Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Agora - Hipátia de Alexandria

por beatriz j a, em 25.12.09

 

 

 

 

 

Fui ver o filme Agora sobre a Hipátia de Alexandria.

Algumas coisas estão muito boas: o carácter filosófico dela, visível no modo como pega num problema e o persegue até encontrar resposta e como cada resposta leva a novas questões e como fica absorta e obsessiva na procura dessa verdade, de tal modo que mesmo no meio de conturbação social e de perigo de vida, a sua prioridade é a procura do conhecimento e da compreensão.

No filme o temperamento filosófico dela recai sobre o movimento dos astros em órbita e nos cálculos matemáticos dessas revoluções celestes.

A relação que ela tem com o escravo que até ao fim a ajuda nos cálculos e nas experiências também revela muito bem o carácter filosófico dela, pois é típico dos filósofos admirarem e respeitarem o mérito, o valor, a racionalidade e a inteligência em detrimento das convenções sociais, das hierarquias, estatutos, profissões, cargos e títulos.

O filme também é bom no modo como consegue apanhar a transição da idade romana clássica  que valorizava o rigor da razão para a época cristã medieval crédula, ignorante e obscurantista. O jovem escravo dela que oscila dubiamente entre um mundo e outro mostra isso muito bem. Depois, a crueldade dos tempos incivilizados e a destruição de séculos de conhecimento numa nesga de tempo que é simbolizada pelo ataque violento à biblioteca de Alexandria e ao que ela representa.

O fim do filme falseia o que se sabe da morte dela: foi torturada por uma turba de cristãos que não aceitavam que uma mulher fosse mais inteligente que eles, arrancaram-lhe a pele ainda viva, desmembraram-na sem piedade. Mas até esse fim falseado é uma metáfora acerca do fim duma época de liberdade de pensamento e de tolerância pela dissidência do pensar, representada na piedade com que o jovem escravo a mata para a poupar à crueldade ignorante dos homens.

Os seus carrascos foram promovidos a doutores da igreja. Ela, que preservou os antigos do esquecimento e inventou as prequelas matemáticas do renascimento, foi atirada para a oubliette do tempo pelos homens que tanto ódio têm ao conhecimento livre em geral e às mulheres em particular.

Faz pensar porque certas partes do planeta estão nesse obscurantismo e outras, como a Europa, para lá caminham a passos largos.

 

 

publicado às 21:24


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics