Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





sou um bocado agressiva?

por beatriz j a, em 29.12.09


Professores. O que está na última proposta do governo (jornal i)

Mas o documento de 11 páginas redigido pelo gabinete do secretário de Estado adjunto e da Educação, Alexandre Ventura, abre a porta à negociação com os sindicatos.


A maioria dos dirigentes sindicais só está à espera da última ronda para pedir um prolongamento das negociações. Ou então recomeçar a guerra nas escolas e nas ruas.

 

O que está na proposta é péssimo. Continua a castigar os que mais trabalham para não deixar matar a escola. Agora até cria um corpo de professores/inspectores dos colegas, corpos inúteis cuja única missão é chatear os colegas e gerar a revolta pela injustiça.

Aqui há dois anos atrás, quando a outra ministra ia de vento em popa com o apoio de tudo quanto era político, numa reunião em que se falava da avaliação e de ter de se fazer portfolios e aulas assistidas e entrevistas e tudo, uma colega perguntou à coordenadora: mas como é que é isso? Há momentos de avaliação fora das aulas para avaliar do trabalho extra-curricular? A resposta da coodenadora foi: o avaliando (repare-se que já não é o colega) deve considerar-se sempre em observação de avaliação desde que entra na escola até que sai. Pois, pois...vai ser assim...desde que entramos na escola que somos perseguidos por ex-colegas, agora uma espécie de inúteis inspectores dos seus ex-pares. Que serão, concerteza, os agora titulares, isto é, em regra, não os melhores, mas os mais sebosos, como é costume nestas coisas. Isto é tudo tão revoltante e estúpido e inibidor da qualidade do ensino...

Como não é possível que as equipas do ministério não saibam e não percebam que este sistema é um caminho de destruição do ensino público, só podemos concluir que é esse mesmo o objectivo.

Espero que os sindicatos não peçam prolongamento de negociações, porque isto não tem nada a ver com negociações.

Aliás, ao fim de um mês o ministério ter apresentado uma proposta contrária à resolução aprovada no parlamento que pedia a pacificação das escolas, a alteração dum sistema de avaliação injusto, a abolição da diferença entre professores, etc., e depois dizer que está aberto a negociações(?) mostra bem que este governo não dá importância à Assembleia e muito menos aos professores.

Uma das minhas irmãs dizia-me este Natal que eu sou muito agressiva a escrever quando me ponho a falar do primeiro ministro e da ministra da educação e dessa gente toda. Mas como é que é possível ser de outro modo face ao que se passa em frente do nosso nariz? Como é possível assistir à perversão de todos os sistemas, à proliferação de incompetentes nos cargos, ao espéctáculo da corrupção pelos mesmos que vêm dizer aos outros que têm de apertar o cinto, e por aí fora? Devemos fingir que nada disto nos afecta? Que não faz mal a injustiça ser tão gritante e tão devastadora? Destruidora do país? Que não faz mal o Sócrates atirar o país para a ruína e depois ir de férias com os filhos (que não andam na escola pública que ele destruiu) para a neve?

Só quem não está nas escolas todos os dias é que não vê a degradação diária das coisas. Em tudo.

Como é que se pode assistir a estas coisas crescerem por todo o lado e ficar impassível? Eu não sei como é que isso se faz. E francamente não sei se queria ser assim.

 

 

publicado às 13:13



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics