Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





A educação e o poder

por beatriz j a, em 27.11.08

 

 

A tentação de manipular a edução para a por ao serviço do poder vem de longe, como se sabe.

Não foi Sócrates (o filósofo, entenda-se) condenado à morte exactamente por querer que a educação formasse jovens capazes, autónomos, responsáveis e livres, coisa que não agradava ao poder elitista da época?

Não foi toda a Idade Média marcada pela instrumentalização da educação? Não foi Galileu proibido de ensinar depois de ameaçado pela Inquisição, porque defendia que se pusesse a razão no lugar da fé?

Não teve Descartes que sair de França para poder investigar em liberdade sem que lhe acontecesse o mesmo que a Galileu?

Que fez o regime nazi? Queimou os livros que não se submetiam à lógica do poder e decretou o ensino da ideologia nacional-socialista. E o que se lia e ensinava na União Soviética? Tudo o que confirmava o Futuro Radioso da Humanidade, naturalmente.

Não estavam os negros afastados da educação nos Estados Unidos, para que não pudessem aceder à cidadania e continuassem a alimentar o fausto da elite?

Que fazem hoje os muçulmanos nos países que lideram? Restringem o acesso das mulheres à educação para poderem continuar a escravizá-las e reduzem grande parte da educação à aprendizagem da teologia e do direito religioso nas madrasas.

O processo de instrumentalização da educação começa, evidentemente, com a subordinação dos educadores à lógica do poder uma vez que são estes os instrumentos da vontade do poder.

O que acontece quando os educadores não se revêem na lógica do poder e entendem a educação como um meio de promover a autonomia, a democratização, a liberdade e o crescimento de um povo? Aqueles pequenos pormenores que estão escritos na Constituição da República? Resistem.

É justamente nesse ponto que nos encontramos. De um lado, um poder medíocre, ignorante e míope que tenta alastrar a sua miopia a toda a sociedade; do outro, uma classe de professores que ainda sabe, ou lembra, do tempo em que a educação só existia para que o povo domesticado servisse bem os patrões.

Já os filósofos gregos tinham percebido que, embora quem governe pense que está a ser muito esperto ao arrecadar para si e para os seus, os bens de todos, na verdade está a mostrar grande pobreza de espírito: essas acções têm um efeito de boomerang, já que, ao empobrecerem a polis empobrecem-se também a si próprios e aos seus filhos, e aos filhos de seus filhos, que nela crescem e vivem.

Os senhores que tentam calar o povo devem o seu conforto às ideias e à luta de Galileu em defesa da Ciência e da liberdade de investigação, não aos gananciosos ignorantes da Inquisição que o tentaram calar.

É por isso que resistimos.

 

 

publicado às 14:37


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics