Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




 

 

Tolstói, nascido em 1828 e morto em 1910, nasceu na nobreza russa, numa família que possuía uma enorme propriedade e centenas de servos. A sua vida como jovem conde foi espalhafatosa, debochada e violenta.

"Matei homens em guerras e desafiei outros para duelos com o propósito de os matar. Perdi dinheiro no jogo, consumi o trabalho dos camponeses, condenei-os a castigos, vivi sem freio e enganei pessoas...assim vivi por dez anos"

Mas Tolstói gradualmente afastou-se da sua decadência, do seu estilo dissoluto de vida e rejeitou as crenças da sua educação aristocrática, adoptando uma perspectiva de vida não convencional e radical que chocou os seus pares. 

 

7 conselhos sobre a arte de viver - cortesia de Tolstói

 

1. Mantenha uma mente aberta

Uma das virtudes de Tolstói era a capacidade e disponibilidade para mudar a sua mente a partir de novas experiências. A matança horrível que testemunhou na Guerra da Crimeia em 1850 fez dele um pacifista. Em 1857, depois de ver uma execução pública pela guilhotina, em Paris (nunca mais esqueceu o baque da cabeça cortada ao cair no cesto) tornou-se num convicto opositor do Estado e das suas Leis, acreditando que os governos, não só eram brutais mas, essencialmente, serviam os interesses dos ricos e dos poderosos. "O Estado é uma conspiração", escreveu a um amigo, "Por consequência, nunca servirei nenhum governo". Tolstói estava a caminho de tornar-se um anarquista e foi o primeiro a encorajar-nos a questionar as crenças fundamentais com que crescemos.

 

2. Pratique a empatia

Tolstói tinha uma invulgar capacidade de empatia, de pôr-se no lugar de pessoas com vidas muito diferentes da sua. Em 1860, não só adoptou o modo de vestir camponês mas começou a trabalhar ao lado dos camponenses recentemente emancipados da sua propriedade, trabalhando os campos e reparando as suas casas, com as suas próprias mãos. Gostava da companhia dos camponeses e conscientemente evitou as elites literárias e aristocráticas das cidades. Acreditava que não podemos compreender realmente a vida dos outros sem lhes provar o gosto.

 

3. Faça a diferença

Era activo no aliviar do sofrimento alheio, sobretudo no combate contra a fome. Em 1873 interrompeu Anna Karenina durante um ano para organizar ajuda para os famintos: "Não posso afastar-me dos vivos para me preocupar com os imaginários". A família e os amigos pensaram que estava maluco. Voltou a fazê-lo na grande fome de 1891, durante dois anos.

 

4. Domine a arte da vida simples

Depois de um esgotamento nervoso no final de 1870, Tolstói rejeitou toda a religião, incluindo a Igreja Ortodoxa onde tinha sido educado. Adoptou um ramo revolucionário do Cristianismo baseado nas espiritual e material austeridades. Deixou de beber, deixou de fumar e tornou-se vegetariano. Inspirou a criação de comunidades utópicas de vida simples, auto-suficiente onde a propriedade era comum. Estas comunidades 'Tolstoianas' espalharam-se pelo mundo e levaram Ghandi a fundar uma ashram em 1910 ao qual chamou A Quinta de Tolstói.

 

5. Esteja consciente das suas contradições

Esta sua nova maneira simples de viver não estava isenta de contradições. Apesar de pregar o amor universal estava constantemente em conflito com a sua mulher. Sendo um apóstolo da igualdade nunca abdicou da sua riqueza e privilégios. Viveu sempre numa grande casa com muitos empregados. No entanto, em 1890, contra a vontade da família, abdicou duma enorme parte dos seus direitos de autor, sacrificando uma fortuna. Tendo em conta a posição priviligiada com que Tolstói iniciou a vida, a sua transformação, mesmo que não tenha sido completa, é digna de admiração.

 

6. Torne-se um artesão

Para Tolstói, o equilíbrio entre a mente e o corpo era parte essencial da sua criatividade. Não apenas regularmente pousava a pena e ia puxar um cavalo de arado pelos campos como mantinha uma foice e uma serra perto da sua escrivaninha. Nos últimos anos, quando jornalistas e escritores o visitavam, ficavam surpreendidos de vê-lo com ferramentas de sapateiro a fazer um par de botas.

 

7. Expanda o seu círculo social

A melhor maneira de desafiar os nossos preconceitos e desenvolver novas maneiras de ver o mundo é rodearmo-nos de pessoas com visões e estilos de vida diferentes dos nossos. Na obra Ressurreição ele diz que a maioria das pessoas"instintivamente mantém-se no círculo daquelas que partilham os seus pontos de vista". Por isso, acham perfeitamente normal e justificável, por exemplo, ter duas casas, oporem-se ao casamento de pessoas do mesmo sexo ou bombardear países no Médio Oriente. Não vêem a injustiça dessas posições porque vivem fechados em círculos com os mesmos pontos de vista. O desafio está em passar tempo com aqueles cujos valores e experiências contrastam com os nossos: viajar para além dos perímetros do nosso círculo.

 

 Adaptado daqui: The secret to a happy life - courtesy of Tolstoy

 

publicado às 21:17


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics