Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Que seria a vida sem poesia

por beatriz j a, em 31.01.18

 

 

Que seria a vida sem poesia

 

sem o momento indeciso

o limbo entre a noite e o dia

onde o sono se despe

e o sonho se cria

 

não quero a poesia 

como um fato de cortesia

quero usá-la como pele

amarrotada

amassada

amadurecida pela vida

 

que seria a vida sem poesia

 

sem os ângulos de ensombrar o dia

sem as frestas onde a luz penetra

como faróis na noite densa

sem as agonias da dor

sem os círculos perfeitos do amor

 

ahh... quem nos escreveu nos morreu

mas foi pelo sonho que nos (con)venceu

 

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:24


Quatro da madrugada

por beatriz j a, em 31.01.18

 

 

Quatro da madrugada 

e dou comigo acordada 

 

com esta febre 

me ardes 

sinto-a [acho que disse]

cresceu

não mais me larga

 

fosse a febre uma ideia

não me faltavam palavras

mas a vida não é argumento

é tímido

o sentimento

 

ai o alento, o alento

a noite é longa

se não está por perto

 

quatro da madrugada 

e dou comigo acordada 

sem água 

rasga-me a sede o peito.

 

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:02


Se fosse poeta

por beatriz j a, em 30.01.18

 

 

Se fosse poeta
passava os dias
a escrever poesia
de cada vez
dez
poemas
e só depois, então, dormia.

Que luz tem a vida
sem poesia?

Hoje mesmo vi um homem
seriam umas dez da manhã
ir à sua mercearia
debruçava-se sem afã
sobre o primeiro lixo do dia
mesmo em frente ao talho do Zé
onde eu e outros se aviam.

Digam-me agora, se podem
como aguentar a miséria,
a pobreza e a indiferença
dos políticos a letargia
sem amor à poesia?

Se fosse poeta escrevia,
escrevia, escrevia, escrevia,
uns dez poemas por dia
e depois
só depois,
então, dormia.

 

bja

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:58


Sonhos

por beatriz j a, em 12.09.17

 

 

não vale a pena pensar muito.
para quê (?)
se tudo é fortuito...

os sonhos são alimento
requentado
em fogo lento
uns hão-de comer-se aos poucos
outros engole-os o tempo.
bja
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:07


sede

por beatriz j a, em 12.09.17

 

Coisa não há que não possa ser
o tempo é um presente constante
e toda a água apaga a sede ao beber.

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:51


Até quando?

por beatriz j a, em 12.09.17

 

Quando não podemos dizer a saudade
e o mar calamos em golfadas abafadas
o presente esgota-se inteiro na vontade.

 

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:05


Quadrinhas ao entardecer III

por beatriz j a, em 20.08.17

 

 

Se pudéssemos ver
nesse tempo de crianças
os demónios que hão-de nascer
o desmoronar das esperanças...

Quem nos fez, mal nos pensou
deu-nos da felicidade a promessa
com sonhos nos amarrou
enquanto forjava demência
- traição que se faz à infância...

Se existisse esse Deus alimento
que dizem pregado na cruz
tinha-nos poupado o sofrimento
horror que nos rouba a luz.

O ser humano na balança
onde pesa a ignorância e a luz
não sabe onde pôr a esperança
no meio de tanta demência
fome, castigo, sofrimento e pus.

 

bja

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:32


Quadrinhas ao entardecer II

por beatriz j a, em 20.08.17

 

 

miroslava zaharieva

 

Somos náufragos

da nossa infância

 

nesse lugar profundo

reservado para a ancora

dispersos salvados

prendem-nos

 

memórias persistentes

objectos da nossa ânsia.

 

não há prazer em ser profeta

nem as lágrimas se encolhem

por terem sido previstas

com a devida antecedência.

 

navegamos

com as sombras do passado 

[e do presente]

não confies nas aparências

quem mais cala é quem mais sente.

 

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:59


Quadrinhas ao entardecer

por beatriz j a, em 20.08.17

 

 

Da minha janela te vejo

do lado de lá do mar

apanhar ondas que beijo

eu gaivota em ti voar.

 

....

 

Le lendemain 

c'est pas pour moi.

 

Porquoi 

alors

la penitence

à soi-même

et a tout ce que, enfin

on aime?

 

Les fleurs du printemps 

ne se méfient du soleil

ne défient pas le temps

n'ignorent pas la saison

des couleurs en floraison.

 

Chaque instant cest son moment

tout l'instant est pour toujours

elles son filles du temps

elles sont fleurs d'amour.

 

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:24


Doem-me os olhos

por beatriz j a, em 14.07.17

 

 

Doem-me os olhos

de ver.

Ver longe

ver dentro

ver para lá do pensamento.

 

Se tudo é determinado

e não há liberdade de ser

quem nos planeou o sofrer?

 

bja

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:42


meditativo

por beatriz j a, em 27.05.17

 

 

O que é o mais e o menos?
O que somos e o que temos
Se não formos o melhor que somos
o que temos faz-nos pequenos.

 

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:07


Domingo à noite

por beatriz j a, em 14.05.17

 

 

Gurami Khetsuriani 

 

 

Domingo à noite
e o conforto que não vem
nunca é o dia, o mês, o ano
engano, engano.

Fiz-me ao mar há
alguns anos e
na pressa de embarcar
não levei os portulanos
na fé me fiz navegar
já passaram uns poucos de anos
mas as rochas que recortam a costa
não me deixam aportar.

 

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:45


Toda a noite o vento

por beatriz j a, em 02.01.17

 

 

Toda a noite o vento

fustigou o meu sono

com pancadas nas vidraças.

Noite de insónia agitada

a ouvir morder as janelas

com as pálpebras pesadas.

Horas de sono branco

sonhos desperdiçados,

manhã carregada

paz adiada.

 

bja

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:46


4 AM

por beatriz j a, em 15.12.16

 

 

Now I am half-person

The other part is not mine to claim

Tapping on your roof

Diluted I am

In the drizzle of the rain.

Can you hear me

Or am I calling you in vain?

(...)

bja

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 04:17


(A)mar

por beatriz j a, em 14.12.16

 

 

 

 

Que há em todo o mundo

maior que o imenso mar?

perguntam rajadas de vento

em assobios de gelar

- nem os picos da montanha

nem o grande glaciar,

uma tal natureza tamanha

só a tem o verbo (A)mar

que em seu nome abocanha,

menor, a força do mar.

 

bja

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:13


Incompletos

por beatriz j a, em 14.12.16

 

 

busquei as palavras
por entre os murmúrios do mar
mas vívido era o silêncio nos intervalos do seu restolhar.

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:27


A frozen red

por beatriz j a, em 14.12.16

 

 



A frozen red
in winter's heart
a lover's rose
spare part.
How sad
        it is 
to fall apart...

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:18


No meu país não cai a neve

por beatriz j a, em 01.12.16

 

 

 nuno dantas  

 

 

No meu país não cai a neve

do Inverno, a limpar os pecados

do Verão. Não cai, não.

Não se cobrem de branco os caminhos

trilhados em perdição

nem se tornam gélidos os lagos

depois de um grande nevão.

Não há manhãs de certezas

duras, de redenção.

 

bja

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:27


Amanhã me refaço

por beatriz j a, em 12.11.16

 

 

 

Deste mundo não sou
não lhe pertenço.
algumas pessoas conheço
me reconheço
nelas 
também sou eu
sendo.

Esta é a hora sem possibilidade
frio gélido
não o mereço
o meço 
em palavras e frases
recomeços
infinita 'dunamis' 
sem 'energeia'
em pó me desfaço.

amanhã me refaço
   me re-construo ser 
   sobre o cansaço.

 

bja

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:30


Finalmente chove

por beatriz j a, em 04.11.16

 

 

 

 

 

 

 

Finalmente chove

alguém deixou o coração

no pavimento abandonado

pétalas rubras em vão

rosa de um fulgôr sepultado.

 

bja

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:26

g.a


3-8-12



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



PageRank