Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Tempos Sombrios

por beatriz j a, em 10.04.09

 

 

 

 

do Timesonline de 7 de Abril www.timesonline.co.uk/tol/life_and_style/education/article6054192.ece

(tradução minha)

Censura Estatal Ameaça A Educação

por Alexandra Frean

 

"Os professores avisaram do incremento das tentativas assustadoras de censura estatal à medida que os políticos tentam definir o conteúdo básico dos exames em Inglaterra, ao ponto de quererem indicar quais os poemas individuais que poderão ser incluídos nas Antologias.

O alarme surgiu pela primeira vez no ano passado quando um grupo de MPs (deputados) pressionou a mais importante Comissão de Exames da Grã-Bretanha a remover dum exame um poema da poeta de renome mundial, Carol Ann Duffy, por conter referências a crime de arma branca.

Os deputados tentam agora ter o poder legal de controlar os conteúdos das qualificações.

(...) Delegados da Conferência Anual de Professores e Leitores reunidos em Liverpool disseramm que não cabe aos políticos «armarem-se em Deus» com os currículos da escolas e ditar conteúdos com esse detalhe.

Teresa Dawes, uma professora de inglês, (...) disse: «A ideia de qualquer político determinar que parte da História ou da Ciência as crianças devem aprender ou que livros devem estudar é arrepiante e assustadora - mais um passo para o '1984' de Orwell.

(...) Dawes disse ainda que a pressão dos deputados no ano passado para retirar o poema de Carol Ann Duffy era particularmente preocupante porque mostrava que os políticos não tinham percebido o poema.

Começa assim: "Hoje vou matar alguma coisa. Seja o que for./Estou farto de ser ignorado/ e hoje vou fazer de Deus". Descreve a frustração de um jovem desempregado e infeliz na escola, bem como a sua frustração e desânimo em termos de perspectivas e acaba com ele a ferver numa raiva inarticulada a correr para a rua armado com uma faca.

O poema não é uma glorificação à violência - pelo contrário - é um poema pro-educação e contra a violência - uma crítica social e política que procura compreender as razões dos comportamentos anti-sociais.

Esta nova lei que permite a deputados controlar o conteúdo de exames públicos - disse - mata o juízo profissional e a autonomia pedagógica dos professores. (...)"

 

 

Tempos sombrios por essa Europa que já foi defensora da elevação da Civilização pela Autonomia, Cidadania, Participação.

Tal como cá, também em Inglaterra, políticos espertalhões especialistas em montanhismo social mas ignorantes, gente inculta e não educada, cuja leitura se reduz a revistas e pouco mais, com tendências de ditadorzecos a fazer lembrar a mulher do Ceausesco da Roménia (tristemente executada na véspera de Natal) que dava a si própria títulos de Especialista em Ciências e abria museus para lá se pendurar numa parede qualquer.

A censura na Educação sempre foi prelúdio de ditadura.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:06


1 comentário

Sem imagem de perfil

De maria cecilia a 22.04.2009 às 00:45

Por causa de razões dessas radicadas na ignorância, tempos houve em que adulteraram ( será que se pode dizer "adulteraram"?) as histórias/ contos e na Branca de Neve a madrasta já não era má, talvez, quiçá tivesse apenas uma perspectiva diferente. O lobo do Capuchinho Vermelho de mau nem tinha ligeira sombra e, entrava em diálogo ameno com a dita Capuchinho e sua avó que, a bem dizer, era mais uma amiga mais velha; e todos discutiam sobre os variados papéis que desempenhavam no mundo, tudo numa perspectiva da tolerância, dE espírito de abertura ao outro e de compreensão da alteridade.
E o Adamastor nos Lusíadas, não deveria ser tirado?
Que tal uns romances policiais sem crimes, tipo "Poirot resolve problema de palavras cruzadas "onde também não podem surgir palavras como "morte","freeport","autista"( segundo informaçao recente),"corrupção","robalo","cavala","luvas"...

Comentar post



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics