Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Educação - primeira nota

por beatriz j a, em 13.07.17

 

 

... antes que venha aí a prisão da classificação da segunda fase dos exames porque assim que entrar de férias vou tirar a escola da cabeça. 

 

'Metadiálogos' de Gregory Bateson é um dos meus livros preferidos e uso-me muito dele para certas aulas. São sete pequeninos diálogos entre um pai e uma filha, acerca de temas complexos, abordados de um modo extraordinariamente simples e elucidativo. Um dos que mais gosto é sobre o conceito de entropia e começa com a filha a perguntar ao pai, Papá, porque é que as coisas se desarrumam? (quem o quiser ler pode fazê-lo aqui).

 

Lembro-me sempre dele à conta das reformas da educação: é que na educação, é muito difícil construir e muito fácil destruir e, de há muitos anos para cá, de cada vez que se mexe, desarruma-se um pouco mais. Agora vem ai um grande desarrumo curricular. As escolas passam a definir 25% do currículo, no ensino básico, de certas disciplinas, a sua carga horária e até podem 'inventar' disciplinas. Isso seria muito bem não fosse o sistema directivo que está em vigor desde a Rodrigues. Um sistema indutor de vícios.

 

O que vai passar-se é o seguinte:

- as disciplinas com reforço vão ser aquelas que são objecto de avaliação externa e usadas como específicas para os cursos: Português, Matemática e História. 

- A disciplina de Educação Cívica vai ser o que foi no passado: um tempo morto e inútil (como já foi no passado) que os directores vão usar para dar horários a pessoas à sua escolha (como já foi no passado). Educação Cívica devia ser uma prática de todas as disciplinas e da escola enquanto organização, associadas a uma ética de trabalho da qual os alunos aprenderiam por modelagem social e uma prática diária da vida quotidiana escolar e não uma disciplina à parte.

- Os 25% do currículo bem como as disciplinas que pode introduzir-se vão servir para dar horas aos amigos do chefe em projectos sem utilidade para alunos ou, até, que os prejudicam, como agora acontece.

- Entretanto as disciplinas que ficam desfalcadas de 25% do tempo, vão cumprir programas como e quando? Todos que sabem como as coisas são feitas nas escolas, as 'ideias', as experiências e achismos que por lá grassam, a ausência de colaboração entre professores, os amigos e os outros, etc, só podem assutar-se com mais esta -quadragésima?- reforma educativa.

 

O problema de se arrumar a partir de um conhecimento meramente conceptual das estruturas está em assumir uma certa ordem que não é correcta e acabar por desarrumar o que estava arrumado sem nenhum ganho. Um pouco como os médicos de há uns séculos que assumiam, conceptualmente, que se passavam certas dinâmicas no corpo e sangravam as pessoas até à morte, com a melhor das intenções. É assim que na educação se vai destruindo irresponsavelmente, o que levou muito tempo a construir.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:45

 

 

Albardar os exames à vontade do dono?

 

Nessa conferência, o presidente do Conselho Científico do Iave afirmou que o Ministério da Educação (MEC) tem feito “a encomenda dos exames nacionais” com a indicação de que se deve “manter a estabilidade nos resultados” dos alunos “em relação aos anos anteriores, porque socialmente é difícil de explicar que as notas tenham grandes variações”. Isto, que já de si causaria perplexidade, foi acrescido de alguns pormenores sobre como alterar os resultados finais com recurso a pequenos “truques” técnicos. Disse ele: “Hoje temos um historial de cinco mil itens a Português, por exemplo. Se quero que haja notas altas é muito fácil. Pego numa ou em duas perguntas, substituo-as por outras, aparentemente semelhantes, e a minha expectativa em relação aos resultados dá um salto de cinco valores”. Mais adiante disse que “não é segredo para ninguém que as equipas do Iave que realizam os exames fazem uma estimativa de que resultados, em média, cada exame vai ter”. E não só “acertam em 95 % dos casos” como “conseguem fazer um exame para a nota que querem”. Dito assim, é espantoso: se os resultados fossem encomendados para se aproximarem de uma determinada nota, a equipa conseguiria “fabricar” exames à medida. E quando alguém, da assistência, comentou que seria “vão” o esforço de professores e instituições para melhorar os resultados de Física e Química quando estes dependeriam “de uma decisão política”, o presidente do Conselho Científico do Iave respondeu que valia a pena o esforço, até porque “a Sociedade Portuguesa de Física e a Sociedade Portuguesa de Química, com a colaboração do próprio Iave, têm tentado mudar essa situação, mesmo contra os pedidos políticos que têm sido feitos”.

 

Isto é um enorme escândalo e espero que alguém que tenha autoridade faça alguma coisa.

Então os exames, afinal, não servem para o rigor do ensino e melhoria da aprendizagem dos alunos mas para os políticos terem instrumentos de propaganda que os beneficiem? Se um político quer dizer que os bons resultados na educação se devem à sua pessoa mandar subir as notas dos exames mas se quiser, por exemplo, argumentos para denegrir professores para depois os despedir manda baixar 5 valores nas notas de exame? E o IAVE existe para manipular exames e fabricar notas? Então andamos a trabalhar, nós, professores e alunos, a trabalhar a sério e cheios de pressão às ordens de um Instituto de Avaliação sem profissionalismo, sem seriedade nem honra, sem rigor, sem nada... um conjunto de indivíduos que brincam com o trabalho e o destino dos outros? Pode acontecer o excelente trabalho de professores e alunos parecer um péssimo trabalho devido à intervenção caprichosa do deus ex-machina IAVE...?

 Mais vale acabar com os exames... é que, pelo que se vê, é indiferente alunos e professores trabalharem para melhorar se as melhorias dependem do mood do político de serviço e dos funcionários do IAVE, entidade deus ex-machina, que são quem decide, artificialmente [literalmente, recorrendo a artifícios], se os resultados são bons ou maus. 

 

 .....

 

Adenda - publico o comentário muito pertinente de um leitor

 

De José Rosa a 17.05.2015 às 11.25

Tens uma prova no exame de português do 12 ano de 2013-2014. Onde, por mero "acidente", quem fez prova não incluiu NENHUMA obra literária de leitura OBRIGATÓRIA. Foi mais baseado nos temas do acordo ortográfico e na interpretação de um texto que podia ter sido usado para um exame de 9 ano. Então para que é que os professores tem de dar 46 horas anuais sobre as obras literárias? Foi tempo perdido e o que os alunos aprenderam sobre essas obras, foi atirado para o lixo. Pois só quem goste muito de literatura é que vai manter-se a ler livros (sejam portugueses ou estrangeiros). 
Depois, acham estranho que uma aluna do 2 ano do curso de comunicação social não saiba quem é que foi o autor do livro Os Maias... (aconteceu num programa de televisão em directo , pior porque ela disse adorar a disciplina de Português). Uma pessoa que tivesse dado alguma importância a um dos livros obrigatórios do secundário, respondia aquilo num piscar de olhos... agora com exames que se baseiam no acordo ortográfico e na análise de um texto retirado de um livro que está no currículo opcional do 8 ano de escolaridade... é deitar abaixo o trabalho dos professores. 
Mas, já vi de tudo... um aluno de 26 anos num mestrado de economia que sabia recitar centenas de teorias económicas mas, ao ter ficado sem bateria no telemóvel, não conseguiu usar um papel para resolver uma equação que se aprende no 5 ano... (x+632= 210+222)
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46

 

 

 

 

Inspectores dizem que notas mais altas nos colégios se devem a falta de controlo

 

Ou seja, em quatro anos, o acompanhamento ao sector particular e cooperativo diminuiu 68,5%.

Os dados têm apontado que a prática de inflação de notas tem sido recorrente ao longo de anos, por isso, lembra José Calçada, há hoje muitas pessoas licenciadas, com mestrados e doutoramentos, que beneficiaram deste sistema. “A maior parte dessas coisas, mesmo que fossem infracções de natureza disciplinar, e certamente que o seriam, já passou. E o volume de anos e de pessoas implicadas tornam inoperacional qualquer tentativa de remedeio”, avalia.

Nos últimos quatro anos, o orçamento disponível teve uma redução de 8%, fixando-se nos 13,3 milhões de euros em 2013. Mas, no mesmo período, o número de inspectores caiu para menos de metade: De cerca de 400, passaram a ser 186 a 31 de Dezembro de 2013, segundo o relatório de actividades daquela entidade.

 

Está certo... à medida que aumentam as verbas que enterram nos colégios à custa das escolas públicas cada vez controlam menos o que lhe acontece... agora até querem que essas verbas não tenham que passar pelo TC... como é que gostam de dizer? Agilizar procedimentos?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:32


Inflacionar as notas

por beatriz j a, em 24.01.15

 

 

Colégios inflacionam notas e dão 90% de vantagem a alunos

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:28

 

 

Se quer alunos de sucesso confie nos professores e não nos exames

 

Investigação da Universidade Nova conclui que avaliação dos docentes no secundário está mais ligada ao desempenho dos alunos no superior do que a nota das provas nacionais.

As notas que os estudantes conseguem ao longo do ensino secundário dizem mais sobre como vai ser o seu desempenho na universidade do que os resultados que têm nos exames nacionais. A conclusão é de Dino Alves, da School of Business and Economics da Universidade Nova de Lisboa, que na sua tese de mestrado em Economia provou esta ligação. Os resultados, acredita o autor, podem ajudar as instituições de ensino superior a mudar o peso dado a cada uma das condições de acesso (atualmente a nota de exame pesa entre 35 a 50% na nota de candidatura).

No estudo Determinantes do Sucesso, o aluno de 24 anos analisou o percurso de 363 estudantes das licenciaturas de Economia e Gestão que entraram no ensino superior em 2009/10, com o objetivo de "prever o seu sucesso educativo". Para isso foram analisados dados como as áreas de estudo no secundário (Ciências ou Economia), o tipo de escola (pública ou privada), a nota no exame de Matemática (que é o específico para entrada nestes cursos) e o desempenho no curso superior.Dino Alves chegou à conclusão que "o resultado mais robusto era a correspondência entre a nota do secundário e a nota do superior".

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:27

 

 

 

 

No próximo ano lectivo

Educação Física não vai contar para a média

A nota da disciplina de Educação Física vai deixar de contar para a média final do ensino secundário e para a entrada na universidade já a partir do próximo ano lectivo.

 

Um despacho a formalizar a mudança será publicado em breve, revelou fonte da tutela. Introduzida em 2004 por David Justino, ministro da Educação no governo de Durão Barroso, a medida foi sempre muito contestada, por prejudicar alunos com pouca aptidão para o desporto.

"É uma medida positiva, porque vai libertar os alunos de uma pressão desnecessária", disse ao CM Albino Almeida, da Confederação Nacional de Associações de Pais (Confap).

 

Esta medida vem na linha do pensamento deste ministro: há duas disciplinas importantes, a matemática e o português (por esta ordem) e o resto é secundário.

O argumento da pouca aptidão para o desporto é válido para todas as disciplinas, nomeadamente as de formação geral, já que as outras são escolhidas. Um aluno pode ter pouca aptidão para o português, para a filosofia, para o inglês ou outra língua qualquer que é obrigado a ter.

Assim, pela mesma ordem de ideias, por que razão um aluno há-de ser prejudicado pela nota do inglês se não tem aptidão para as línguas?

 

Além disso, como todos os professores e alunos sabem, a esmagadora maioria dos alunos é beneficiada com a nota de educação física. É raríssimo um aluno não ter boas notas a educação física, geralmente acima da média das outras disciplinas.

No 10º ano, por exemplo, onde os alunos têm notas baixas relativamente ao que vinham habituados do básico e onde acabam o ano com médias bastante baixas, é a nota da educação física que costuma subir-lhes a média.

Deste modo só uma pequeníssima minoria de alunos, aqueles com médias de 18 e 19 (que não são mais que 1%) é que podem ser prejudicados pela nota de educação física. Eu digo prejudicados, mas não o são, porque são tão prejudicados pela nota da educação física como pela nota de outra disciplina qualquer para que não tenham aptidão.

O que se conclui daqui é que o ministro não tem nenhum pejo em prejudicar 98 ou 99% dos alunos para beneficiar 1 ou 2%.

 

Ponho-me a pensar porquê e até parece que ouço vozes do género, 'era o que faltava, alunos excelentes a matemática serem prejudicados por causa de não gostarem de ginástica'... não? Pois...devo estar enganada.

 

Das duas uma, ou a educação física é um disciplina importante na formação dos jovens e o Estado assume que quer participar activamente na saúde preventiva dos jovens, ou não é. Se é e, se temos as escolas equipadas para a prática desportiva, então não há razão para que se prejudique a quase totalidade dos alunos para agradar a 1%.

 

Se querem dar facilidades aos alunos então que se permita que cada aluno escolha, no 12º ano, uma cadeira da formação geral para não contar para a média final com vista a candidaturas à faculdade. Assim, 1% pode escolher não querer a educação física na média final sem prejudicar todos os outros 99%. Além disso, outros alunos podem escolher outras disciplinas da formação geral para que não tenham aptidão. Sempre é um bocadinho mais justo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:22

g.a


3-8-12



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



PageRank