos 5.º e 8.º anos de escolaridade, as provas que se realizarão em 2016 serão ainda só às disciplinas de Português e Matemática. Já a partir do próximo ano lectivo passarão a incidir “rotativamente, sobre outras áreas do currículo”, indica ainda o comunicado do ME.

Quanto ao 9.º ano, desaparece o teste de Inglês, que nem sequer é mencionado na nota do Ministério da Educação, e continuarão a realizar-se exames nacionais às disciplinas de Português e de Matemática, “no regime em que decorrem desde 2005”(…).» (In: www.publico.pt, 8 de janeiro de 2016).

 

Não vejo razão para tanta celeuma à volta destas medidas que me parecem positivas. 

 

1. Não há nenhum estudo em lado algum que indique, nem que seja a título de tendência haver benefícios de se sujeitarem os alunos a exames em idades precoces e, mesmos os exames que se fazem mais tarde, são necessários para se poder certificar alunos (atestar que concluiram com normalidade e aproveitamento o ciclo de estudos obrigatório) e/ou ordená-los hierarquicamente com vista às entradas no ensino superior onde não cabem todos nas opções desejadas. Na realidade, a esmagadora dos países que vão à frente nestes rankings não os têm.

 

2. Há uma diferença entre provas de aferição e exames dado que as primeiras não excluem e as segundas sim, mesmo que excluam poucos mas isso em idades tão pequenas tem um peso negativo muito grande.

 

3. Uma vez que os exames excluem e têm peso grande na nota, existe a tendência a moldar os conteúdos de modo a que as aulas sejam mais um treino de passar exames que uma aprendizagem pedagógica, ainda mais com a competição que forjaram à volta dos exames. Por exemplo, na disciplina de Filosofia, um grande número de Manuais à venda já nem se dá ao trabalho de trazer todos os conteúdos obrigatórios do programa, antes traz apenas os que são objecto de avaliação em exame e já estruturados no modo como saem no exame. É como um receituário preparado para um momento artificial. Como todos sabemos, nos colégios particulares desprezam-se os alunos que não se prevê terem potencial de exame e empurram-se para fora. Não é este o objectivo da educação.

Provas de aferição, se feitas e avaliadas com o mesmo rigor e universalidade que os exames permitem avaliar melhor se os alunos estão preparados e atingiram as metas num contexto não artificial, como é o das aulas planeadas com o único intuito de passar exames e, desse modo, permitem avaliar os professores também. 

 

4. Não sei porque foram introduzidas estas provas no segundo ano mas calculo que se deva a que os alunos que por essa altura não aprenderam ou aprenderam mal a linguagem escrita e a arimética passam a acumular erros e defeitos que se transportam para os anos seguintes, sendo que, se apanhados a tempo, podem ainda ser corrigidos.

 

 

publicado às 05:24


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics