Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]





Fazer quartos no navio Sagres

por beatriz j a, em 30.06.11

 

 

 

 

 

 

É semelhante aos que faziam os antigos navegadores, porque este é um navio sem os meios modernos de navegação. Desde logo não têm motor, andam à vela, de modo que precisam de muitos braços para lidar com aquele cordame todo que mantém as velas içadas. Têm geradores só para terem frigoríficos e outras pequenas comodidades que os antigos não tinham. Mas os perigos do mar são enfrentados a braços, com mestria, inteligência e destreza. São duzentos dentro daquele barco que trabalham ao som de setenta e sete apitos.

Estive a ver um documentário que acompanha uma viagem de dez meses na Sagres. Uma coisa que vemos é a maneira como mantêm os indivíduos em boas relações uns com os outros naquele espeaço exíguo durante tanto tempo. O principal recurso é a rotina do trabalho físico. Levam trezentos litros de Solarine e todos os dias, parte do dia é destinado a manter brilhante o latão, a lavar os pisos, reparar as cordas, pintar madeiras, enfim, cansá-los com tarefas de manutenção que os mantem ocupados e cansados na dose certa (faz-me lembrar as técnicas que uso com as turmas de Desporto - mantê-los ocupados com tarefas grande parte da aula). Depois têm outras coisas organizadas, claro, como jogos, etc.

Fascinante uma viagem assim. Um pouco como recuar nos tempos.

Por onde passa a marinha portuguesa deixa uma impressão positiva e vê-los neste navio lindo e imponente dá-no um certo orgulho do nosso passado.

 

publicado às 10:17


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Edicoespqp.blogs.sapo.pt statistics