Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Educação do gosto?

por beatriz j a, em 24.02.09

 

 

 

   Gustav Courbet

 

 

Teria gostado de saber que a sua obra continua viva e polémica passado mais de um século e meio.

O incidente mostra bem o nível cultural do nosso povo. São as tais pessoas com as tais ideias que defendem que a educação deve reduzir-se à aprendizagem de técnicas e competências...

Querem a educação sexual... mas desligada da educação do gosto...talvez a queiram reduzir, também, à aprendizagem das técnicas...

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:37


a Václav Klauss cheira-lhe a esturro...

por beatriz j a, em 24.02.09

 

 

 

No dia 19 de Fevereiro passado, Václav Klauss discursou no Parlamento Europeu para assinalar a presidência checa da União Europeia. Vale muito a pena ver o vídeo e ler o discurso.

 

 

                

Para ler o discurso, em inglês, klaus.cz/klaus2/asp/clanek.asp

 

V. Klauss foi lá dizer que os checos são um dos países que 'topam à légua' os sintomas do apodrecimento dos regimes. Que, por terem vivido na ditadura soviética, a dos planos económicos quinquenais centralizados, da educação centralizada, das políticas sem oposição, em suma, da vida amordaçada, são experientes em reconhecer os sinais da decadência da vida democrática. E, adverte, a UE, neste momento, apresenta esses mesmos sinais. Ele defende que uma democracia forte tem, como condição, a existência de oposição, de liberdade de expressão, de troca de opiniões.

O parlamento não estava à espera... Já lá não há surpresas destas há muito tempo... andam todos lá a comer, como é evidente...Uma irlandesa até se permite ofendê-lo para defender o Tratado de Lisboa.

É claro que por cá, o grande paradigma da educação lusa diria: o problema dele é ser velho e resistir às mudanças...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:31

 

 

 

 

Hoje o DN dn.sapo.pt/2009/02/24/sociedade/manuais_revistos_incluem_descobertas.html traz um artigo onde se promove a actualização científica dos professores através de.......pesquisas aos jornais Público e DN!

Será preciso dizer mais acerca da formação e dos horizontes científicos e intelectuais de quem define políticas para a educação?

No mesmo artigo faz-se grande alarido ao facto de terem incluído, na revisão de manuais, a notícia da «despromoção de Plutão». Confundir notícias informativas com alterações científicas teóricas e/ou práticas tem sido um dos desastres da Educação Nacional - um artigo de jornal ou revista são suficientes para que se faça uma reforma.

 

É claro que quem resiste à mudança estúpida é..., velha, segundo o grande paradigama do 'pior é impossível'.

 

Velhos que resistiram a certo tipo de mudanças: Sócrates (o filósofo, entenda-se), Platão, Aristóteles, Séneca, Júlio César, Boécio, Einstein, Chagall, Stravinsky, Soljenitsine...como se sabe, gente menor...

Gente que quis impôr certas mudanças e anulou à força todas as resistências: Calígula, Inquisição, Lenine, Estaline, Hitler, Mao Tsé Tung, Pol Pot.....como se sabe, gente maior...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:45


Crónicas de Ridíkulo (continuação)

por beatriz j a, em 24.02.09

 

 

 

 

Cowlu : -  Oh, Ridíkulo o teu primo está na portaria e quer falar contigo.

Ridíkulo: -  Mas que primo, que primo???      

Cowlu: -  Ora o filho do teu tio do Monte da Eira…

Ridíkulo: -  já te disse eu não tenho primos, explica-lhe tu  Silas Rock que eu tenho de me preparar para a reunião com o Canibal C. Silas.                  .

Cowlu: -  Como?

Silas Rock: -  Pois é Cowlu , o Ridíkulo não tem primos, os filhos do Tio do Monte da Eira são só isso mesmo: filhos do tio do Monte da Eira.

Cowlu: -  Mas se são filhos do tio são primos!!!!?     Explica-me isso como se eu fosse muito burra!

Silas Rock: -  Ah,Ah, como se fosses ???    Mas, está bem, vou explicar, ouve bem: o tio do Monte da Eira é meio-irmão da mãe do Ridíkulo e por isso os seus filhos não são primos do RidÍkulo…

Cowlu: -  Isso não pode ser…

Silas Rock: -  Não são; vê bem, que eu vou explicar devagar: um filho tem de ser filho de duas partes, uma o pai, outra a mãe…

Cowlu: -  Pois claro.

Silas Rock:  -  Portanto a sua origem é metade paterna e metade materna…

Cowlu: -  Sim, é verdade.

Silas Rock: -  Ora o tio do Monte da  Eira é só meio irmão da mãe do Ridíkulo ora os seus filhos são filhos da outra parte que não é nada à mãe do Ridíkulo…

Cowlu: -  E os filhos da mãe do Ridíkulo também são filhos da parte que não é nada ao Tio do Monte da Eira?

Silas Rock: -  Ah, agora estás a perceber?

Cowlu: -  Mas como é que o Ridíikulo soube isso, teve que fazer exames e análises?

Silas Rock: -  Sim fizeram muitos exames.

Cowlu: -  Onde? Em Portugal?

Silas Rock: - Em Portugal sim, na Universidade Inconfidente.

Cowlu: - Aquela que fechou?

Silas Rock: -  Mas fizeram os exames quando estava aberta…

Cowlu: - o Ridíkulo é tão esperto até podia ir ao programa onde fazem perguntas muito difíceis pois ele não se iria atrapalhar…

Silas Rock: - Que programa é esse?

Cowlu: -  É o programa “Mar Encrespado” .

Silas Rock: -  Nem penses nisso…

 

 

publicado por Cecília Graça

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:05


Decepção...

por beatriz j a, em 21.02.09

 

 

 

 

   www.nytimes.com/2009/02/22/washington/22bagram.html 

 

Li, nesse artigo do New York Times acima linkado, que Obama mantém um dos argumentos chave da administração Bush segundo o qual se nega aos prisioneiros do Afeganistão o direito de contestar a sua prisão. Por outras palavras, não terão direito a advogado, não terão direito a justiça. Ou ainda, estarão excluídos do grupo dos indivíduos a quem se reconhece  direitos humanos e, por consequência, humanidade.

Mais uma decepção...

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:57


Especialistas da 'inducação'......?

por beatriz j a, em 21.02.09

 

 

 

É preciso que se saiba que a directora da DREN (a precisar de drenagem, diga-se de passagem), Margarida Moreira, não é caso isolado. A ministra da educação, vinda das escolas primárias...

As Escolas Superiores de Educação, onde se formam professores, e os Centros de Formação, onde se desenvolvem Acções de Formação Contínua, obrigatórias para professores serem avaliados e subirem na carreira estão cheias deste pessoal que, se forem como a Moreira, mal sabem escrever, mas não têm vergonha de oferecer-se para cargos de formação de professores ou directores duma qualquer Drel.

Também se repara na quantidade de pessoal que passa directamente dos sindicatos para as estruturas da administração pública e, no modo desenvolto e natural como vestem a camisola daqueles que, ainda na véspera, eram seus opositores. Os sindicatos, penso eu, já não se percepcionam como associações representativas de trabalhadores, com missão de lutar pela dignidade do, e no, trabalho; não senhor! Os sindicatos são corporações de interesse próprio, plataformas de poder. Por isso passam de uns lugares para os seus contrários com o mais escandaloso à vontade. O Pedreira também era sindicalista.

A decisão de fechar as escolas do Magistério Primário e as vagas para leccionar , no início dos anos noventa  -que já não lembro de quem foi, ao certo-  teve efeitos colaterais negativos e devastadores na educação deste país. Foi essa decisão que levou estes todos a fazerem uma formação qualquer (ciências de educação, equivalências a licenciatura, mestrados do tipo"será que no ano passado choveu mais à 5ª que à 6ª, etc.) que lhes assegurasse um futuro. E que futuro! De educadores de infância e professores primários directamente a , dirigentes sindicais, formadores em Acções promovidas por sindicatos,daquelas que sorveram os dinheiros da CEE, professores universitários, técnicos superiores da função pública, secretários de estado, ministros e por aí fora...

Estamos nas mãos deste pessoal, algum não é capaz, sequer, de escrever uma frase como deve ser, e para quem a revista Sábado deve ser o cúmulo da sofisticação intelectual.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:10


Orçamentos imenso chiques...

por beatriz j a, em 21.02.09

 

 

 

Em Portugal os orçamentos são imenso chiques...! Que ninguém pense que somos pelintras e que só temos dinheiro para fazer um orçamento por ano.  Nop... , nós por cá estamos ao nível dos melhores costureiros do mundo, e temos orçamento de inverno e orçamento de verão.

Sabemos que o de Verão está já alinhavado e será anunciado proximamente. O primeiro ministro, como se calcula, será a estrela do desfile (em vestido de noiva?).

Chique a valer,como dizia o Eça.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46


Sócrates e o amigo

por beatriz j a, em 21.02.09

 

 

 

Porque é que Sócrates quer o 'querido' cá a assistir ao seu triunfo?

 

 

Porque razão foi Sócrates reeleito, quase por unanimidade? sol.sapo.pt/PaginaInicial/Politica/Interior.aspx Nem o Alegre, que andou para aí a fingir que era contra o estado de opacidade do governo e do país deu um ar de sua graça (o Alegre não é um dos que foi buscar uma reforma a uma empresa onde apareceu como administrador durante dois anos?) 

Depois de todos os factos que têm vindo a público (apesar das tentavias de censura) acerca de compadrios, roubos de dinheiro, mentiras, testemunhos falsos e associações criminosas dos que governam não há uma única pessoa que se oponha ao 'querido'  do Chavez?

Se não há, isso significa que estão de acordo com o rumo que ele tem dado ao país? São apreciadores, ou, pelo menos, coniventes, com uma governação que empobreceu o país, deu a mão a corruptos e malfeitores, perseguiu gente de bem, destruiu o tecido social, manchou a credibilidade e a memória do país e dos portugueses. Ora, isto não é um comportamento anti-patriota? Que trabalha contra os interesses da pátria?

O partido pseudo-socialista está completamente cego?

 

É pior o cego que vai à frente a indicar o caminho ou todos os outros que o escolheram como guia? O cego é só cego e irresponsável, por se oferecer para guia sabendo que não pode ver o caminho. Mas os outros, que o escolheram, ou são também cegos, ou são estúpidos, ou malfeitores. Em qualquer dos casos, seremos governados, ou por cegos irresponsáveis, ou por estúpidos, ou por malfeitores - ou ainda, por cegos estúpidos; ou estúpidos malfeitores... todas as combinações são possíveis dentro dos limites desta cegueira estúpida.

Como se chamarão, doravante, os militantes, simpatizantes e apoiantes do partido pseudo-socialista?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:08


O Consolo da Arte

por beatriz j a, em 20.02.09

 

 

 

O Soderberg disse um dia que, se não fosse a arte, este mundo seria insuportável. Há dias em que essa verdade é tão gritante que só conseguimos continuar por aqui se nos empaturrarmos de arte.

Hoje, as notícias de roubos em numerário, ignorantes ditadorzecas(os), também em numerário e gente repugnante de falsidades, igualmente em numerário, são completamente insuportáveis.

Logo, virei-me para a arte. Três artistas que viveram dentro dos limites da verdade, com a qual criaram a música que hoje é meu consolo, meu alimento e meu sustento.

Três artistas que tinham a verdade em comum e que me fazem lembrar outras pessoas...

 

Jimi Hendrix and Janis Joplin Summertime

        

        

 

e Stevie Ray Vaughan Pride and Joy    

   

 

 

                

  

   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:03

 

 

     

 

 

Fiquei a saber há bocado, numa reunião do meu Departamento, que a partir de agora, as justificações médicas para os professores serão diferenciadas, consoante se trate de um professor do Quadro de Escola Permanente ou se trate de um professor Contratado. Os primeiros têm um certificado médico de uma côr cinzenta, os segundos verde! Quer dizer, as doenças agora não atacam os professores de igual modo. É claro que uma enxaqueca de professor Permanente é muito mais importante que uma enxaqueca de professor Contratado.

Enxaquecas de primeira categoria e de segunda categoria. E enxaquecas de titular? Será em azul real?  Será que os professores NOI (Não Objectivos Individuais) andarão de braçadeira amarela? Por oposição aos professores OI que terão o privilégio de andar sem braçadeira? E porque não, salas de professores separadas por categoria? E as sandes no bar? De ovo mexido (amarelo) para os NOI e de carne assada para os OI?

 

E pensar que a pessoa que está à frente do 'meu' Ministério, depois de demonstrações inequívocas de incompetência e irresponsabilidade maiores, vai ser premiada com um mega tacho qualquer, para poder 'obesar' à vontade...

Isto começa a ser inaguentável. Literalmente.

 

Mas nem tudo é mau e ordinário. O presidente da minha escola não ameaçou os colegas nem se armou em medroso adesivado como alguns repugnantes que por aí andam.

Isto motivou-me.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:40


Exílio

por beatriz j a, em 18.02.09

 

 

 

Folha da Revista de Filosofia da minha escola - a do 1º período.

 

 

 

  

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:17


Todos felizes, todos iguais!

por beatriz j a, em 17.02.09
 
 
 
 
A major purpose of schools must be to help develop good and happy people – especially at a time when growing numbers of children are suffering from emotional disturbance.
Richard Layard argues that we need a new cadre of teachers specifically trained to teach values and the ways to happiness.

 

Andava a visitar blogues mais ou menos ligados à educação, para saber de novidades, quando dei com esta frase, que no dito blogue, é acompanhada por uma imagem alegre.

Tive quer ler duas vezes para me certificar que não estava enganada sobre o que estava a ler: que um objectivo maior das escolas deve ser o de ajudar a desenvolver pessoas boas e felizes, especialmente nestes tempos em que tantas crianças sofrem de perturbações emocionais.

Um tal Richard Layard argumenta mesmo que precisamos de um novo quadro de professores, treinados especificamente para ensinar valores e caminhos de felicidade!

Se a Milú (que é outra pessoa a quem não se conhece uma única ideia sobre educação)  vê isto, vai já a correr mandar fazer um parecer ou decreto que obrigue os professores a frequentar acções de formação sobre ,'Técnicas de fazer alunos felizes'.

 

Na semana passada estava a analisar, com uma turma do 11º ano, um filme que passei a propósito da questão do conhecimento: quem define o que é real, o que é verdadeiro, o que deve ser aceite como válido? Como estabelecer critérios, etc. Como o filme aborda a experiência de um indivíduo com esquizofrenia ( o filme em questão era Mentes Brilhantes ) a questão da normalidade no que respeita à saúde mental veio à baila. Discutia-se o critério que distingue o 'normal' do patológico.  Alguns alunos defenderam ser trabalho dos especialistas - psicólogos e psiquiatras - a definição de critérios do que se considera 'normal' .

Uma aluna (a miúda tem 16 anos) fez a seguinte observação: eu penso que alguns comportamentos que hoje em dia se consideram doença, como as ansiedades, e até a depressão, naquele sentido de estar triste e desmotivado, não têm que ser negativos e 'anormais'. Parece-me errado tantos alunos andarem a tomar ansiolíticos para se sentirem mais felizes e aguentarem a ansiedade e o stress da escola e de casa, porque não é real.  É uma espécie de pílula para sair da realidade e estar feliz. Eu penso - dizia a rapariga- que um certo estado de tristeza depressiva pode ser positivo, porque nos obriga a concentrar em nós próprios, e isso ensina-nos mais sobre nós mesmos e dá-nos forças para mudarmos as coisas a partir de nós.

Acho que esta garota de 16 anos diz tudo sobre aquela observação dos professores deverem ser adestrados para serem técnicos de felicidade. Já o Kant dizia que, se o plano da natureza para o homem fosse a felicidade, tê-lo-ia privado da razão, pois seria melhor servido, para esse fim, pelo mero instinto. Que é uma maneira de dizer, só os tolos e os néscios é que vivem neste mundo de inseguranças e de injustiças em estado de felicidade.

 

Querer que os professores sejam instrumentos da ilusão dos outros mostra o nível deste pessoal que manda no circo.

É claro que a escola devia alimentar a diversificação dos interesses, que são uma defesa, sobretudo na idade adulta, contra a sensação de angústia e tristeza que o estado do mundo e as outras pessoas nos causam e que abrem caminhos de realização e esperança positiva que são caminhos de construção. Ah! Mas isso não, antes pelo contrário! Quanto mais limitados forem os alunos menos se queixarão no futuro e mais domesticáveis serão através de doses maciças de felicidade proporcionada por telenovelas, feiras de sexo, etc.

Uma escola que contribua para a saúde mental (entenda-se, pessoas capazes de funcionar em ambiente de stress e ansiedade, que é a condição de vida actual)  pressupõe que, paralelamente ao ensino das técnicas, se eduque o gosto, os sentimentos, os prazeres, em contexto, realmente, culturalmente rico, pois de outro modo a educação é vazia.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:18


Paris, a cidade das luzes...e dos piolhos.

por beatriz j a, em 16.02.09

 

 

 


  

 

Quando pensamos que já nada pode chocar damos de caras com situações que nos põem doentes. Hoje li um artigo no El País verdadeiramente chocante! www.elpais.com/articulo/ultima/FRANCIA/Degradacion/centro/Paris/elpepiult/20000118elpepiult_1/Tes Uma prisão no centro de Paris é considerada a pior de todas as prisões, em termos de condições a que estão sujeitos os prisioneiros.  Infestada de ratos e de baratas e com os colchões cheios de piolhos, tem uma taxa enorme de doentes infectados com SIDA, mutilações, amputações e suicídios. Mas, pior que isto tudo são as violações colectivas. Indivíduos com 20 anos são presos pela primeira vez e, que fazem os responsáveis? Enfiam-nos em celas com os piores dos que lá estão,de modo que ao fim de pouco tempo estão deficientes. As celas dos castigos são antecâmaras de suicídios.

Como se diz no artigo, isto diz muito sobre a França, que se acha muito civilizada em relação a outros povos, como nós, por exemplo.

Não é que não saibamos que o mal não escolhe bandeiras e que está disseminado por todo o lado, mas esperamos sempre que certas civilizações que se promovem como luzes do mundo não sejam completamente hipócritas.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:00


'Yes you can', yourself, senhor Presidente!

por beatriz j a, em 15.02.09

 

 

 

► Dias Loureiro não se lembra que perdeu 38 milhões de euros - oops! Será que perdi aquilo? Não dei por nada...

► Dias Loureiro não percebe o porquê de tanto alarido: afinal foram só 38 milhões, isto é, trocos...

► Dias Loureiro faz parte duma sociedade que comprou, poucos dias antes de ser público o lugar da construção do novo aeroporto, terrenos nas imediações ( será que se lembra?);

► Dias Loureiro é conselheiro do Presidente: a mera hipótese do Presidente poder seguir um conselho que seja deste tipo faz ter vontade de fugir daqui;

 

 (Um aparte: Dias Loureiro é sócio de Jorge Coelho que, por sua vez, pertence a uma mega-construtora amiga do amigo do primo do amigo do tio do amigo... Quem será que vai construir, e o quê, nos terrenos comprados? Qual será a firma de arquitectos que já afiambrou o negócio? E a imobiliária? Será que já há condomínios vendidos a ingleses e outros?)

 

Continuando:

► O Presidente anda por aí a dizer aos jovens, 'yes you can', arregacem as mangas, não desistam, etc., mas ele próprio não mexe uma palha para defender os interesses do povo e assiste de bancada ao saquear despudorado do país - a que propósito, perguntamos nós, irão os jovens arregaçar as mangas?  Para quê? Para trabalharem numa fábrica a troco do salário mínimo enquanto assistem ao espectáculo da classe dirigente abusar deles e deitá-los para o lixo assim que chega a crise, salvando-se apenas uns aos outros? Enquanto uns trabalham a troco de quase nada outros perdem 38 milhões, ou compram, com os dinheiros públicos, casas e carros para toda a família? Os trabalhadores, por uma dívida ao banco que contraíram para comprar um frigorífico ou para pagar as despesas com a escola (que era suposto ser gratuita) vêem os bens penhorados e vão para o olho da rua sabendo que o governo injectou quase um bilião e meio num banco fraudulento, cheio de ladões?

 

Senhor Presidente, arregace o senhor  as mangas e faça o seu trabalho: 'yes you can', dizemos-lhe nós!

O problema não está em os jovens não acreditarem nas suas capacidades. O problema está em não acreditarem nas capacidades dos que nos governam em sair disto, e saberem, que vão ser sacrificados para nada - NADA! A não ser enriquecer mais um ministro, um autarca, um conselheiro de estado...

 

Senhor Presidente: YES YOU CAN!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:44


juízes

por beatriz j a, em 15.02.09

 

 

         

 

Ontem, a ler um blogue dum juíz tomei consciência duma realidade de que nunca tinha me tinha apercebido, verdadeiramente - acho que porque nunca me tinha ocorrido pensar seriamente no assunto.

Um juíz, sobretudo se é pessoa bem formada e sensível, tem de ter um estômago muito forte para não se tornar um cínico ou ganhar uma úlcera aos trinta anos...As salas de tribunal devem ser, muitíssimas vezes, dramáticas. Autênticos palcos macbethianos. Sítios onde se desvelam intenções pérfidas, onde paira no ar, como uma nuvem de descarga poluente de cheiro fétido, doses de ódio, de vingança, e outras emoções baixas. Assistir, com frequência e regularidade à exposição da decadência humana através da manifestação dos seus mais baixos vícios ou, na melhor das hipóteses, fraquezas...

Deve ser coisa de tirar o sono e causar pesadelos por muitos anos. Não acredito que uma pessoa se possa habituar a isso. Nem me parece ser coisa boa, habituar-se a tais coisas. Não sei como se defendem, como evitam vomitar todos os dias, mas não queria estar no seu lugar.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 00:51


Governos

por beatriz j a, em 12.02.09

 

 

 

  Jean-Léon Gérôme

 

Da mesma maneira que não seria um escravo também não seria um amo. Isto expressa a minha ideia de democracia. (Abraham Lincoln)

 

  Confúcio

Num país bem governado a pobreza é algo que nos envergonha. Num país mal governado, a riqueza é algo que nos envergonha.

 

 

  

Tanto o estado bem governado como o príncipe sábio tiveram o cuidado de não reduzir a nobreza ao desespero e o povo ao descontentamento.(Maquiavel)

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:10


Editoriais para enfeitar papel

por beatriz j a, em 12.02.09

 

 

 

Hoje o editorial do DN é muito interessante. Tem dois artigos. O primeiro versa sobre a crise

(dn.sapo.pt/2009/02/1/editorialos_riscos_a_crise_gerar_revolucao_so.html) económica poder, e estar, a gerar uma crise social que pode levar à ruptura da sociedade, através de actos de revolução. Alega que as «roubalheiras», como diz Soares, a impunidade e o abuso dos poderosos são os germes desta possível revolta social. Conclui que a justiça tem de ser célere para que se reponha a confiança nas instituições, entende-se.

Ora, no segundo artigo, critica-se que no debate quinzenal da Assembleia da República a oposição tenha questionado, e embaraçado, o primeiro ministro, com questões sobre a verdade das escutas e pressões sobre os magistrados do caso Freeport.

Conclusão do editorial: o primeiro ministro foi muito esperto - hábil é a expressão usada - em safar-se à questão jogando no contra-ataque, ao afirmar que há uma «campanha negra» contra si e que a culpa é toda da líder da oposição por não se ter demarcado do cartaz Pinócrates.

Então a questão de ter de se levar a sério a justiça, como era dito umas linhas mais acima, já não importa? Os poderosos não ficarem impunes, já não é prioridade? Não interessa se o primeiro ministro for corrupto? Se for um dos que pratica roubalheiras e fica impune? A culpa da questão do Freeport é um cartaz? O cartaz não surge porque há um caso na justiça que parece ser exactamente um daqueles a que se refere Soares na questão da crise social? Casos em que a justiça não é célere, não é clara e não ajuda à confiança nas instituições?

Pelos vistos nada disso é importante e a habilidade do primeiro ministro não está em ser capaz de resolver algum dos problemas graves do país, mas apenas em ter uma esquiva política que tem evitado que tenha de responder pelos seus actos, como acontece a qualquer outro cidadão, não poderoso.

Pois, pois... as palavras pomposas, de crise e alerta para as injustiças e tal, e tal, parece que são só para enfeitar a página, para parecer que se pensa alguma coisa sobre alguma coisa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:51


A Educação e a Arte

por beatriz j a, em 12.02.09

 

