Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Clubes de Cavalheiros

por beatriz j a, em 28.02.08

 

 

Li há bocado num jornal que os líderes muçulmanos guineenses estão revoltados pela mera possibilidade de o parlamento local aprovar uma lei que impeça, doravante, a mutilação das mulheres. Consideram uma grande afronta ao Islão sagrado não poder continuar a mutilar mulheres. No ano passado, só em Bissau, foram mutiladas mais de quatro mil raparigas para agradar à religião muçulmana.

Isto diz muito sobre a religião. Metade do planeta anda em guerra, milhões de crianças morrem à fome, outras raptadas e vendidas como escravas; o planeta em risco por causa da degradação ambiental que mata e deixa na pobreza milhões por esse mundo fora. Por todo o lado a exploração do homem pelo homem. E, a crer nos líderes muçulmanos, Deus está preocupado é com o facto de os homens não poderem continuar a ordenar a mutilação das mulheres.

Que uma religião possa ter como ideal a mutilação de outros seres humanos mostra bem que o objectivo de muitas religiões não é a salvação da alma, não é a prática do bem, não é a difusão da paz e da tolerância mas apenas e somente a ganância do poder sobre os seus semelhantes; neste caso o gáudio de condenar mulheres à submissão por via da mutilação.

É claro que todos estes senhores assinaram ou assinariam a declaração universal dos direitos do Homem. Mas levam a coisa tão à letra que excluem as mulheres da humanidade.

As religiões, em geral, parecem não ser mais que clubes de cavalheiros onde as mulheres são bem-vindas apenas para tratar daqueles assuntos como arranjar as flores e fazer bolos para as festas.

Quem são estas pessoas que se dão a si próprias o poder de decidir que alguém pode ser  mutilado? E como é que os governos as ouvem? Porque é que não são procuradas pela justiça mundial com mandado de captura? O que é que as leva a pensar que estão à parte dos seres humanos de tal modo que não precisam de se comportar como seres humanos? Desde quando é que ser carrasco é bom para o mundo, para a paz ou para outra coisa qualquer?

Porque é que as mulheres todas não abandonam, pura e simplesmente, uma religião que ignora os seus interesses, os seus anseios, os seus direitos, e que tem como objectivo «sagrado» mutilá-las?

Se existe mesmo um Deus, espero que toda esta horda de carrascos mutiladores e hipócritas venha a ter o castigo que merece.

 

 
(publicado originalmente no Libertismo)

publicado às 19:54


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics