Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Martin Luther King

por beatriz j a, em 22.01.08

 

 

Neste fim de semana celebrou-se, nos EUA o aniversário de Martin Luther King, pastor, líder e activista dos direitos civis dos negros americanos.

Martin Luther King ficou, para a história, conhecido como símbolo da liberdade e da luta pela justiça. Conhecido também e desde então admirado e inúmeras vezes citado é aquele seu discurso inspirado e inspirador, em Washington, em 1963, diante de milhares de manifestantes. Discurso proferido junto do monumento de homenagem a Lincoln, o homem que assinou o decreto da abolição da escravatura. É aí que Martin Luther King profere esse famoso discurso onde pede que, à liberdade já garantida há mais de cem anos no papel, se acrescente a liberdade real e efectiva pelos actos da lei.
Aproveitei a ocasião da comemoração do seu aniversário para reler esse seu discurso, cujo excerto mais conhecido é aquele em que diz que tem o sonho de um dia ver a sua nação viver à altura das suas palavras segundo as quais todos os homens foram criados iguais; tem o sonho de um dia ver as pessoas viver em liberdade e justiça, julgadas apenas pelo seu carácter.
As palavras dele são cada vez mais importantes, não para que uma só nação viva à altura das suas palavras, mas para que o mundo, que exibe, assinada, por todas as nações, a declaração dos direitos universais do homem, se eleve à altura das suas declarações ajuramentadas.

As palavras deste discurso são tão belas e verdadeiras e inspiradoras que lê-las é revigorante - um eficaz antídoto contra o desânimo, o cansaço e a frustração de assistir diariamente ao espectáculo mundial da injustiça e da opressão. Em meu entender, devia ler-se periodicamente.

 

(publicado originalmente no Libertismo)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44


Desvalorizados

por beatriz j a, em 13.01.08

 

 

As notícias, cada vez mais frequentes, que um ou outro dos nossos chefes, desvaloriza toda e qualquer crítica ao seu trabalho são, quanto a mim, um sintoma duma endémica falta de cultura democrática neste país.  O pior é que esta moda, que durante algum tempo parecia afectar apenas um número reduzido de personalidades do poder alastrou de um modo assustador.
Hoje foi um sindicalista que protestou – o protesto não é comentado por ter sido desvalorizado; na assinatura do Tratado de Lisboa as manifestações de oposição foram desvalorizadas, comentadas como casos de falta de educação (!); quando milhares de trabalhadores se manifestam contra esta ou outra política, ou decisão, invariavelmente o caso não é sequer comentado porque as autoridades visadas declaram desvalorizar o acontecimento. Se as notícias informam que o desemprego aumentou, a notícia é desvalorizada. As notícias diárias e chocantes sobre o aumento, em simultâneo, da riqueza dos bancos e da pobreza dos trabalhadores, são desvalorizadas como coisa banal.
Desvalorizar significa não atribuir valor, ou pelo menos diminui-lo.

Mas, se as críticas, ou manifestações, ou perguntas, ou seja lá o que for, são as pessoas do povo que as faz, não lhes atribuir valor é desvalorizar o povo que as faz.
A minha pergunta é só esta: se os nossos manda-chuvas não atribuem valor às pessoas deste povo, porque não vão governar outro povo qualquer que tenha, a seus olhos, pessoas que valham a pena governar?
Li que a Itália, na região de Nápoles, está com uma crise tão grande de lixo, que já falam em prejuízos de 500 milhões de euros. Acontece que, como desvalorizaram durante muito  tempo o trabalho de recolha e tratamento de lixo têm agora 15 mil toneladas de lixo nas ruas que já afastaram as transacções comerciais, o turismo, etc.. A crise é tão grande que as autoridades julgam que nem uma mega-campanha de publicidade poderá reverter facilmente a má imagem deixada por esta crise nojenta, consequência de se governar para as aparências pensando que varrer o lixo para debaixo do tapete é o suficiente para que ele não se veja.


Só mesmo para quem é de vistas curtas!

 
 
(publicado originalmente no Libertismo)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:46


Sermão do Toni aos peixes

por beatriz j a, em 08.01.08

 

 

Correm rumores de que o estado, para afirmar a sua laicidade, vai mandar alterar o nome de todas as escolas públicas que tenham nomes de santos.

É claro que eu não acreditei. Uma tal ideia só poderia vir de gente muito ignorante e inculta – aquele pessoal que não andou muito tempo à escola, como se dizia antigamente – que toma as coisas em sentido literal e não compreende que as referências religiosas, que existem em todos os países, são parte da sua memória e património cultural, e não um atentado à separação de poderes; e que um país sem memória é como uma pessoa sem memória: fica sem a identidade.

É claro que isto não pode ser verdade. Senão vejamos, era preciso, depois, mudar o nome do palácio de S. Bento, está claro! E a escola Padre António Vieira? Passar-se-à a chamar escola Toni Vieira? O sermão de Santo António aos peixes será de ensinança proibida? Ou será, doravante, o sermão do Toni aos peixes? E a avenida Infante Santo? Melhor, todas as avenidas Infante Santo deste país? E o ministro Santos Silva? Naturalmente teria de ser dispensado por trazer no nome a marca do poder religioso. E a padroeira de Portugal? A Nossa Senhora da Conceição? Ou o dia 8 de Dezembro será, daqui em diante, o dia da São? Ou vai Portugal perder a sua padroeira de mais de 350 anos, símbolo da nossa independência?

Proponho, para encher os cofres do estado, que se institua a prática de multa a todos os provocadores que utilizem expressões do género, Oh meu Deus!; Ai minha nossa Senhora!; Ai Jesus! Santo António me ajude! Adeus! Etc. Só o dinheiro das multas derivadas dos santinhos(!) que se seguem aos espirros daria para vários aeroportos.

      

É claro que quando isto acontecer já o dia de Todos os Santos foi substituído pelo dia de todos os bandidos...

 

 

 

     (publicado originalmente no Libertismo)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:57

g.a


3-8-12



no cabeçalho, pintura de Paul Béliveau. mail b.alcobia@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


subscrever feeds


Pesquisar

  Pesquisar no Blog



PageRank