Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

 

 

O blog do Umbigo tem andado a desenterrar os textos que desde o início dos anos 90 inundam as escolas, as acções de formação de professores e as mentes (ouso dizer desvairadas) dos que decidem na educação. Como ele diz, 'se sobrevivemos a isto (sendo o isto um cardápio de pedagogias idiotas para o insucesso - algo entre o poétic-lírico e a flauta de Hamelin, digo eu), sobreviveremos a tudo'.

 

Se sobrevivemos a isto (p.54), sobrevive(re)mos a tudo:

Nestes termos, os aspectos de referência fundamental do professor deixam de ser o programa com os respectivos objectivos e a classificação periódica, para passarem a implicar predominantemente:

  • a relação pedagógica, como encontro intersubjectivo em que todos, enquanto sujeitos, são iguais, abolindo gradualmente a distância professor-aluno pela reciprocidade educador-educando (em que cada um é, simultaneamente, ambas as coisas);
  • em vez dos conteúdos cognitivos dos programas serem a meta a atingir, tornam-se um instrumento ou meio privilegiado ao serviço dos sonhos e carências de cada educando-comunidade e mergulham na vida concreta, tentando libertar-lhe os anseios e abrir-lhe caminhos (pô-la a caminho);

Por favor, quando certos opinadores criticarem os professores porque não são isto ou aquilo, porque o sistema não sei o quê, deveria não sei o que mais, tenham sempre em contra que desde o início da década de 90 nos quiseram inculcar que os professores não são professores e que os aspectos cognitivos da aprendizagem não eram metas a atingir, eram meios para alcançar uma espécie de nirvana, quiçá, kerouaquiano.

Como acham que é possível ser submetido a isto e resistir sem danos (colaterais ou centrais) no sistema nervoso?

Semos heróis por estarmos ainda funcionais, é o que é!

Pior… se fizessemos o inventário de quem depois dava formação nestes tons, ainda tínhamos imensas surpresas, porque isto caiu que nem sopas no mel em alguns ambientes organizacionais que muito PRODEP (I, II e III) consumiram para replicar esta conversa (ens)sonsa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:39

g.a


3-8-12




no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D



Pesquisar

  Pesquisar no Blog



PageRank