Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





casa-museu anastácio gonçalves

por beatriz j a, em 12.09.10

 

 

 

janela vitral da casa de jantar da casa-museu Anastácio Gonçalves

 

 

 

 

Ontem fui visitar a casa Malhoa, agora casa-museu Anastácio Gonçalves que fica ali entre Picoas e o Saldanha. Da colecção De Anastácio Gonçalves gostei particularmente das louças, duns pratos Otomanos lindos e duns azulejos do Irão, completamente flabbergasten - as cores, meu deus!

Tem uma colecção de pintura bastante boa. Tem duas pinturas do rei D. Carlos. Dá que pensar...quer dizer que houve uma altura em que os governantes portugueses eram pessoas educadas nas letras e nas artes e não eram todos uns ignorantes embasbacados.

Uma pintura que ele comprou como sendo do Hobbema trouxe-me à memória a casa de Bruxelas que ficava justamente na rua Hobbema, perpendicular à Av. Renaissance, no bairro dos pintores renascentistas. Mesmo em frente do colégio militar.

Enfim, do que gostei mesmo foi da casa. Sobretudo a casa de jantar e o quarto. Tem aquele ambiente sóbrio e masculino, mas elegante, que lemos nos livros do Eça. O quarto com a antecâmara onde não faltam motivos religiosos e a sala de jantar em madeira pau-santo já clareada pelo tempo, com aquele cheiro característico das madeiras velhas. Estes sítios assim conservados são portais do tempo, janelas que fornecem uma ligação física, material a mundos contextuais do passado. Dão-nos as cores, os cheiros, os espaços, os gostos, os objectos dos antepassados. Sente-se ali o palpitar da vida deles. Ali naquela sala de jantar, com a mesa posta, quase que os vemos materializarem-se, com óculo e polainas, jornais esquecidos no aparador, a atmosfera envolta em fumo de cigarrilhas e eles, entre o vinho e a discussão política, a discussão das artes, as queixas, como hoje, da tacanhez dos ministros, da subserviência dos oportunistas. Vi nitidamente o Columbano, o Bordalo a fazer desenhos à pressa para irem ainda a tempo para a edição da manhã, e todos esses cuja presença ainda ali se sente.

É possível sentir-se mais afinidade com pessoas de outras épocas que com gente do seu próprio tempo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:46

g.a


3-8-12




no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



PageRank