Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





completamente de acordo...

por beatriz j a, em 11.10.10

 

 

...embora falte aqui uma outra (talvez a maior) causa para este descalabro: a corrupção generalizada com desvios de dinheiros públicos.

Entrevista a Silva Peneda i

 

Esta crise em Portugal resulta de três factores e normalmente só se fala de um. Houve aqui uma consequência da crise internacional, mas também há uma componente nacional. A partir de 1995, após a adesão ao euro, as taxas de juro eram muito baixas e favoreceu-se muito uma política de aumento de consumo das famílias, dos bancos e das empresas quando devia ter sido o contrário, uma política mais de contracção. Nessa altura não se fizeram as reformas necessárias e portanto estamos a pagar hoje a factura dessa política. E a terceira causa tem a ver com as instituições europeias, com a forma como funcionam. A par do euro não há mais nada, não há uma política económica europeia, não há uma política financeira europeia, não há uma política industrial europeia. Enfim, existe uma moeda única mas depois não existe um conjunto de instrumentos que seriam fundamentais para evitar este tipo de consequências.

Numa época de austeridade como se estimula o crescimento da economia?

Precisamos urgentemente de um programa de competitividade focado nos factores mais decisivos e que tenha em consideração as especificidades territoriais. O país é pequeno, mas não é todo igual. O Norte não é igual ao Centro nem ao Alentejo ou ao Algarve. Uma ideia que defendo há muito tempo é um programa de médio prazo que tem a ver com a desconcentração de serviços de Lisboa para as cidades médias. Numa época em que as tecnologias de informação se desenvolveram de tal modo, nada justifica que todos os serviços da administração central estejam localizados em Lisboa. Há que fazer a reforma da administração pública e deslocalizar serviços. Não encontro razões nenhumas para que o Instituto Nacional de Estatística esteja em Lisboa, ou o Tribunal Constitucional, ou as inspecções-gerais e os institutos públicos. A razão é a inércia.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:56

g.a


3-8-12




no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



PageRank