Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Dão-se alvíssaras a quem avisar o governo

por beatriz j a, em 14.05.08

 

 

Li hoje no jornal Sol que o nosso querido Fernando Pessoa ( que gostava duma página bem escrita e usava, convictamente, as consoantes mudas ) foi eleito uma das personalidades mais influentes da cultura europeia. O inquérito, de âmbito universitário, europeu, durou nove meses e elegeu-o ao lado de nomes como Leonardo da Vinci, Shakespeare, Mozart, Einstein, Sócrates (o filósofo! entenda-se), Goethe, Galileu Galilei, Erasmo de Roterdão e Dostoievski.
O presidente do Bureau Internacional de Capitais Culturais disse que ‘a Cultura é a essência que une os europeus e que uma Europa forte e sólida dependem do seu legado cultural.’

POR  FAVOR,  ALGUÉM  PODE  DAR  ESTA  INFORMAÇÃO  AOS  NOSSOS  GOVERNANTES?

Em particular àqueles que ocupam lugares em postos de educação e cultura?
É que eles não sabem disto e pensam que um Fernando Pessoa se faz como quem faz um engenheiro.
Pensam que desincentivar e até fechar os cursos das Humanidades não afecta a cultura do povo.
Que ter os museus fechados e as colecções guardadas não tem influência na riqueza (mesmo a material) de um povo.
Que afastar o povo do contacto com os vultos da cultura, como se faz agora nas escolas, com os novos programas do Grande Paradigma das TELEBS não faz grande diferença ( do que precisamos mesmo é de electricistas e operadores de máquinas, e esses podem ser ignorantes, que até dá jeito – domesticam-se melhor, não é verdade? )
Não percebem que a identidade e a solidez dos povos não se constroem com grelhas do Excel – são filhas da cultura que eles criam.
E que a cultura não se cria no vácuo, antes precisa de alimento, precisa de contexto.
Que morre em ambientes mesquinhos, fechados, onde não há liberdade, onde não há autonomia e discussão, onde as pessoas estão domadas e quebradas e amedrontadas. Onde se despreza o saber e se enaltece o imediatismo e a opinião ignorante.
No futuro, quando se fizer a história desta época no nosso país, o nome destas pessoas vai ser comparado, estou convencida, àqueles que em tempos passados fizeram perder o país para os hermanos. Disto não tenho dúvida. Que quando este tipo de pessoas forem varridas do poder e voltarmos a ter uma classe política com algum nível intelectual e cultural, olhar-se-á para este período como um hiato da razão crítica, prática e estética.

 

 

(publicado originalmente no Libertismo)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:07


No País do Sol Anda Tudo Nu

por beatriz j a, em 02.05.08

 

 

Li num jornal que o primeiro ministro acusa partidos da oposição de serem sectários e partidários nas suas críticas!!! ( lol )
Juro que pensava que os partidos e sectores da oposição tinham como dever, não aliar-se ao poder, mas sim fazer crítica, a partir, justamente, dos respectivos sectores partidários.

Pensaria o nosso primeiro que, à semelhança do que se passou com os sindicatos dos professores que parecem ser agora os porta-vozes do governo que temos, todos os partidos e sectores da sociedade passariam a falar a uma só voz com ele?

Não basta sermos as vítimas da ignorância e da incompetência? Temos ainda de fingir, nós todos, que não vemos este povo, que é um povo de gente decente, ser governado indecentemente?
Temos que fingir que não sabemos que as esquadras da polícia estão à mercê dos bandidos porque o dinheiro – o nosso dinheiro - que podia servir para aumentar ou modernizar as forças da polícia foi oferecido a um moço para ele brincar às corridas de automóvel?
Temos de fingir que não sabemos que o dinheiro – o nosso dinheiro – que podia servir para, por exemplo, os tribunais terem uma casa de banho para os seus funcionários, foi parar a firmas de advogados sabe-se lá para quê. ( sabe-se sim…)
Temos de fingir que não sabemos que o dinheiro – o nosso dinheiro - que podia servir para não termos escolas de 3º mundo, foi parar às mãos dum senhor para que ele faça 2 ou 3 vezes o mesmo trabalho?
Ou, ainda temos de fingir que não vemos que há quem pense ser a reencarnação do Marquês de Pombal? Que há quem pense que os cargos servem para fazer uma praça ou uma avenida ou uma marginal e depois pôr-lhe o seu nome?
Será que estão a pensar cegar-nos?
Em tempos idos lembro-me que cantávamos uma canção que era mais ou menos assim:
 -“que mais queres tu
   que mais queres tu
   no país do sol
   anda tudo nu.”

 

 

(publicado originalmente no Libertismo)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:11

g.a


3-8-12



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



PageRank