   O final desse livro aí o lado diz mais ou menos o seguinte: " A beleza natural de uma paisagem não é a mesma que a sua beleza estética. Posso passear numa paisagem esplêndida e sentir todos os seus charmes naturais. Posso fruir da duçura e amenidade do ar; do brilho, variedade e alegria das cores; do murmúrio agradável do riacho ou do aroma das flores. Tudo isto me dá um prazer intenso dum género específico e característico. Mas esta espécie de prazer não é ainda uma experiência estética. A experiência estética começa por uma mudança súbita no horizonte do meu pensamento. Começo a olhar a paisagem, já não com o olhar dum simples espectador mas com o olhar dum artista: formo no meu espírito uma 'imagem' da paisagem. Nessa imagem, nenhuma das qualidades antes enunciadas é esquecida ou apagada. Mesmo a imaginação mais artística e poderosa não pode criar um mundo novo a partir do nada. Mas, quando o artista aborda a natureza, todos estes elementos ganham uma nova configuração. A imaginação e a contemplação artísticas não nos dão o aspecto das coisas físicas mortas ou das qualidades sensíveis mudas. Dão-nos um mundo de formas dinâmicas e vivas - um equilíbrio de luzes e sombras, de ritmos e melodias, de linhas e contornos. Tudo isso não pode ser percebido ou recebido de forma passiva; temos de construir, erigir as suas formas, tomar consciência delas para as podermos ver e sentir.  Todos os nossos estados passivos se transformam em energias activas. As formas que eu apercebo não são apenas os meus estados mas os meus actos.

É esta característica da experiência estética que dá à arte o seu lugar específico na cultura humana e faz dela um elemento essencial e indispensável do sistema da educação liberal. A arte é um caminho para a liberdade. No processo de libertação do espírito humano, que é o objectivo real e último de toda a educação, deve realizar uma tarefa que lhe é própria, uma tarefa que não pode ser subsituída por nenhuma outra função."

O Fernando Pessoa também defendia que a elevação do espírito humano - a que chamava, aristocratização, no sentido de refinamento de espírito e educação - teria de se fazer pela arte.

A arte abre caminhos à liberdade, à autonomia do pensar, à convivência com aqueles que elevaram o espírito humano ao melhor de si mesmo.

Nenhuma educação que despreze a aprendizagem dos escritores, dos poetas, dos pintores, dos filósofos, dos músicos, etc., poderá, alguma vez, cumprir o seu fim último. Nenhum povo se poderá desenvolver  a partir duma educação reduzida à mera aprendizagem de técnicas. Nenhuma educação poderá  levar o seu povo a ultrapassar o mero nível do senso comum de horizontes limitados se os seus educadores estiverem obrigados e reduzidos ao ensino de técnicas, ao ensino do absoluto presente material.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:32


Crónicas de Ridíkulo I

por beatriz j a, em 11.02.09

 

 

 

 

Todavia quem chegava ao recinto do circo ficava estúpido. O circo não era circular mas rectangular.

Segundo algumas fontes fidedignas (segundo outras fontes ainda, essas fontes fidedignas são inglesas) Ridikulo, o Director, dizia, quando no início, o  circo era ainda circular, não conseguir arranjar as cabeleiras pois via tudo a andar à roda e ficava tonto.

 

Cowlu: - Ficavas tonto com o circo circular??? Mas tu és tonto mesmo num circo quadrado; mas deixa pra lá, que achas de incluir no meu número alguns números primos, sabes dá estilo, dá q.i.?

Ridíkulo: - Passaste-te de vez!? Nem primos nem filhos da tia, o teu número tem de ter aquelas linhas em forma de ovo…

Cowlu: - Fios de ovos????

Ridíkulo: - Estás parva, não é pastelaria é geometria…

Cowlu: - Olha, eu não sou nem cabeleireira nem pasteleira e, por falar em bolos, não é hoje que vem cá ao recinto o Canibal Silas tomar chá?

Ridikulo: -  Só tu realmente, para me relembrares do chá com o Canibal Silas, achas que ele vai querer bolo-rei?

Cowlu: - Sim, sim, com ele sempre bolo-rei; mas não te esqueças de a seguir mandar aspirar o chão por causa das migalhas de bolo e depois temos espectáculo e vou receber treze personalidades pois  que queremos começar a escrever o estatuto da trapezista cadente, mais um número para mim e para os meus assistentes.

Ridikulo: - Mas agora já sabes escrever??’ Aprendeste com quem???

Cowlu: - Olha deve ter sido com o Sealha Gam…

 

 

publicado por Cecília Graça

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:30


Mais uma editora qp

por beatriz j a, em 11.02.09

 

 

Apartir de hoje temos mais uma editora qp a alegrar esta cena: a Cecília Graça.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:28

g.a


3-8-12


Pág. 1/2



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



PageRank